No final do ano passado, o consórcio DemoGRAPE observou pela primeira vez cintilações ionosféricas em sinais do sistema Galileo na Antártica, usando o receptor de referência GNSS PolaRx5S da Septentrio. Entenda

Septentrio Logo H 192x1921 300x300 Primeiro registro de cintilação em sinais Galileo acontece na Antártica

Em latitudes mais altas, a degradação do sinal GNSS devido à atividade ionosférica é mais pronunciada. Os modos de posicionamento baseados em fase mais precisos são particularmente vulneráveis ​​a perturbações da ionosfera, como cintilações. A atividade ionosférica elevada pode causar perda de modo de posicionamento preciso ou, em casos mais extremos, perda total de bloqueio de sinal.

O monitoramento do movimento e evolução das placas de gelo e das geleiras, bem como a prospecção geodésica, exigem um posicionamento altamente preciso. Além desse interesse científico, o posicionamento preciso é importante do ponto de vista da segurança. Quando a visibilidade é limitada e a viagem é restrita, as rotas designadas entre locais remotos devem ser rigorosamente seguidas para evitar perigos, como cair em uma fenda durante uma tempestade de neve, por exemplo.

O DemoGRAPE é um projeto internacional liderado pelo Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV) da Itália, em parceria com o Politecnico di Torino, a Agência Espacial Nacional da África do Sul (SANSA) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O objetivo do consórcio é pesquisar a melhoria do posicionamento por satélite de alta precisão com o objetivo de desenvolver aplicações científicas e tecnológicas na Antártica.

Recentemente, o consórcio DemoGRAPE observou pela primeira vez cintilações ionosféricas em sinais do sistema Galileo na Antártica, usando o receptor de referência GNSS PolaRx5S da Septentrio. Galileo é o sistema europeu de navegação e posicionamento por satélites, com alcance global. O PolaRx5S é o ponto de referência para aplicações meteorológicas espaciais GNSS. Ele fornece dados para análise de cintilação (correções de I & Q, fase, código e portadora) em até 100 Hz para todas as frequências de banda L GNSS.

A cintilação ionosférica é uma variação rápida de amplitude e fase dos sinais de ondas de rádio e ocorrem quando estes sinais atravessam irregularidades ionosféricas ou bolhas de plasma. As bolhas são geradas no equador magnético, após o pôr-do-sol, devido às instabilidades da atmosfera. Elas tendem a se mover para para o alto e mapeiam ao longo das linhas do campo magnético e atingem 20 graus de latitude norte e latitude sl.

“Estamos realmente muito felizes com a colaboração frutífera com os colegas da Septentrio que apoiaram nossas medidas no ambiente extremo da Antártica. As primeiras cintilações do Galileo observadas nos sites DemoGRAPE estão atraindo a atenção das comunidades do Clima Espacial, além das fronteiras europeias, como atestado pelo artigo publicado no Diário da União Geofísica Americana “(Alfonsi, L., PJ Cilliers, V. Romano, I. Hunstad, E. Correia, N. Linty, Fabio Dovis et al. “Primeiras observações de cintilações ionosféricas GNSS do projeto DemoGRAPE”. Clima Espacial 14, nº 10 (2016): 704-709).

“Estamos muito orgulhosos de ter habilitado nossos colegas e amigos do INGV e do consórcio DEMOGrape a fazer esta primeira medida de cintilação nos sinais Galileo”, afirmou o Dr. Bruno Bougard, Diretor de P & D da Septentrio. Ele continuou: “O valor agregado do Galileo nas aplicações de alta precisão reside na sua capacidade de aumentar a disponibilidade e a confiabilidade da posição em comparação com os sistemas tradicionais GPS + GLONASS. Demonstrar sua resiliência à cintilação é fundamental para operações em altas latitudes”.