Uso de Veículos Aéreos Não Tripulados oferece qualidade e precisão de dados

Servidores do Incra em Minas Gerais habilitados a operar Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT) finalizam na sexta-feira (17) o aerolevantamento topográfico do assentamento Jacaré Grande, localizado no município mineiro de Janaúba. O trabalho é o primeiro no estado executado com esse tipo de tecnologia, agilizando a elaboração de peças técnicas para a titulação dos lotes.

Enquanto dois servidores realizaram o aerolevantamento em campo durante a semana, outra parte da equipe verificou os primeiros dados apurados. O voo inaugural ocorreu no dia 26 de outubro, percorrendo 780 hectares – a área total do assentamento é 11,1 mil hectares, divididos em 200 lotes. O processamento das informações iniciais foi concluído na última semana, servindo de orientação para as próximas atividades.

De acordo com o chefe da Divisão de Ordenamento da Estrutura Fundiária do Incra/MG, Marcelo José Pereira da Cunha, que também coordena o grupo nacional dos Veículos Aéreos Não Tripulados, a primeira remessa de imagens analisadas permite constatar a qualidade da acurácia posicional, ou seja, “comprova a exatidão das coordenadas extraídas pelo VANT”.

Em solo foram determinados 20 pontos de checagem, que são os parâmetros para a verificação do grau de precisão alcançado após o processamento das imagens. A média geral de precisão foi de 13,8 centímetros. “A melhor precisão exigida pela norma técnica do Incra é de 50 cm e o padrão mais restritivo de exatidão cartográfica de produtos digitais no Brasil é 28 cm. Tudo o que medimos sobre o mosaico de fotografias temos uma incerteza de apenas 13,8 cm, demonstrando a qualidade da tecnologia que começamos a utilizar”, acrescenta Cunha.

Na primeira etapa, foram produzidas 1.186 imagens de alta resolução, com as respectivas coordenadas geográficas e mapeamento detalhado de parte do assentamento. Foi possível identificar as cercas e os limites dos lotes, plantações, lavouras, criações de animais, casas, currais, linhas de energia elétrica e até a marca dos córregos secos devido à estiagem.

O material possibilita a confecção da planta e do memorial descritivo das parcelas, que serão certificados pelo Sistema de Gestão Fundiária do Incra (Sigef). Os documentos são requisitos básicos para a emissão dos títulos definitivos de domínio da terra, uma vez que precisam ser registrados em cartório.

Agilidade

vant mg2 300x225 Incra valida levantamentos com Drones para GeorreferenciamentoOs serviços de aerolevantamento foram feitos com o modelo Echar 20C, um dos três veículos dessa natureza adquiridos pelo Incra (há mais um da mesma categoria e outro de porte maior, o Nauru 500B, que está em operação em Goiás).

O Echar 20C tem autonomia de duas horas e meia de voo e cobertura de 1,5 mil hectares. “Agiliza consideravelmente nossas ações. Se tivéssemos que tirar cada ponto de divisa manualmente com GPS, levaríamos entre três e quatro meses para fazer o trabalho de campo. Agora, fizemos em 15 dias. Ainda, se fôssemos licitar o parcelamento da área, gastaríamos cerca de R$ 180 mil. Com o VANT há apenas o custo de R$ 10 mil para deslocamento e diárias de dois ou três servidores, então, economizamos recursos financeiros e tempo”, avalia Cunha.

Para o superintendente regional do Incra/MG, Robson de Oliveira Fonzar, a modernização traz resultados mais rápidos à sociedade, pois adianta a produção de elementos técnicos fundamentais à regularização fundiária. “A incorporação de Veículos Aéreos Não Tripulados acelera os serviços de georreferenciamento. Antecipamos em dias o que levaríamos meses para fazer e isso se reflete no melhor atendimento aos assentados. Em um tempo muito menor, conseguimos elaborar mapas e documentos necessários à titulação e à segurança jurídica das famílias que estão naquela terra”, considera.