Por Narcélio de Sá, Vitor George e Wille Marcel (colaboradores do OpenStreetMap Brasil)

Na tarde de sexta-feira (25/01), uma barragem de rejeitos de minério de ferro, da mineradora Vale em Brumadinho-MG, se rompeu, deixando dezenas de mortos e centenas de desaparecidos.

Ainda na sexta-feira a comunidade OpenStreetMap (OSM) iniciou um esforço colaborativo de mapeamento para montar um mapa base pré desastre com o intuito de auxiliar no planejamento das buscas e do resgate das vítimas, bem como na recuperação a longo prazo da cidade de Brumadinho.

Uma campanha de mapeamento coordenado colocou, em dois dias, praticamente todas as edificações da região afetada pelo rompimento em Brumadinho no OpenStreetMap, com apoio da organização de ajuda humanitária Humanitarian OpenStreetMap Team (HOT).

Nesse trabalho, está sendo utilizado o Tasking Manager, plataforma que já foi utilizada no desastre de Mariana, no terremoto do Haiti e outras diversas situações de desastres e crises humanitárias ao redor do mundo.

mapa do osm de brumadinho1 Artigo: OpenStreetMap no apoio ao desastre de Brumadinho

O mapeamento inicial teve como principal objetivo localizar as estruturas existentes e as afetadas, estradas, matas, áreas de agricultura, rios e áreas urbanizadas.

Em cerca de 24 horas, a comunidade OpenStreetMap de todo o mundo mapeou toda a área do desastre, e em 48 horas foi mapeada praticamente toda a área atingida pela lama.

Tudo que foi mapeado, pode ser impresso, utilizado em softwares GIS ou em dispositivos móveis para orientar as equipes de busca e salvamento, resgate de pessoas, resgate de fauna, delimitação de zona restrita ainda sob risco, cálculo de áreas atingidas, etc.

Os dados estão disponíveis para as organizações que estão trabalhando no local. A delegação de Israel, que veio ao Brasil para auxiliar nos esforços de resgate, e as equipes do Centro de apoio em Brumadinho estão utilizando os mapas do OSM para realizar o planejamento das ações do resgate.

Tweet com mapa do OSM sendo utilizado pelos israelenses:

> Moments before their plane takes off for Brazil, our delegation is making some final preparations for this important mission. #IDFinBrazil pic.twitter.com/ARt2My33cX
> — Israel Defense Forces (@IDF) January 27, 2019

É possível imprimir os mapas da região de Brumadinho com a ferramenta Field Papers , ou baixar os dados em diversos formatos utilizando o Export Tool, ferramenta de exportação dos dados integrada ao Tasking Manager.

O mapa do OpenStreetMap da região do rompimento de barragem em Brumadinho foi produzido com imagens de antes e depois do desastre, é o mais atualizado da região e indica a área devastada, bem como edificações potencialmente afetadas.

O mapa da região de Brumadinho pode ser aprimorado com o mapeamento de trilhas de acesso ou edifícios em áreas de impacto de outras barragens.

Para colaborar, basta fazer uma conta no site do OSM, seguir o tutorial e começar a editar. Dúvidas pode ser esclarecidas nos canais da comunidade brasileira do OSM.

Este fato comprova mais uma vez o potencial do mapeamento colaborativo e dos dados abertos para ajudar o poder público e toda a sociedade nas mais diversas situações.

Fonte: OpenStreetMap Brasil

Geo e Drones na Indústria 4.0

Você já pode marcar na sua agenda: de 25 a 27 de junho acontecem em São Paulo (SP) os eventos MundoGEO Connect e DroneShow 2019, os maiores da América Latina e entre os cinco maiores do mundo no setor.

Instagram Imagem Post B2 300x300 Artigo: OpenStreetMap no apoio ao desastre de BrumadinhoAlinhados às tendências globais e com foco na realidade regional, o tema geral dos eventos este ano será “Geotecnologia e Drones na Indústria 4.0”.

Os conteúdos dos cursos, palestras e debates estão sendo formatados por um time de curadores para atender as demandas de empresas, profissionais e usuários principalmente nos setores de Agricultura, Cidades Inteligentes, Governança Digital, Infraestrutura, Meio Ambiente, Recursos Naturais, Segurança e Defesa.

Dentre as tecnologias disruptivas que estarão em destaque, estão Big Data, Inteligência Artificial / Machine Learning, Internet das Coisas, Realidade Virtual e Aumentada, BIM, Tecnologia Autônoma, entre outras, tudo isso cada vez mais integrado às Geotecnologias (Mapeamento, Cadastro, Imagens de Satélites, Inteligência Geográfica, GIS).

Veja a programação completa de cursos e seminários e garanta sua vaga! Confira um resumo de como foi a última edição dos eventos MundoGEO Connect e DroneShow:

Imagem: Divulgação