Após este lançamento, a constelação GaoFen-1 será composta por quatro satélites capazes de adquirir imagens de média resolução espacial

Segundo informações da empresa TecTerra Geotecnologias, revenda autorizada da Space View, operadora chinesa das imagens de satélite GaoFen-1 (GF-1), ocorreu com sucesso o lançamento de mais três satélites da constelação.

Os satélites de Observação da Terra foram colocados em órbita a partir da base chinesa de Taiyuan, na província de Shanxi, no último sábado (31/3) às 03:22 UTC (11:26 hora local).

O GaoFen-1 tem diversas soluções geoespaciais e de fornecimento de imagens de satélites de Observação da Terra de média resolução espacial, com aplicações no planejamento territorial e ambiental, monitoramento, energia, silvicultura, agronegócio, mineração, obras de engenharia, mineração, etc.

Após o lançamento de mais três satélites, a constelação GaoFen-1 será composta por quatro satélites capazes de adquirir imagens de média resolução espacial.

A partir dos testes e calibrações que serão realizados em breve, os três satélites, juntamente com o existente, serão capazes de imagear a superfície terrestre em 11 dias, com revisita em um mesmo local da Terra de dois dias, o que possibilitará a aquisição de imagens de satélite atualizadas e diversas aplicações de monitoramento de áreas.

O GaoFen-1 é capaz de obter imagens de média resolução com diferentes especificações técnicas:
• 2 metros pancromática (tons de cinza) e 70km de faixa de imageamento
• 8 metros multiespectral (coloridas RGB e IR) e 70km de faixa de imageamento
• 2 metros multiespectral (coloridas RGB e IR) e fusionadas (PAN + MS) e 70km de faixa de imageamento
• 16 metros multiespectral (coloridas RGB e IR) e e 800 km de faixa de imageamento

Gaofen amostra 768x768 600x600 China lança três novos satélites da constelação GaoFen 1

Imagem de satélite GaoFen-1(GF-1) de área de agricultura na China com 2 metros de resolução espacial nas bandas RGB e IR (Fonte: TecTerra)

Geoinformação & Disrupção: Criando Novos Mercados

Como a cadeia produtiva da Geoinformação pode se adaptar às rápidas e constantes mudanças que estão ocorrendo e também buscar novos mercados?

Toda esta evolução digital está baseada em tecnologia móvel, a combinação de inteligência artificial e a observação da Terra, serviços automatizados de localização, big data e análises geográficas em tempo real.

No seminário Geoinformação & Disrupção, que vai acontecer no dia 15 de maio na abertura do MundoGEO#Connect 2018, especialistas estarão reunidos para debater estas tendências e desvendar os melhores caminhos para as empresas do setor continuarem a prover soluções para uma cadeia consumidora corporativa da análise geográfica cada vez mais ampla e exigente.

Veja a programação completa e confira como foi a última edição, que contou com mais de 3 mil participantes: