Energia

III ENGEO – ENCONTRO NACIONAL DE GEOPROCESSAMENTO DO SETOR ELÉTRICO

Por Marcos Cavalcanti | 20h37, 01 de Junho de 2014

O Encontro foi muito bem organizado pela Itaipu, faltaram algumas presenças de peso do setor como a Empresa de Pesquisa Energética – EPE, mas nada que tenha manchado um evento que tem se tornado a maior ferramenta de intercâmbio do setor. Percebe-se que algumas empresas saíram na frente com relação a colocar o geoprocessamento no lugar que merece.

A Eletrosul e Chesf são empresas que tem se colocado no expoente das empresas do setor, por mostrarem organização e metologias e procurando padrões para se organizarem.

Assisti alguns trabalhos antigos com roupagem de novos e acredito que algumas empresas devem  repensar o geoprcessamento, nota-se que atender a exigências das agências apenas, não faz uma empresa uma referência.

Itaipu fez um evento maravilhoso na sua plenitude de organização, será muita responsabilidade o próximo evento, pois superar Itaipu será difícil.

Para Saber+:

http://www.engeo2014.com.br/

share save 171 16 III ENGEO   ENCONTRO NACIONAL DE GEOPROCESSAMENTO DO SETOR ELÉTRICO

III ENGEO – Encontro Nacional de Geoprocessamento do Setor Elétrico

Por Marcos Cavalcanti | 10h36, 19 de Fevereiro de 2014

Já estão abertas as inscrições dos técnicos da área de energia  para o III Encontro Nacional que se realizará no dia 27 e 28 de Maio de 2014 na cidade Foz do Iguaçu – Paraná.

Este encontro é um marco na área de Geoprocessamento do Setor, participei do primeiro em Brasília com a organização da ANEEL com o Sr. Alcibiades, desde então o encontro marca-se pela difusão e pela abrangência de unir os técnicos do setor numa mesma direção, apontando diretrizes e possibilitando a troca de experiências da área de Geo no setor de Energia.

Para Saber+:

http://www.engeo2014.com.br/

 

share save 171 16 III ENGEO   Encontro Nacional de Geoprocessamento do Setor Elétrico

Bases Cartográficas e Temáticas

Por Marcos Cavalcanti | 22h31, 13 de Outubro de 2013

Comecei esta semana no Meio Ambiente e umas das minhas ações foi voltar a procurar bases temáticas para os estudos que estamos realizando,  não é fácil achar um local onde se concentra os links para estas páginas, então resolvi disponibilizar aqui alguns que conheço, se houver outros links e desejarem podem colocar nos comentários.

Bom proveito.

MMA - http://mapas.mma.gov.br/i3geo/datadownload.htm
MMA - http://mapas.mma.gov.br/mapas/aplic/probio/datadownload.htm
IBAMA - http://siscom.ibama.gov.br/
FUNAI - http://mapas.funai.gov.br/
INEA - http://www.inea.proderj.rj.gov.br/basetematica_estadoambiente/
CPRM - http://geobank.sa.cprm.gov.br/
DNPM - http://www.dnpm.gov.br/

share save 171 16 Bases Cartográficas e Temáticas

GEOENERGIA,TUDO TEM COMEÇO….

Por Marcos Cavalcanti | 3h36, 18 de Setembro de 2013

Estou de volta, já fazem dois anos que fui buscar novos desafios na minha vida profissional e percebi que era o momento para Energizar, dar um tempo. Espero contribuir novamente com posts interessantes e inovadores para o Mundogeo. Os amigos do Geoprocessamento sei que aqui encontrarei novamente e poderemos agregar assuntos que possibilitem mais conhecimento para todos.

Outra novidade é minha volta para o Meio Ambiente de FURNAS, a minha saída do Fundiário vem na hora de mudanças da empresa como um todo, principalmente diminuição de funcionários. Para quem não me conhece, acredito que meus posts antigos, voltem a funcionar e consigam ver uma longa trajetória aqui no Mundogeo.

Obrigado por estar de volta.

Marcos Cavalcanti

share save 171 16 GEOENERGIA,TUDO TEM COMEÇO....

FIM – TUDO TEM COMEÇO,ALGUMAS TEM MEIO E OUTRAS TEM FIM!

Por Marcos Cavalcanti | 15h04, 09 de Maio de 2011

QUERO AGRADECER PELO TEMPO QUE VOCÊS LEVARAM LENDO MEUS POSTS RELACIONADOS AO SETOR ELÉTRICO NA ÁREA DE GEOPROCESSAMENTO NO BLOG GEO ENERGIA. ESTOU DEIXANDO O PORTAL MUNDOGEO. AGRADEÇO A EQUIPE DO MUNDOGEO EM ESPECIAL AO EDUARDO FREITAS QUE PROPICIOU ESTA OPORTUNIDADE, CONHECI VÁRIOS AMIGOS , OBRIGADO A TODOS!

share save 171 16 FIM   TUDO TEM COMEÇO,ALGUMAS TEM MEIO E OUTRAS TEM FIM!

IV ENCONTRO DE USUÁRIOS ESRI ENERGIA 2011

Por Marcos Cavalcanti | 10h36, 11 de Março de 2011

Já estive presente em outros eventos de usuários da Esri, e posso afirmar que é uma excelente oportunidade de conhecer pessoas que fazem geoprocessamento no setor elétrico, a minha maior reivindicação neste evento foi sempre aumentar a quantidade de cases na área de geração pouco explorado. Fora isso é um evento que permite troca de experiências na área de energia e por si só um bom motivo para não perder.

IV ENCONTRO DE USUÁRIOS ESRI ENERGIA 2011
Data: 12 e 13 de Abril • Local: Bourbon Convention Ibirapuera – Avenida Ibirapuera, 2927, São Paulo – SP

Para Saber + e inscrições  :
http://www.img.com.br/utilities/energia2011/

share save 171 16 IV ENCONTRO DE USUÁRIOS ESRI ENERGIA 2011

FURNAS 54 ANOS.

Por Marcos Cavalcanti | 1h21, 01 de Março de 2011

Não poderia deixar passar a data em branco, hoje dia 28/2 a empresa FURNAS CENTRAIS ELETRICAS S.A. fez 54 ANOS. Com novo presidente Flavio Decat , a empresa parece acreditar que novos rumos traçados, resgatarão o nome da empresa e a valorização do funcionário através da exaltassão de uma nova caminhada onde todos andem juntos na melhoria de FURNAS.

share save 171 16 FURNAS 54 ANOS.

ENTREVISTAS ENERGIA 2011

Por Marcos Cavalcanti | 10h29, 18 de Fevereiro de 2011

Prezados Amigos do Blog Energia, me desculpem pelo tempo considerável que o BLOG ficou inativo, o Portal MundoGeo passou por mudanças necessárias, pois a interface do site estava defasada e está mudança deixou o blog inoperante. Para começar a série deste ano, inicío com o Post referente a última entrevista desta série iniciada no ano passado, as minhas considerações sobre geoprocessamento.

Um grande abraço e deixem seus comentários…

Nome: Marcos José de Cavalcanti

Formação: Arquiteto c/ Pós em Análise e Avaliação Ambiental e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural

Empresa que atua: Nova Rio Serviços Gerais (FURNAS)

Anos de experiência profissional: Na área de Meio Ambiente 6 anos, dois anos na área de Arquivo Técnico e 4 anos na área de Patrimônio no Setor Elétrico

  •  Quantos Anos trabalha com geoprocessamento agregado a sua área de atuação e qual foi o primeiro contato com essa ferramenta?

 Desde 1995 quando passei a trabalhar em uma empresa de consultoria do Rio de Janeiro, acredito que seja uma boa experiência profissional trabalhar na área de consultoria, se aprende e trabalha-se muito. O meu primerio contato foi com ferramentas de CAD, primeiro o AutoCAD que funcionava em DOS e fazia mapas para estudos ambientais de hidrelétricas, mapas de uso do solo, socioeconômia, de área de influência Direta e indireta usando as bases do IBGE.

  •  Que mudanças tem ocorrido na sua área profissional que o geoprocessamento poderia contribuir?

 Por encrível que se pareça o geoprocessamento está hoje consolidado ao meu ver, não se pode pensar estudos e projetos sem um projeto de SIG (sistema de Informação Geográfica) ou classificação de imagens ou estudos topográficos de qualquer projeto, fico apenas preocupado com a qualidade do dado e sua descrição correta, itens que o mundo moderno diz que está, mas devido a rapidez dos processos na hora “H não se preocupa com isso.

 O geoprocessamento na área de patrimônio em algumas empresas está consolidado, a meu ver o maior desafio é a integração de várias áreas como o Meio Ambiente, Patrimônio e Engenharia entre outras, usando uma mesma base de dados. No início as escalas de trabalho eram bem destintas, porem hoje a cada dia elas estão mais próximas.

  •  Como você vê os estudos ambientais e sua relação com o Geoprocessamento no setor de energia?

 Não trabalho na área ambiental atualmente, porem uma das coisas que tem que mudar na cabeça das pessoas é a questão do ESTRUTURAL E INVESTIMENTO, não se pode tratar o legado ( antigo ) como algo menos importante e isso é uma realidade no nosso país. Outro fato entender o geoprocessamento como departamento nessas empresas, não vejo experiência nenhuma no setor neste sentido, acredito que seria uma grande oportunidade para o geoprocessamento crescer no setor.

share save 171 16 ENTREVISTAS ENERGIA 2011

Entrevistas Energia

Por Marcos Cavalcanti | 14h03, 08 de Novembro de 2010

Renata Bier que trabalha com renovação de licenças de empreedimentos no setor elétrico é uma das minhas entrevistadas na mesma linha de perguntas sobre o envolvimento profissional e o geoprocessamento.

Nome: Renata Bier do Amaral
Formação: Ciências Contábeis c/ Pós em Gestão Ambiental e Gestão da Biodiversidade
Empresa que atua: Nova Rio (FURNAS)
Anos de experiência profissional: Na área de Meio Ambiente 8 anos.

Quantos Anos trabalha com geoprocessamento agregado a sua área de atuação e qual foi o primeiro contato com essa ferramenta?

