Ausência de mapas públicos oficiais dificulta o planejamento setorial

Com intenção de debater a imprecisão de dados territoriais brasileiros, que acabam por afetar empresas de energia, a Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica (ABCE) realizará a primeira reunião sobre georreferenciamento para o setor elétrico na sede da ABCE no dia 23 de abril.

De acordo com o diretor presidente, Alexei Vivan, “a ausência de mapas públicos oficiais dificulta o planejamento setorial”. Ele cita como exemplo a obrigatoriedade das distribuidoras viabilizarem o Sistema de Informação Geográfica-Regulatório (SIG-R, Módulo 10 do Prodist) como base para a Geração Distribuída, o que exige uma organização cartográfica por parte do Estado, e a gestão de ativos (servidão de passagem e DUPs), que exige ferramentas de geolocalização: “Além disso, há diversos agentes interagindo com a regulação do território, como Ibama, ICMBio, Fundação Palmares, Funai, Iphan, órgãos estaduais e municipais. Isso onera o setor, cria insegurança jurídica. Nossa intenção é discutir e encontrar soluções para essas questões”, definiu.

geo para o setor eletrico 300x150 Associação de empresas discute geo para o setor elétricoConvidado para debater o tema, o advogado e geógrafo Luiz Antonio Ugeda Sanches abordará a legislação existente e meios para que as empresas do setor possam ter segurança jurídica com a regularização fundiária e ambiental. “Há uma lacuna legal, pois a Constituição prevê competência para legislar sobre sistemas de mapeamento e o Decreto n. 6.666/2008 criou a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais – INDE sem lei que o sustente”. Ele afirma que o setor elétrico pode ter um papel central nos temas relacionados ao ordenamento territorial nacional, desde o planejamento até a execução e gestão.

Com informações do Canal Energia e Geodireito

Geo e Drones na Indústria 4.0

Você já pode marcar na sua agenda: de 25 a 27 de junho acontecem em São Paulo (SP) os eventos MundoGEO Connect e DroneShow 2019, os maiores da América Latina e entre os cinco maiores do mundo no setor. Alinhados às tendências globais e com foco na realidade regional, o tema geral dos eventos este ano será “Geotecnologia e Drones na Indústria 4.0”, com previsão de 4 mil participantes, 30 atividades e mais de 230 horas de conteúdo.

Instagram Imagem Post B1 300x300 Associação de empresas discute geo para o setor elétricoOs conteúdos dos cursos, palestras e debates estão sendo formatados por um time de curadores para atender as demandas de empresas, profissionais e usuários principalmente nos setores de Agricultura, Cidades Inteligentes, Governança Digital, Infraestrutura, Meio Ambiente, Recursos Naturais, Segurança e Defesa.

Dentre as tecnologias disruptivas que estarão em destaque, estão Big Data, Inteligência Artificial / Machine Learning, Internet das Coisas, Realidade Virtual e Aumentada, BIM, Tecnologia Autônoma, entre outras, tudo isso cada vez mais integrado às Geotecnologias (Mapeamento, Cadastro, Imagens de Satélites, Inteligência Geográfica, GIS).

Perfil dos expositores da feira: prestadores de serviços de aerolevantamentos, mapeamento e cadastro; desenvolvedores de sistemas de análise espacial; provedores de imagens de satélites; fabricantes e importadores de drones; fabricantes de sensores e tecnologias embarcada; distribuidores de softwares, plataformas de processamento e análise de dados; agências reguladoras e órgão governamentais; empresas de consultoria e treinamento; distribuidores de equipamentos de geomática; empresas de mapeamento móvel, entre outras.

Veja a programação completa de cursos e seminários e garanta sua vaga! Confira um resumo de como foi a última edição dos eventos MundoGEO Connect e DroneShow:

Imagem: Pixabay