Uma dica aos profissinais na área de cadastro na hora de fazer seus orçamentos

Com o advento da Lei de Georreferenciamento de Imóveis Rurais, um fato vem chamando a atenção, infelizmente pelo lado negativo. Enquanto se discute qual GPS é o mais adequado, qual ponto da rede de marcos pode ser utilizado como base, que precisão aceitar, entre outras questões, esqueceram de avisar os prestadores de serviço que é necessário cobrar pelo serviço de georreferenciamento. Talvez, iludidos pela facilidade de se obterem medições com o uso do GPS, muitos prestadores de serviços de topografia perderam a noção de preços e valores. É comum encontrarmos orçamentos com preços que correspondem a 10% do valor que realmente deveria ser cobrado. Quem já teve essa infeliz experiência sabe do que estamos falando.

pag22 1 Georreferenciamento. Quanto cobrar?

Vou contar-lhes um fato recente. Nossa empresa, a TopoEVN, presta serviços de desenvolvimento e consultoria na área de Topografia e afins. Recentemente, recebemos um telefonema de um eventual cliente, uma empresa do interior de São Paulo, consultando-nos sobre a possibilidade de auxiliá-lo em um trabalho de georreferenciamento. Ele estava com dificuldades, pois possuía um GPS moderno e adequado para o trabalho, mas não tinha um software que permitisse as conversões de coordenadas UTM para o Plano Topográfico Local. Desejava encontrar uma área através de uma divisão simples e depois converter essas coordenadas em UTM novamente, para assim dar entrada junto ao INCRA. Imediatamente respondemos que sim, pois se tratava de um processo relativamente simples e que não levaria mais que uma ou duas horas. E assim trocamos alguns e-mails. Ele nos enviou o trabalho para a análise e enviamos um orçamento. Para nosso espanto, o e-mail foi retornado com a seguinte frase: "Estou analisando a proposta, apesar de estar elevada para o meu padrão". Vocês sabem o valor do nosso orçamento? Um pouco mais de um salário mínimo por duas horas de consultoria. Porém, vocês sabem o tamanho da área em questão? 1.600.000 ha. Nós fazemos a pergunta: Por qual valor essa empresa orçou o trabalho? Que valor é esse que impossibilita um investimento de R$ 250,00 na conclusão do mesmo? Qual será seu lucro?

É lamentável ver quantas pessoas não sabem valorizar nosso trabalho. Se esse cliente tivesse orçado o trabalho corretamente, teria recurso suficiente para comprar um par de GPS, Notebook e software de topografia com a receita de um único serviço.

É comum depararmos com profissionais, se é que podemos chamar de profissionais, que utilizam a topografia como "bico de final de semana" ou aventureiros que entraram na "onda" do GPS. Geralmente possuem outras fontes de renda e utilizam a Topografia como complemento. Nada contra, até consideramos compreensivo, pois nosso país é muito grande e há espaços para todos. Mas, o que mais nos deixa indignados é a desvalorização do serviço de Topografia. Deseja fazer um serviço? Tem condições de fazê-lo? Faça. Mas cobre um valor justo. Valorize a classe, a profissão e os profissionais que tiram o sustento exclusivamente deste serviço. Cobrar pouco é desleal e antiético. Valorizem-se! Não entrem em disputas de orçamentos onde o único objetivo é reduzir cada vez mais os preços e sufocar quem trabalha. A tecnologia do uso do GPS na Topografia tem como propósito agilizar os trabalhos e não desvalorizá-los.

"Valorizem-se! Não entrem em disputas de orçamentos onde o único objetivo é reduzir cada vez mais os preços e sufocar quem trabalha"


É importante deixar bem claro que com a Nova Lei de Cadastro de Imóveis Rurais, as responsabilidades aumentaram. Assim, como o Engenheiro Civil é responsável pelos cálculos de estrutura de um prédio pelo resto da vida, o profissional de Topografia também será o Responsável Técnico pelo seu trabalho de georreferenciamento. Em outras palavras: cada trabalho georreferenciado aprovado é um filho que você põe no mundo. Será de sua eterna responabilidade a comprovação das informações fornecidas ao INCRA e por conseqüência, à sociedade. O fato de o órgão ter aceitado seu trabalho, não significa que ele não pode ser contestado no futuro. Muito pelo contrário. Um cadastro de imóvel pode ser suspenso a qualquer momento, caso haja uma remontagem de divisas com um vizinho. Neste caso, os dois cadastros ficam suspensos para verificação. Quando comprovado o erro em um determinado trabalho, o responsável Técnico pelo mesmo, terá que arcar com todas as despesas oriundas dessa retificação, valor que pode chegar a R$ 30.000,00 (trinta mil reais), dependendo do tamanho da área. Além de que, com três erros comprovados, ele terá seu credenciamento suspenso, o que o impossibilitará de continuar trabalhando.

Ajude a georreferenciar o Brasil, mas muita seriedade nos trabalhos e principalmente ética nos preços. Trabalho sem lucro é hobby. Seja criterioso: cobre valores proporcionais aos equipamentos investidos e as responsabilidades assumidas. Conseqüentemente você terá receitas que possibilitem o investimento em novos equipamentos, cursos de aperfeiçoamento e mão de obra qualificada. É preciso evoluir.

Daniel Alexandre Janini
Engenheiro Agrimensor
Diretor de Desenvolvimento Técnico da TopoEVN
Mestrando em Agronomia pela ESALQ/USP
daniel@topoevn.com.br