O IBGE lança hoje o primeiro número do volume 62 da Revista Brasileira de Geografia (RBG). A publicação deste semestre traz uma entrevista sobre os primórdios do geoprocessamento no Brasil e a resenha de uma obra clássica do século XIX. Além disso, os três artigos desta edição relembram a importância das representações gráficas, analisam uma recente pesquisa sobre a fronteira agrícola amazônica e discutem os impactos da modernidade sobre o pensamento geográfico contemporâneo. Clique aqui para acessar a revista.

cover issue 10 pt BR 300x225 Lançamento do novo volume da Revista Brasileira de GeografiaNo artigo Representações (Geo)gráficas: Notas e exemplos, Roberto Lobato Corrêa, do departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), apresenta uma discussão atualizada sobre a importância das representações gráficas como recurso para o melhor entendimento e interpretação de fenômenos espaciais.

Em A fronteira agrícola na Amazônia do século XXI: Identidade regional, sistema agrícola, ética ambiental e modo de vida rural, Scott William Hoefle, também do departamento de Geografia da UFRJ, apresenta os resultados de uma ampla pesquisa entre diferentes produtores rurais do oeste paraense e do sul amazonense.

O terceiro artigo, intitulado As incertezas científicas e a Geografia, de Rodrigo Dutra Gomes, do departamento de Geografia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e Antonio Carlos Vitte, do departamento de Geografia da Universidade de Campinas (Unicamp), faz uma reflexão sobre como os avanços científicos dos séculos XIX e XX impactaram o pensamento geográfico, principalmente sobre as incertezas do conhecimento e do funcionamento da natureza.

O volume também traz a resenha Uma perspectiva ibérica, escrita por Ricardo Coscurão, da Universidade de Lisboa, elaborada a partir da tradução dos capítulos sobre Portugal e Galiza da obra Nouvelle Géographie Universelle, de Elisée Reclus, geógrafo francês.

A entrevista de Jorge Xavier da Silva encerra esta edição da RBG. Pioneiro na implantação e na difusão do geoprocessamento em diversas universidades brasileiras, o pesquisador aborda aspectos determinantes de sua trajetória profissional, com destaque para o projeto RADAM-Brasil, que levantou dados sobre a geologia, os solos, a vegetação, o relevo, o uso da terra e a cartografia nas décadas de 1970 e 1980.

Com edição do IBGE, a RBG é uma publicação científica digital com periodicidade semestral. A submissão de trabalhos é contínua e está aberta a pesquisadores de instituições nacionais e internacionais, inclusive do IBGE. Para acessar o conteúdo completo ou para submeter trabalhos, visite o portal da revista.