Startup brasileira promete revolucionar gerenciamento de bens públicos das cidades

Uma startup brasileira, criada no Rio Grande do Sul, promete revolucionar o gerenciamento do patrimônio público das cidades com um sistema pioneiro que, instalado em qualquer smartphone, facilita e agiliza o gerenciamento do mobiliário urbano e dos bens públicos em geral, além de integrar e abreviar a comunicação entre os departamentos e secretarias de uma prefeitura.

Citysys Startup cria aplicativo para gerenciar patrimônio geolocalizadoFormada pelo designer Mário Verdi, pelo engenheiro de software Henrique Haas, pelo economista Sandro Schleder, e pelo administrador de empresas, Paulo Tupinambá, a Inventsys começa a apresentar para o mercado brasileiro o sistema Citysys. Já em uso na prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, o funcionamento do Citysys é simples e requer breve treinamento e rápida configuração. “Estamos oferecendo aos gestores públicos uma ferramenta que responde à altura ao processo de gestão colaborativa dos municípios, a chamada cidadania fiscal. O Citysys equipa o poder público para tornar mais eficiente esta força colaborativa, ligando a vontade de ajudar com a capacidade de resolver”, aponta Mário Verdi, diretor geral da Inventsys.

Diferente das ferramentas de cidadania fiscal, onde os problemas são reportados de forma independente do processo de resolução dos problemas, o Citysys liga o inventário de bens e o registro de ocorrências nestes bens com a máquina operacional. O sistema opera com um painel web em nuvem e um aplicativo instalado num smartphone, projetados para possibilitar o rápido cadastramento de todos os bens públicos da cidade, de forma categorizada, geolocalizada, com foto, data, hora e dados específicos de cada item de inventário. A agilidade do sistema permite que sejam registrados até 300 itens por pessoa a cada dia. Além disso, o Citysys possibilita que seja feito o acompanhamento e fiscalização de obras e do estado de conservação dos bens públicos, como paradas de ônibus, sinalização de trânsito, monumentos, iluminação, etc.

Em São Bernardo do Campo, o sistema é utilizado pela secretaria de transportes da cidade e facilitou o cadastramento, fiscalização e gerenciamento de toda a sinalização de trânsito da cidade, como placas e sinaleiras, com mais de 100 mil itens sendo inventariados.

Segundo Mário Verdi, um dos criadores da empresa, o Citysys agiliza a fiscalização, que geralmente conta com número de equipes insuficientes para dar conta da demanda, e dispensa o preenchimento de papeis e processos burocráticos intermináveis. Com o Citsys, assim que uma ocorrência é registrada no sistema (com foto, dados e localização do item, horário, nome do usuário e descrição do problema), como uma placa ou parada de ônibus danificada, o sistema já direciona a demanda para o departamento ou secretaria competente para que o conserto seja providenciado, num processo automatizado. Ao mesmo tempo, o sistema contabiliza o tempo para que aquela demanda seja atendida.

“Os gestores não sabem, por exemplo, quantas placas de trânsito a cidade possui, quantas paradas de ônibus, sinaleiras, prédios públicos, muito menos a condição detalhada de cada um desses itens. O Citysys proporciona essa visão da cidade, de forma rápida, ágil e integrada. Além de contabilizar tudo isso, o sistema que desenvolvemos é uma ferramenta de gestão operacional da cidade, pois a demanda cadastrada pelo Citysys cai direto na fila de execução da secretaria competente. A demanda é protocolada virtualmente sem ter que ligar e oficiar, perdendo tempo com a burocracia”, destaca Verdi.

Somado a agilidade e precisão, o Citysys é uma ferramenta que proporciona transparência. Uma vez inserida a informação no sistema, prefeito, secretários e diretores acessam os dados disponíveis com um clique no computador.

