Este ano, graças a um sistema de informações geográficas, a Secretaria de Educação do Estado da Bahia conseguiu eliminar filas e distribuir melhor alunos em escolas públicas de Salvador. O sistema, construído no software MapGuide (da Autodesk), foi disponibilizado em uma rede Intranet, formada por 60 postos de inscrição, interligados a um servidor na Secretaria de Educação. Em cada um dos postos, alunos cadastrados poderiam escolher as escolas, entre as mais próximas de casa. Essa possibilidade fez aumentar o número de matrículas efetivadas, já que, segundo um estudo da VR & Consultores, que criou o sistema, a falta de escolas perto de casa é um dos principais motivos de desistência escolar.
O sistema também diminuiu o tempo de processamento de fichas de matrículas. O processamento total de fichas de 45.000 alunos levou 10 dias, superando a média de anos anteriores, quando apenas o cadastramento levava 35 dias. A VR ganhou concorrência para fazer projeto similar em capitais de 19 estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O projeto, patrocinado pela ONU e financiado pelo Banco Mundial, conta com a parceria do MEC e IBGE. Desde fevereiro a VR está criando um sistema de informações no Autodesk World para cerca de 150 municípios, devendo ter recursos para distribuir vagas na rede de ensino pública. "Com estatísticas sociais, econômicas e de população, o sistema indicará que área pode ser atendida por cada uma das escolas em funcionamento, permitindo saber até onde será preciso construir mais escolas", explica Francesco Villarosa, diretor da VR.

pag8 Navegando

GIS permite aumentar número de matrículas

Esteio Vence Licitação em Curitiba
A empresa de mapeamento paranaense Esteio foi a vencedora da licitação para fazer mapeamento de cerca de 40 km2 lançada pelo Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba). O serviço contratado inclui aerolevantamento e restituição de áreas da cidade urbanizadas recentemente, sobre as quais se tem muito pouca informação cartográfica. O prazo para a entrega das cartas é 180 dias depois da emissão do pedido de serviço. A licitação, no valor de R$420.000, complementa a concorrência para compra de uma solução de geoprocessamento, lançada no fim do ano passado. O Ippuc segue o cronograma de implantação do projeto, fazendo, com a Gempi (SP), vencedora da primeira licitação, a modelagem de dados geográficos. Neste semestre promete criar aplicativos em sistemas básicos como eixos, quadras e lotes, além de roteamento, iluminação pública, prevenção da violência e qualidade de vida. Para desenvolver o sistema, o Ippuc contará com uma estrutura de 60 técnicos, 27 PCs, 6 estações Risc, 33 licenças de Arc/View, 9 de Arc/Info e 39 licenças de outros softwares da Esri, além de uma rede de fibra ótica interligando os principais usuários.

pag10 Navegando

Área a ser mapeada pela Esteio, assinalada em amarelo.

Bentley Quer Mais Negócios
A Bentley Brasil, agora com sede em São Paulo, pretende ampliar a rede de revendas e parceiros de negócios interessados nos produtos da linha MicroStation. A Bentley busca clientes entre empresas de infra-estrutura urbana, transportes e órgão públicos municipais, além de fotogrametria di-gital e geração de bases cartográficas. Para conquistar novos usuários está lançando novidades como um servidor para criar um modelo de dados espacial em Oracle (ou outro banco de dados ODBC), soluções para teleco-municações e um sistema para gerenciar fluxo de tráfego em estradas e em cidades. Para aumentar sua carteira de clientes, oferece benefícios como aquisição de novas licenças de softwares com descontos progressivos, recebimento automático de versões e upgrades, suporte permanente (com instalação de produtos pela Internet), treinamento contínuo em novos produtos e já existentes.

ERS-1 visto pelo Spot 4
Imagens de um satélite de observação da Terra visto por outro. Foi isto que conseguiu a Agência Espacial Francesa (CNES) ao programar o SPOT 4 para fotografar o ERS-1, satélite de imagens de radar europeu.
O SPOT 4, lançado em março de 1998, é dotado de sensores óticos capazes de fazer imagens com até 10 m de resolução. Como a diferença de altura entre as órbitas dos dois satélites é de apenas 41 km, foi possível conseguir imagens do ERS-1 com aproximadamente 50 cm de resolução.
Na foto, vê-se à direita a plataforma e os painéis solares, idênticos aos do SPOT, e à esquerda a antena retangular de 10 m por 1 m. É possível ver ainda 2 das 3 antenas do escaterômetro. O brilho forte na imagem se deve ao reflexo da luz do sol no material de revestimento do satélite.

