O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em cooperação com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), inaugura nesta terça-feira (5 de abril) cinto novas estações da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo (RBMC).

As estações rastreiam os sinais dos Sistemas Globais de Navegação por Satélites (GNSS, na sigla em inglês), como o norte-americano GPS e o russo Glonass. As estações localizam-se em Canarana, Juína, Sorriso e Vila Bela da Santíssima Trindade, no Mato Grosso, e Teresina, no Piauí.

RBMC-IP

Além da inauguração de cinco novas estações, o IBGE anuncia que a estação de Maringá, no Paraná, em operação desde dezembro de 2008 para armazenamento de informações, também passa a oferecer dados para localização em tempo real pela internet, através do serviço RBMC-IP.

A RBMC é o elo direto entre o Sistema Geodésico Brasileiro (SGB) e redes internacionais similares. Com a crescente utilização das técnicas de posicionamento baseadas nos GNSS, seu papel é cada vez mais relevante na definição da ocupação do solo.

RBMC IBGE inaugura estações de posicionamento por satélite

Estações da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo

A RBMC é a estrutura de referência tridimensional (latitude, longitude e altitude elipsoidal, esta última referente ao modelo geométrico que representa a forma da Terra) mais precisa do país, podendo fornecer a qualquer usuário localizações com precisão de milímetros. Pode ser utilizada tanto para apoiar o projeto, construção e monitoramento de grandes obras de engenharia, como estradas, pontes e barragens, quanto na demarcação de terras indígenas, quilombolas, de proteção ambiental, entre outras, além de auxiliar no monitoramento de veículos. Isso se dá pela coleta diária de informações que permitem o cálculo das coordenadas (latitude, longitude e altitude elipsoidal) de diversos pontos do território nacional. No caso de terremotos, como os ocorridos no ano passado no Chile e no dia 11 de março deste ano no Japão, por exemplo, foi possível detectar deslocamentos de até 3 metros através de estações similares espalhadas nestes países e seus vizinhos.

Expansão da RBMC

Com o início de sua implantação em dezembro de 1996, a RBMC foi a primeira rede deste tipo a ser instalada na América do Sul e atualmente conta com 85 estações em operação, seis em fase de conclusão de instalação e testes (Benjamin Constant e Parintins, no Amazonas, Novo Progresso e Santarém, no Pará, Quixeramobim, no Ceará, e  São Carlos, em São Paulo.) e duas em fase de projeto e instalação (Barcelos e Coari, no Amazonas). As estações recepcionam os sinais de satélites artificiais com alta precisão, ajudando, através da interconexão com redes de outros países e continentes, a melhorar o sistema como um todo.

Os dados e relatórios de todas as estações podem ser acessados, mediante cadastro, no portal do IBGE e também no servidor de FTP. Estes dados são organizados em arquivos de observações diárias, sempre referentes ao dia imediatamente anterior. É possível ainda receber informações, seguindo a RBMC no Twitter.

Com informações da Comunicação Social do IBGE