Desde 2005 quando passei a trabalhar na Divisão de Meio Ambiente Natural – DNAT.E (5 anos)

Que mudanças tem ocorrido na sua área profissional que o geoprocessamento poderia contribuir?

Posso dizer que o geoprocessamento, na empresa em que trabalho, tem sido bem mais utilizado na área ambiental, principalmente por exigência dos órgãos ambientais.

Como você vê os estudos ambientais e sua relação com o Geoprocessamento no setor de energia?

Os estudos ambientais atuais estão bem mais detalhados e confiáveis com a utilização do geoprocessamento, não só no setor de energia, mas em todos os grandes empreendimentos.

share save 171 16 Entrevistas Energia

Entrevistas Energia

Por Marcos Cavalcanti | 12h45, 04 de Novembro de 2010

Continuamos com nossa série de entrevistas com profissionais do setor elétrico, desta vez segue entrevista com Fernando Silveira – Elétrobras

Nome: Fernando Silveira    

Formação: Bacharelado – Física – pós-graduação –Ciência dos Materiais (Coppe)

Empresa que atua: ELETROBRAS

Anos de experiência profissional: 25 anos

Quantos Anos trabalha com geoprocessamento agregado a sua área de atuação e qual foi o primeiro contato com essa ferramenta?

Trabalho, atualmente, em TI, na área de desenvolvimento de sistemas. Há mais de oito (8) anos venho buscando mostrar a necessidade de uma gestão centralizada das atividades de geoprocessamento no que tange a criação de normas, padrões inclusive para aquisição de produtos, como ortofotos e imagens de satélite), gestão de metadados, de imagens. Essa idéia surgiu do estreitamento de uma relação bastante produtiva com o profissional da ELETROBRAS, Marcio Giovanni Cupti Madeira, que me mostrou o caos e carência por padrões existentes nas áreas que utilizavam geoprocessamento.

Que mudanças tem ocorrido na sua área profissional que o geoprocessamento poderia contribuir?

Tenho buscado despertar o pensamento espacial na cabeça dos clientes e, procurado gerar demandas por parte deles nesse sentido. Entendo que para o nível estratégico e tático da empresa o produto de geoprocessamento mais significativo é o GIS. Por isso, temos investido nas ferramentas servidoras de mapas e seremos os viabilizadores dos SIG’s na ELETROBRAS. Sempre de forma multidisciplinar, engenheiros, geógrafos, profissionais de meio-ambiente e outros geram seus projetos e disponibilizam para que a gente dê o tratamento necessário à apresentação nas ferramentas citadas.

Como você vê os estudos ambientais e sua relação com o Geoprocessamento no setor de energia?

Sabemos que as perguntas abaixo demonstram a importância de um business ter o geoprocessamento como ferramenta de apoio.
O que?
Onde?
Sobre o que?
Áreas afetadas?
Importância?
Quando e como?
Quanto?
Como mitigar ou eliminar?

Isso é muito claro no Setor Elétrico, onde todos os empreendimentos afetam pesadamente o meio-ambiente. Empreendimentos hidrelétricos, por exemplo, destroem vários ecossistemas e, consequentemente, afetam drasticamente àqueles periféricos, para onde fogem os habitantes da área alagada, além da geração de metano por seus lago; eólicas afetam a população de aves e térmicas poluem e emitem ruídos.

Naturalmente, um geoprocessamento de qualidade é uma ajuda necessária e imprescindível às atividades de estudos ambientais.

Como está o geoprocessamento no setor Elétrico?

Engatinhando. Algumas empresas com maturidade avançada, mas a maioria delas, infelizmente, não utilizam nem 20% do que deveriam. Em geral, utiliza-se o geoprocessamento para se fazer “mapas digitais” que podem se tornar quadros de parede em salas de reunião ou de gerentes. Mapas, digitais ou não, NÃO devem ser objetivo de ninguém que queira ter um geoprocessamento de ponta que atenda igualmente as áreas operacionais, táticas e estratégicas de uma empresa. É preciso mostrar as mudanças o mais “real-time” possível. Os dados devem ser armazenados em banco de dados corporativos de onde possam ser lidos e plotados de forma segura, confiável e dinâmica. Assim, o geoprocessamento oferecerá uma ferramenta de apoio à decisão que, seguramente, responderá as questões acima listadas.

share save 171 16 Entrevistas Energia
  • Marcos Cavalcanti
    @marcanti
    Marcos José é Arquiteto com Pós-Graduação em Análise e Avaliação Ambiental pela PUC-RIO e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural pela UFPE/UNESCO e Extenção em Geoprocessamento na PUC-MINAS VIRTUAL.Atualmente faz Pós-Graduação em Fotografia e Imagem pela UCAM / IUPERJ;

    Marcos José é Arquiteto com Pós-Graduação em Análise e Avaliação Ambiental pela PUC-RIO e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural pela UFPE/UNESCO e Extenção em Geoprocessamento na PUC-MINAS VIRTUAL.Atualmente faz Pós-Graduação em Fotografia e Imagem pela UCAM / IUPERJ;

  •