SIG vai permitir maior interatividade por meio de um banco de dados em formato digital; também será possível baixar o mapa em celulares ou tablets

mapa geologico em sig 224x300 América do Sul ganha Mapa Tectônico em ambiente SIGA nova versão do Mapa Tectônico da América do Sul está disponível ao público a partir dest terça-feira (27/3), quando pesquisadores envolvidos com a elaboração do mapa se reunem no Rio de Janeiro para apresentar essa iniciativa, coordenada pela Comissão do Mapa Geológico do Mundo (Commission of the Geological Map of the World – CGMW).

O Mapa em SIG (Sistema de Informações Geográficas) apresenta informações geológicas, geocronológicas e geofísicas, além de outros temas relevantes, que permitem conhecer em ambiente digital, a idade, formação das rochas e sedimentos do continente Sul Americano e das áreas oceânicas adjacentes.

“Na área ocupada pela cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, o SIG nos indica que as rochas foram formadas entre 700 e 540 milhões de anos atrás e que a atual ‘calmaria’ geológica esconde um passado de turbulências com prováveis terremotos, altas cadeias de montanhas e oceanos que foram totalmente fechados e extintos”, explica a pesquisadora em Geociências Lêda Maria Fraga do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

A novidade em relação ao mapa anterior de 2015, é que o SIG permite maior interatividade por meio de um banco de dados em formato digital que conta com informações de cerca de 8 mil polígonos. Também será possível baixar o mapa em celulares ou tablets.

A decisão de preparar uma nova edição do Mapa Tectônico da América do Sul na escala de 1: 5 000 000, em formato digital, utilizando a tecnologia SIG, foi aprovado pela Assembleia Geral da Comissão do Mapa Geológico do Mundo (CGMW), realizada em Paris em 2002. O trabalho começou em 2004 e durante mais de uma década contou com a colaboração de dezenas de pesquisadores, principalmente do Brasil e da Argentina.

Com informações do Serviço Geológico do Brasil – CPRM

Geoinformação & Disrupção: Criando Novos Mercados

Como a cadeia produtiva da Geoinformação pode se adaptar às rápidas e constantes mudanças que estão ocorrendo e também buscar novos mercados?

Toda esta evolução digital está baseada em tecnologia móvel, a combinação de inteligência artificial e a observação da Terra, serviços automatizados de localização, big data e análises geográficas em tempo real.

No seminário Geoinformação & Disrupção, que vai acontecer no dia 15 de maio na abertura do MundoGEO#Connect 2018, especialistas estarão reunidos para debater estas tendências e desvendar os melhores caminhos para as empresas do setor continuarem a prover soluções para uma cadeia consumidora corporativa da análise geográfica cada vez mais ampla e exigente.

Veja a programação completa e confira como foi a última edição, que contou com mais de 3 mil participantes: