O Brasil deve entrar no mercado internacional de venda de imagens de satélite até o final do primeiro semestre deste ano.

Países interessados na compra das imagens captadas pelo satélite sino-brasileiro CBERS 2 já estão sendo catalogados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e, depois de acertadas as condições, iniciarão a construção de estações de captação dos dados.

Segundo o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Sérgio Gaudenzi, o dinheiro arrecadado com a comercialização deverá ser revertida para o programa espacial brasileiro. "Estimamos que cada país pegue anualmente US$ 250 mil, que serão divididos de forma igual entre Brasil e China", afirma.

"É uma quantia acanhada, diante do quanto temos de investir no programa", avaliou Gau-denzi. "Mas já é alguma ajuda", completou. Para alguns países, as imagens deverão ser cedidas gratuitamente. "Isso deverá valer para aqueles que não tiverem condições de pagar", adiantou Gaudenzi.

Pelas projeções da AEB, o ideal seria que fos-sem investidos anualmente U$ 100 milhões no programa espacial. Para 2005, ele deve contar com pelo menos US$ 80 milhões.

pag12 1 Brasil deve comercializar imagens de satélite a partir de julho
Imagem CBERS permite a observação de todo o conjunto de represas instaladas no alto Rio Paraná e nos seus afluentes e formadores: Paranaíba, Grande, Tietê e Paranapanema.

Informações na internet:
www.cbers.inpe.br