entrevista | Energia

Energia

Entrevistas Energia

Por Marcos Cavalcanti | 12h45, 04 de Novembro de 2010

Continuamos com nossa série de entrevistas com profissionais do setor elétrico, desta vez segue entrevista com Fernando Silveira – Elétrobras

Nome: Fernando Silveira    

Formação: Bacharelado – Física – pós-graduação –Ciência dos Materiais (Coppe)

Empresa que atua: ELETROBRAS

Anos de experiência profissional: 25 anos

Quantos Anos trabalha com geoprocessamento agregado a sua área de atuação e qual foi o primeiro contato com essa ferramenta?

Trabalho, atualmente, em TI, na área de desenvolvimento de sistemas. Há mais de oito (8) anos venho buscando mostrar a necessidade de uma gestão centralizada das atividades de geoprocessamento no que tange a criação de normas, padrões inclusive para aquisição de produtos, como ortofotos e imagens de satélite), gestão de metadados, de imagens. Essa idéia surgiu do estreitamento de uma relação bastante produtiva com o profissional da ELETROBRAS, Marcio Giovanni Cupti Madeira, que me mostrou o caos e carência por padrões existentes nas áreas que utilizavam geoprocessamento.

Que mudanças tem ocorrido na sua área profissional que o geoprocessamento poderia contribuir?

Tenho buscado despertar o pensamento espacial na cabeça dos clientes e, procurado gerar demandas por parte deles nesse sentido. Entendo que para o nível estratégico e tático da empresa o produto de geoprocessamento mais significativo é o GIS. Por isso, temos investido nas ferramentas servidoras de mapas e seremos os viabilizadores dos SIG’s na ELETROBRAS. Sempre de forma multidisciplinar, engenheiros, geógrafos, profissionais de meio-ambiente e outros geram seus projetos e disponibilizam para que a gente dê o tratamento necessário à apresentação nas ferramentas citadas.

Como você vê os estudos ambientais e sua relação com o Geoprocessamento no setor de energia?

Sabemos que as perguntas abaixo demonstram a importância de um business ter o geoprocessamento como ferramenta de apoio.
O que?
Onde?
Sobre o que?
Áreas afetadas?
Importância?
Quando e como?
Quanto?
Como mitigar ou eliminar?

Isso é muito claro no Setor Elétrico, onde todos os empreendimentos afetam pesadamente o meio-ambiente. Empreendimentos hidrelétricos, por exemplo, destroem vários ecossistemas e, consequentemente, afetam drasticamente àqueles periféricos, para onde fogem os habitantes da área alagada, além da geração de metano por seus lago; eólicas afetam a população de aves e térmicas poluem e emitem ruídos.

Naturalmente, um geoprocessamento de qualidade é uma ajuda necessária e imprescindível às atividades de estudos ambientais.

Como está o geoprocessamento no setor Elétrico?

Engatinhando. Algumas empresas com maturidade avançada, mas a maioria delas, infelizmente, não utilizam nem 20% do que deveriam. Em geral, utiliza-se o geoprocessamento para se fazer “mapas digitais” que podem se tornar quadros de parede em salas de reunião ou de gerentes. Mapas, digitais ou não, NÃO devem ser objetivo de ninguém que queira ter um geoprocessamento de ponta que atenda igualmente as áreas operacionais, táticas e estratégicas de uma empresa. É preciso mostrar as mudanças o mais “real-time” possível. Os dados devem ser armazenados em banco de dados corporativos de onde possam ser lidos e plotados de forma segura, confiável e dinâmica. Assim, o geoprocessamento oferecerá uma ferramenta de apoio à decisão que, seguramente, responderá as questões acima listadas.

share save 171 16 Entrevistas Energia

Entrevistas Energia

Por Marcos Cavalcanti | 15h54, 29 de Outubro de 2010

Vou começar uma série de entrevistas com profissionais do Setor de Energia, as perguntas são as mesmas para todos e acredito que deixam o entrevistado aberto a emitir e escrever o que desejar sobre a influência do geoprocessamento no seu trabalho e no seu dia-a-dia.
Se desejarem podem deixar comentários sobre a entrevista…

Nome: Vinicius Ferreira Vianna

Formação: Geólogo
Empresa que atua: Furnas
Anos de experiência profissional: 2 anos

Quantos Anos trabalha com geoprocessamento agregado a sua área de atuação e qual foi o primeiro contato com essa ferramenta?

3 anos

Que mudanças tem ocorrido na sua área profissional que o geoprocessamento poderia contribuir?

O geoprocessamento, como ciência e ferramenta, tem uma importância fundamental no ramo das geociências. Enquanto há tempos atrás a dificuldade era obter a informação, atualmente a informação existe aos montes e a dificuldade é administrar tamanha quantidade de dados. Assim o geoprocessamento vem contribuindo, tornando dados de diferentes fontes fáceis de serem distribuídos (internet), utilizados e integrados de diferentes maneiras, de forma a maximizar a eficiência do uso da informação

Como você vê os estudos ambientais e sua relação com o Geoprocessamento no setor de energia?

No setor energético, ambiental e em outros, a atual política de administração preza pela disseminação da informação, como forma de conservação do patrimônio intelectual. Dessa forma, se observa cada vez mais órgãos estaduais e municipais tornando acessíveis seus bancos de dados de informação geográfica para uso público. No setor privado, a aquisição de informações geográficas se dá de forma cada vez mais ágil, com o avanço das tecnologias de GPS, sensoriamento remoto, monitoramento aéreo, etc. Assim, estamos observando um grande avanço no desenvolvimento de projetos, onde se minimiza o desperdício de tempo na busca de dados já disponíveis (e consequentemente valorização dos trabalhos já feitos) e maximiza o tempo gasto na avaliação e processamento de dados multifontes, o que vem trazendo consideráveis ganhos na qualidade e confiabilidade do produto final.

share save 171 16 Entrevistas Energia
  • Marcos Cavalcanti
    @marcanti
    Marcos José é Arquiteto com Pós-Graduação em Análise e Avaliação Ambiental pela PUC-RIO e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural pela UFPE/UNESCO e Extenção em Geoprocessamento na PUC-MINAS VIRTUAL.Atualmente faz Pós-Graduação em Fotografia e Imagem pela UCAM / IUPERJ;

    Marcos José é Arquiteto com Pós-Graduação em Análise e Avaliação Ambiental pela PUC-RIO e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural pela UFPE/UNESCO e Extenção em Geoprocessamento na PUC-MINAS VIRTUAL.Atualmente faz Pós-Graduação em Fotografia e Imagem pela UCAM / IUPERJ;

  •