Geoinformação em São Paulo

Semin%C3%A1rio Geoinforma%C3%A7%C3%A3o no Estado de S%C3%A3o Paulo Startup cria aplicativo para gerenciar patrimônio geolocalizadoA realização de planejamentos, políticas, planos e projetos públicos é essencial em uma região tão importante como o estado de São Paulo, bem como a avaliação de impactos sobre o território, economia e sociedade em geral, e a informação geoespacial desempenha um papel fundamental em todo o processo. Para debater sobre os desafios dos projetos envolvendo geotecnologias no Estado de São Paulo, no dia 9 de maio vai acontecer o Seminário Geoinformação no Estado de São Paulo, como parte do MundoGEO#Connect LatinAmerica 2014.

Neste encontro, também realizado em parceria com a Emplasa, gestores públicos, usuários, representantes de empresas e instituições públicas estarão presentes para compartilhar experiências, projetos realizados, novas tecnologias, tendências e aplicações. Profissionais atuantes em Secretarias e Prefeituras vão demonstrar os desafios encontrados na implantação de Sistemas de Informações Geográficas (GIS) em prefeituras e órgãos públicos, além de aplicações específicas das informações geoespaciais. Além disso, um dos debates vai apresentar sobre Segurança Pública, com presença da Polícia Militar e do Ministério Público do Estado de São Paulo.

O seminário será realizado dia 9 de maio das 9h às 12h30 e das 14h às 17h30. Para mais informações, programação completa e inscrições, acesse a página do Seminário Geoinformação no Estado de São Paulo.

 

Startup brasileira promete revolucionar gerenciamento de bens públicos das cidades

Uma startup brasileira, criada no Rio Grande do Sul, promete revolucionar o gerenciamento do patrimônio público das cidades com um sistema pioneiro que, instalado em qualquer smartphone, facilita e agiliza o gerenciamento do mobiliário urbano e dos bens públicos em geral, além de integrar e abreviar a comunicação entre os departamentos e secretarias de uma prefeitura.

Formada pelo designer Mário Verdi, pelo engenheiro de software Henrique Haas, pelo economista Sandro Schleder, e pelo administrador de empresas, Paulo Tupinambá, a Inventsys começa a apresentar para o mercado brasileiro o sistema Citysys. Já em uso na prefeitura de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, o funcionamento do Citysys é simples e requer breve treinamento e rápida configuração. “Estamos oferecendo aos gestores públicos uma ferramenta que responde à altura ao processo de gestão colaborativa dos municípios, a chamada cidadania fiscal. O Citysys equipa o poder público para tornar mais eficiente esta força colaborativa, ligando a vontade de ajudar com a capacidade de resolver”, aponta Mário Verdi, diretor geral da Inventsys.

Diferente das ferramentas de cidadania fiscal, onde os problemas são reportados de forma independente do processo de resolução dos problemas, o Citysys liga o inventário de bens e o registro de ocorrências nestes bens com a máquina operacional. O sistema opera com um painel web em nuvem e um aplicativo instalado num smartphone, projetados para possibilitar o rápido cadastramento de todos os bens públicos da cidade, de forma categorizada, geolocalizada, com foto, data, hora e dados específicos de cada item de inventário. A agilidade do sistema permite que sejam registrados até 300 itens por pessoa a cada dia. Além disso, o Citysys possibilita que seja feito o acompanhamento e fiscalização de obras e do estado de conservação dos bens públicos, como paradas de ônibus, sinalização de trânsito, monumentos, iluminação, etc.

Em São Bernardo do Campo, o sistema é utilizado pela secretaria de transportes da cidade e facilitou o cadastramento, fiscalização e gerenciamento de toda a sinalização de trânsito da cidade, como placas e sinaleiras, com mais de 100 mil itens sendo inventariados.

Segundo Mário Verdi, um dos criadores da empresa, o Citysys agiliza a fiscalização, que geralmente conta com número de equipes insuficientes para dar conta da demanda, e dispensa o preenchimento de papeis e processos burocráticos intermináveis. Com o Citsys, assim que uma ocorrência é registrada no sistema (com foto, dados e localização do item, horário, nome do usuário e descrição do problema), como uma placa ou parada de ônibus danificada, o sistema já direciona a demanda para o departamento ou secretaria competente para que o conserto seja providenciado, num processo automatizado. Ao mesmo tempo, o sistema contabiliza o tempo para que aquela demanda seja atendida.