seminario | GeoDrops

GeoDrops

Primeiro seminário online MundoGEO. Está chegando a hora

Por MundoGEO | 17h52, 28 de Outubro de 2009

Já está dando um friozinho na barriga pela expectativa da estreia dos seminários online MundoGEO. A primeira edição vai acontecer amanhã (quinta-feira) antes do meio-dia (a partir das 11h), sobre as imagens da constelação de satélites RapidEye, com participação grátis.

Eu conheci a ferramenta GoToWebinar de seminários online (ou webinars, ou ainda webinários … pessoalmente, não gosto muito desses nomes) quando participei de um evento sobre mídias sociais. Aí fiz um teste gratuito e vi que vale muito a pena usá-la, tanto para reuniões entre pessoas de uma mesma empresa que estão em locais diferentes, como para a realização de seminários online para centenas de pessoas ao mesmo tempo.

A empresa Santiago & Cintra Consultoria acreditou no projeto e topou patrocinar nosso primeiro seminário, com o tema "conheça a constelação de satélites com a maior disponibilidade de dados atuais do Brasil". Esse evento vai abordar tanto as características técnicas como as aplicações da constelação de cinco satélites RapidEye. O palestrante do seminário online será Marcos Leandro Kazmierczak (sobrenome difícil .. ainda não aprendi direito a pronúncioa, mas até amanhã vou treinar), engenheiro florestal e mestre em sensoriamento remoto.
 
Os seminários online MundoGEO foram idealizados para fins educacionais e informativos, sobre lançamentos, cases e tendências no setor de geotecnologia. A metodologia é totalmente alinhada aos conceitos de sustentabilidade e às demandas por conteúdo profissional em um rápido espaço de tempo, sem a necessidade de deslocamentos, tanto do palestrante como dos participantes.

As vagas no seminário são limitadas a 1.000 participantes. Garanta seu espaço no seminário Imagens RapidEye.

 

share save 171 16 Primeiro seminário online MundoGEO. Está chegando a hora

Injeção de sensoriamento remoto na veia

Por MundoGEO | 11h01, 01 de Outubro de 2009

Injeção na veia. Foi este o termo usado por um participante do Seminário 1001 Utilidades das Imagens de Satélites para definir o que aconteceu ontem no Hotel Bourbon Ibirapuera, em São Paulo.

Foram vários meses de preparativos, convites a palestrantes de debatedores, divulgação via portal, revistas, assessoria de imprensa, Twitter, Facebook, LinkedIn e email marketing (aqui abro um parênteses para falar sobre o envio de informações sobre o Seminário para a mesma base que recebe o informativo MundoGEO. Infelizmente, ainda não temos uma ferramenta para separar quem só deseja receber o informativo de quem também permite receber informações comerciais da MundoGEO. Isso estará disponível em breve), para condensar tudo em um só dia, com uma "overedose" de geoinformação.

Porém, o Seminário não termina aqui. Dentro de alguns dias vamos disponibilizar os principais momentos no canal da MundoGEO no YouTube, com a possibilidade de postar comentários sobre as palestras/debates. Além disso, alguns trechos serão disponibilizados também em podcast, no formato mp3, para quem esteve presente relembrar alguns pontos e também para quem não teve a possibilidade de assistir ao vivo saber o que rolou.

Durante o evento fizemos uma cobertura em tempo real pelo Twitter do Seminário, com vários posts a cada debate. Nossa intenção era receber perguntas aos palestrantes também pelo Twitter, mas não chegou nenhuma icon smile Injeção de sensoriamento remoto na veia . Talvez por ainda ser novo, com poucos seguidores, o Twitter do Seminário não tenha surtido o efeito esperado. Para o próximo evento, esperamos uma participação maior através dessa ferramenta.

Agenda

A programação do Seminário foi muito dinâmica, com 23 palestrantes/debatedores em um mesmo dia. Destaque para a palestra inicial, do meu ex-colega de faculdade Wilson Holler, hoje na Embrapa, que fez um apanhado geral sobre conceitos de sensoriamento remoto e sobre as diversas opções de sensores orbitais e aerotransportados disponíveis hoje e em um futuro próximo.

