Propósito da apresentação foi destacar a missão da Embrapa Pesca e Aquicultura, o seu papel no desenvolvimento de pesquisas aplicadas nas temáticas pesca e aquicultura brasileiras e na agricultura do Matopiba

A Embrapa esteve presente em audiência pública que discutiu na semana passada em Brasília a transposição das águas do Rio Tocantins para o Rio Preto, que fica no Oeste da Bahia e faz parte da bacia do Rio São Francisco. Esse é um projeto do deputado pernambucano Gonzaga Patriota que já foi aprovado na Câmara dos Deputados e agora está em tramitação no Senado Federal, sob a relatoria da senadora tocantinense Kátia Abreu.

O geógrafo da Embrapa Balbino Evangelista tem experiência em agroclimatologia e participou da audiência no Senado no último dia 24. “Como os índices técnicos sobre a hidrologia da bacia do Tocantins já haviam sido apresentados quando da primeira audiência pública que aconteceu em Palmas, no dia 17 de abril, o propósito de minha apresentação foi destacar a missão da Embrapa Pesca e Aquicultura, o seu papel no desenvolvimento de pesquisas aplicadas nas temáticas pesca e aquicultura brasileiras e na agricultura do Matopiba”, explica.

geografo embrapa 300x198 Geógrafo da Embrapa colabora em discussão sobre transposição do Rio TocantinsOs índices mostram que a interligação das duas bacias é inviável dos pontos de vista técnico, econômico, social e ambiental. Mesmo assim, acrescenta Balbino, “a Embrapa se apresenta como parceira para tratar de alternativas importantes, tais como: restauração de áreas degradadas e passivos ambientais; avaliação do Cadastro Ambiental Rural e capacitação no Programa de Regularização Ambiental; revitalização das nascentes e margens (Áreas de Preservação Permanente); monitoramento dos usos compartilhados da água; ampliação das redes hidrometeorológicas para melhor conhecimento da disponibilidade hídrica da região; gestão estratégica dos Recursos Hídricos no médio e no longo prazos; desenvolvimento de estudos e pesquisas na área de Recursos Hídricos, especialmente com objetivo de disponibilizar técnicas e práticas de uso eficiente da água; e também, fundamentalmente, contribuir em Educação Ambiental”.

A audiência foi a segunda de três inicialmente previstas. No requerimento feito por Kátia Abreu, consta que “estes eventos terão como objetivo subsidiar esta relatora e os trabalhos desta Comissão com depoimentos, análises e informações acerca da sustentabilidade do Rio Tocantins, sua interface com a agropecuária e a agricultura irrigada do estado, especialmente, no que tange à sustentabilidade do meio rural, logística de transporte, pesca, produção de energia, abastecimento humano e proteção do meio ambiente”. O projeto está, no momento, na Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado e objetiva permitir a interligação entre os rios Preto e Tocantins para que seja possível a navegação desde o Rio São Francisco até o Rio Amazonas.

Foto: Roque de Sá
Com informações da Agência Senado

Geoinformação & Disrupção: Criando Novos Mercados

Como a cadeia produtiva da Geoinformação pode se adaptar às rápidas e constantes mudanças que estão ocorrendo e também buscar novos mercados?

Toda esta evolução digital está baseada em tecnologia móvel, a combinação de inteligência artificial e a observação da Terra, serviços automatizados de localização, big data e análises geográficas em tempo real.

No seminário Geoinformação & Disrupção, que vai acontecer no dia 15 de maio na abertura do MundoGEO#Connect 2018, especialistas estarão reunidos para debater estas tendências e desvendar os melhores caminhos para as empresas do setor continuarem a prover soluções para uma cadeia consumidora corporativa da análise geográfica cada vez mais ampla e exigente.

Veja a programação completa e confira como foi a última edição, que contou com mais de 3 mil participantes: