A coleção de mapas permite saber com precisão a energia solar disponível em cada um dos 399 municípios do Paraná ou em qualquer ponto do Estado, inclusive de acordo com a época do ano

Novos investimentos em energia solar no território paranaense acabam de ganhar um forte aliado. É o Atlas de Energia Solar do Estado do Paraná, projeto que é resultado de uma parceria entre a Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Universidade Federal Tecnológica do Paraná (UTFPR) e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), lançado em dezembro.

O Atlas confirma o grande potencial solar do Paraná que, embora seja menor que o de outros estados brasileiros – como os do Nordeste – é 43% superior ao da Alemanha, um dos cinco países que mais investe nessa fonte renovável, no mundo. O potencial paranaense é, ainda, 18% superior ao da França e 55% maior que o do Reino Unido.

AtlasSolar Divulgacao 300x199 Atlas Solar do Paraná mede energia do sol disponível em qualquer ponto do Estado“A Itaipu tem como missão promover o desenvolvimento sustentável, o que inclui a pesquisa de novas tecnologias e o fomento a outras fontes renováveis que são complementares à hidráulica”, afirmou o diretor-geral brasileiro da Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna, durante a solenidade de lançamento do Atlas, realizada no edifício Parigot de Souza, sede da Itaipu em Curitiba.

De acordo com o professor Gerson Máximo Tiepolo, coordenador do Laboratório de Energia Solar (Labens) da UTFPR e um dos autores do estudo, o Atlas permite saber com precisão a energia solar disponível em cada um dos 399 municípios do Paraná ou em qualquer ponto do Estado, inclusive de acordo com a época do ano.

O projeto utilizou uma modelagem matemática que mede o espalhamento da energia solar no território, aliando imagens de satélite, estações do Inpe e estações do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). “A metodologia também considerou variáveis que influenciam no aproveitamento da energia solar, como altitude, visibilidade, temperatura do ar, umidade relativa, entre outras”, explicou Alisson Rodrigues Alves, do PTI, outro autor do estudo.

Com isso, é possível saber de antemão quanta energia poderá ser produzida em um projeto de geração solar, até mesmo residencial. E qualquer cidadão pode consultar a base de dados, que também está disponível na internet, no site www.atlassolarparana.com. “Não é preciso ter conhecimento avançado de energia para ter uma estimativa com alto grau de precisão de quanto um sistema de geração de energia solar vai gerar”, acrescentou Tiepolo.

“A geração de energia a partir de fontes renováveis, como a solar, é um caminho sem volta”, afirmou o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, que representou o governo estadual no evento. Ele informou que o Estado hoje conta com um grupo de trabalho que está estudando incentivos para fomentar a geração distribuída no Paraná (incluindo, além da solar, a biomassa e a eólica) e que pretende lançar um marco regulatório para o setor em breve.

Com informações da Fundação Parque Tecnológico Itaipu – Brasil

Geoinformação & Disrupção: Criando Novos Mercados

Qual será perfil do futuro profissional e das empresas ligados a Informação Geográfica? Como a cadeia produtiva da Geoinformação pode se adaptar às rápidas e constantes mudanças que estão ocorrendo e também buscar novos mercados?

Toda esta evolução digital baseada em tecnologia móvel, a combinação de inteligência artificial e a observação da Terra, serviços automatizados de localização, big data e análises geográficas em real-time.

No seminário Geoinformação & Disrupção, que vai acontecer no dia 15 de maio na abertura do MundoGEO#Connect 2018, especialistas estarão reunidos para debater estas tendências e desvendar os melhores caminhos para as empresas do setor continuarem a prover soluções para uma cadeia consumidora corporativa da análise geográfica cada vez mais ampla e exigente.

Veja a programação completa