GeoABC3  Projeto GeoABC avaliará a utilização de imagens de satélite no monitoramento de produção agrícolas

Margareth (de azul) e a pesquisadora Agnes Begue, do Cirad

Workshop realizado na Embrapa Solos (Rio de Janeiro-RJ), no dia 02 de outubro, com presença de pesquisadores do Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica pelo Desenvolvimento (Cirad, França), marcou o início do Projeto GeoABC, que une cientistas brasileiros e franceses com o objetivo de avaliar como imagens de satélite podem ser utilizadas no monitoramento dos sistemas de produção agrícolas envolvidos no Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC).

Histórico

Desde 1998 a equipe da Embrapa Solos, liderada pela pesquisadora Margareth Simões, trabalha no desenvolvimento de metodologias para o monitoramento do uso da terra baseado em imagens de satélite e técnicas de sensoriamento remoto. Essa atividade evoluiu para um estudo de metodologias específicas para o desenvolvimento da agricultura brasileira em escala regional, baseado em séries temporais e imagens gratuitas de satélites.

Entre 2010 e 2012 Margareth coordenou a área de Sustentabilidade da Agricultura no Labex Europa da Embrapa, em Montpellier (França), onde desenvolveu suas pesquisas junto à Maison de la Télédétection. “A Maison integra pesquisadores do Cirad, Instituto Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologias em Meio Ambiente e Agricultura (IRSTEA), do Instuituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IRD) e da Universidade Montpellier 2″, conta Margareth, que é a coordenadora do GeoABC.

Dando continuidade a esta parceria internacional e aproveitando a oportunidade do edital de intercâmbio tecnológico e científico, que une a nossa Capes e o Comitê Francês para Avaliação da Cooperação Acadêmica e Cientifica com o Brasil (COFECUB), surgiu o Projeto GeoABC, focado no monitoramento do avanço do Plano ABC.

O Projeto

Com previsão de dois anos de atuação –prorrogáveis por mais dois – o GeoABC terá como área piloto o município de Pedro Afonso (TO), região situada na área de expansão agrícola do Matopiba.

“Um dos nossos objetivos com o GeoABC é desenvolver procedimentos metodológicos para identificação de sistemas de produção e monitoramento das mudanças de uso da terra relacionadas à transição de sistemas convencionais para sistemas de baixa emissão de carbono, preconizados pelo Plano ABC, tais como os sistemas integrados (ILP, ILPF)”, revela Margareth.

O GeoABC também irá fornecer métricas e informações regionalizadas, visando subsidiar o planejamento e o monitoramento das metas do Plano ABC.

São parceiros da Embrapa Solos no projeto o Cirad, o IRD, a Unidade Mista de Investigação (UMR) Territórios, Meio Ambiente, Teledetecção e Informação Espacial (UMR TETIS – França), UERJ, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e INPE. Além disso, os centros de pesquisa da Empresa, Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna-SP), Embrapa Monitoramento por Satélite (Campinas-SP), Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO) e Embrapa Roraima (Boa Vista-RR) também colaboram com o trabalho.

Fonte: Embrapa