Na sequência veio um debate sobre as diferenças e complementaridades entre imagens orbitais e fotos aéreas. Neste painel houve alguns excessos comerciais, já que cada debatedor queria "vender o seu peixe", porém foi o que teve maior número de perguntas, o que mostrou o interesse dos participantes sobre como escolher entre essas tecnologias.

O último debate da manhã teve como foco os sensores radar e laser, que vão além das possibilidades dos sistemas óticos, podendo mapear áreas mesmo em presença de nuvens ou de vegetação densa, tanto de dia como à noite. Três representantes de sensores orbitais e um de sensor aerotransportado mostraram como essa tecnologia tem evoluído no Brasil.

No início da tarde, um dos destaques foi o palestrante do Inpe, José Carlos Epiphanio, que falou sobre a marca de 1 milhão de imagens de satélites distribuídas gratuitamente pelo Instituto. Mateus Batistella, da Embrapa Monitoramento por Satélites, também falou sobre como as geotecnologias podem contribuir para o desenvolvimento sustentável do país.

Na sequência, dois debates parecidos, sobre sensoriamento remoto para áreas urbanas e rurais, mostraram como a tecnologia, tanto orbital como aerotransportada, contribui para o mapeamento dessas áreas. Depois do coffee break e do famoso "networking", veio um debate sobre as possibilidades de atualização cartográfica, mostrando como o mapeamento está ficando cada vez mais fácil e econômico.

Para fechar, dois representantes de grandes empresas fornecedoras de imagens orbitais falaram sobre os novos modelos de negócios que estão surgindo, tanto para a aquisição  – como por exemplo acesso online e quiosques globais de imagens – como para o uso de dados – como por exemplo a migração do 2D para 3D e novos segmentos que utilizam informação geoespacial.

Sorteio

Ao final do dia, com o auditório ainda cheio, foram sorteados os seguintes brindes: um kit MundoGEO, com assinatura das três revistas, um livro e uma camiseta; uma entrada para o próximo seminário, a ser realizado em dezembro; uma imagens de acervo dos satélites GeoEye ou Ikonos, com 49 quilômetros quadrados, cortesia da Space Imaging; e um Ipod Shuffle com 4Gb de memória, cortesia da Santiago & Cintra Consultoria.

Pena que ninguém da equipe MundoGEO podia concorrer icon smile Injeção de sensoriamento remoto na veia

Próximo seminário

O terceiro Seminário MundoGEO será realizado no início de dezembro (provavelmente no dia 3), novamente em São Paulo, com o título e tema (preliminares): Google Maps e Earth para Empresas – Descubra como as ferramentas enterprise do Google podem impulsionar o seu negócio.

Fique ligado!

share save 171 16 Injeção de sensoriamento remoto na veia

Voltamos à programação normal

Por MundoGEO | 12h16, 22 de Abril de 2009

 

Depois da correria da semana passada, para a realização do Seminário GEOWEB & GPS, voltamos agora com a nossa programação normal.

Confesso que fiquei com um frio na barriga antes do evento, porém a sensação de dever cumprido ao final do dia foi reconfortante, ainda mais com os comentários que recebemos, a grande maioria elogiando o evento.

É claro que nem tudo poderia agradar a todos. A parte de perguntas, por exemplo, poderia ter sido feita diretamente pelos participantes e não através de papéis enviados aos mediadores. O tempo também foi um pouco curto (em média 40 minutos para cada debate) e algumas perguntas precisaram ser enviadas para os debatedores por e-mail.

Enfim … são algumas lições que ficam para as próximas edições.

Na sequência vou postar comentários sobre os debates que moderei. Também estamos preparando uma edição especial do podcast sobre o seminário, que deve ir ao ar esta semana.

share save 171 16 Voltamos à programação normal
  • Eduardo Freitas
    @eduardo
    Diretor de Operações do MundoGEO. Engenheiro Cartógrafo, Técnico em Edificações, Especialização em Gestão Estratégica de EAD. Tradutor dos informativos GeoSur e OGC Iberoamérica. Nas horas vagas: pão caseiro, comida japonesa e meia-maratona

    Diretor de Operações do MundoGEO. Engenheiro Cartógrafo, Técnico em Edificações, Especialização em Gestão Estratégica de EAD. Tradutor dos informativos GeoSur e OGC Iberoamérica. Nas horas vagas: pão caseiro, comida japonesa e meia-maratona

  •