O MetOp-C é o terceiro e último satélite da primeira geração de satélites meteorológicos de órbita polar MetOp

79d0ed39 ae3d 48e1 883c cb6cf290704a 300x200 Airbus conclui acoplamento da plataforma e da carga útil do satélite MetOp C O módulo de carga útil do MetOp-C, desenvolvido e construído pela Airbus na Alemanha, foi entregue em Toulouse após completar uma série de testes no ESTEC, o centro técnico da Agência Espacial Europeia (ESA) em Noordwijk na Holanda. O satélite, que pesa quatro toneladas, está quase completo após o acoplamento bem-sucedido de seu módulo de carga útil e serviço.

Em preparação para o lançamento agendado para outubro de 2018 a partir de Kourou, na Guiana Francesa, o MetOp-C passará por uma série adicional de testes radioelétricos nas próximas semanas. O painel solar, que é o último componente principal que falta, será integrado em novembro de 2017, logo antes do teste de vibração.

Os satélites MetOp foram desenvolvidos pela Airbus para a ESA e a EUMETSAT, a Organização Europeia para a Exploração de Satélites Meteorológicos, e fazem parte de uma cooperação conjunta entre a Europa e os EUA. A EUMETSAT é responsável pelo funcionamento dos satélites.O MetOp-A, o primeiro satélite da série, foi lançado em outubro de 2006 e já duplicou a sua vida útil especificada de cinco anos.

O MetOp-B foi colocado em órbita em 2012 e também está prestes a exceder a sua vida útil projetada. Inicialmente, o plano era que cada satélite substituiria seu antecessor; no entanto, o excelente desempenho dos dois primeiros satélites MetOp mostra que eles agora poderão ser operados simultaneamente, proporcionando mais dados à comunidade meteorológica.

O próximo lançamento do MetOp-C melhorará ainda mais a qualidade das observações e dos dados fornecidos para as previsões meteorológicas.Cada satélite MetOp conta com um total de 12 instrumentos, tornando o sistema extremamente versátil. A sonda de micro-ondas construída pela Airbus para medir a umidade fornece dados sobre o vapor d’água próximo da superfície da Terra e faz parte da colaboração com os EUA. Além de cada satélite MetOp transportando o instrumento, mais dois estão instalados nos satélites NOAA dos EUA, fornecendo dados correspondentes de uma órbita diferente, visando aprimorar os modelos meteorológicos. O MetOp também mede os ventos da superfície do oceano, observa a distribuição do gelo marinho e monitora a camada de ozônio na estratosfera, além de retransmitir medições meteorológicas coletadas por barcos, boias e estações de pesquisas. Ele também inclui um receptor para retransmitir sinais enviados por pessoas em perigo.O MetOp aumentou a precisão da previsão do tempo e permitiu prolongar em um dia as previsões de curto prazo.