Em Defesa do Rio Guaíba

pag12 Navegando

Imagem Landsat da região de Porto Alegre

O governo gaúcho está lançando várias licitações para montar laboratórios de geoproces-samento em órgãos públicos que trabalham com questões ambientais em Porto Alegre (RS) e cidades da bacia do Guaíba. Atualmente estão sendo aceitas propostas para compra de computadores e softwares, serviços de aerofotos e restituição urbana e rural, banco de dados, imagens de satélite, serviços topográficos e conversão de dados. As licitações estão sendo requeridas pela Secretaria de Coordenação e Planejamento do Rio Grande do Sul. Já foi digitali-zado parte do banco de dados cartográfico, um dos instrumentos essenciais para a execução do Pró-Guaíba, programa que visa integrar informações ambientais sobre a bacia hidrográfica do Guaíba.
Tudo começou em 1989, com um projeto de saneamento. Com investimento do BID, que assinou um contrato de financiamento em 1995, criou-se um programa de gerenciamento integrado da bacia. Em 1996 começou a primeira etapa do trabalho, que deve ser desenvolvido em 15 anos e tem um orçamento de US$ 225 milhões, sendo US$ 7 milhões para o sistema de informações geográficas. A primeira etapa inclui criação do sistema de informações geográficas, treinamento, divulgação e aplicações de controle ambiental (controle de lixo, poluição industrial, tratamento de esgotos, controle de agrotóxicos, preservação de áreas verdes e educação ambiental).
Foi criada uma base cartográfica digital em 1:1.000.000, sendo parte dos dados adquiridos da DCW (Digital Chart World) e nos diversos órgãos públicos. Os dados estão em formato Arc/Info Windows NT e alguns mapas temáticos, em MGE/SX para WNT. Para fazer o controle ambiental, foram gerados mapas temáticos em 1:250.000, digitalizados de cartas do Serviço Geográfico do Exército (DSG).
A base 1:250.000 não está completa por problemas de inconsistência nas cartas do Exército, mas vários mapas temáticos já foram elaborados: hidrografia, malha rodoviário, áreas sujeitas a inundação e pântano, limites urbanos, entre outros.

Brasil em Ação
O Ministério do Planejamento contratou a empresa paulista Logit, especializada em transportes, para montar um banco de informações econômicas, sociais, de meio-ambiente, associadas a municípios, para o programa Brasil em Ação. O sistema deve ser lançado em março de 1999, permitindo que os usuários façam consulta e edição de dados. Junto com um consórcio liderado pelas americanas Bechlet e Booz Hallen e pelo Amrobank, a Logit também foi contratada para fazer prospecção de projetos para programas de desenvolvimento econômico. O consórcio participa do programa Eixos de Integração, que pesquisa projetos que podem ajudar no desenvolvimento econômico e social de áreas carentes no país. A Logit deve fazer até setembro a modelagem de dados para um sistema de transportes, usando os softwares Mantra e Transcad (da Caliper). A empresa paulista ainda deve construir um banco de dados com todas as informações usadas pelas empresas do Brasil em Ação. "A idéia é disponibilizar esses dados para as empresas e até mesmo para o público geral, que poderão acessar o sistema por Intranet ou Internet", afirma o diretor da Logit, Cássio Rosseto.

Subsidiária Spot Image na China
A Spot Image Internacional está abrindo sua 4ª subsidiária, a Spot Image Pequim. A empresa é uma joint venture da Spot Image France e da Estação Terrestre de Sensoriamento Remoto Chinês (RSGS), que opera a recepção dos dados Spot em Miyun, cerca de 100 km distante da capital chinesa. O propósito da abertura da subsidiária, segundo a direção da Spot Internacional, é comercializar dados para o crescente mercado chinês.

Sistema Posição com Cálculo de Volume

pag14 Navegando

Posição: seções são mostradas em planilha e gráfico

O Sistema de Automação Topográfica Posição, desenvolvido pela Manfra, conta agora com ferramenta para cálculo de volumes por seção trans-versal. Seções transversais poderão ser definidas em AutoCad por meio de interpolação ou pontos projetados perpendicularmente ao eixo do alinhamento horizontal. Poderão ser também digitadas, desenhadas ponto a ponto no gráfico, ou importadas de arquivos de nivelamento geométrico. As seções serão mostradas em uma planilha e em gráfico – alterações na planilha atualizam o gráfico. Tem fer-ramentas como zoom, definição de rampas e intersecção. Pode-se visu-alizar duas seções ao mesmo tempo e serão indicados, em cores diferentes, áreas de corte e aterro. O relatório de cálculo contém áreas e volumes de corte e aterro e pode ser visualizado ou impresso em qualquer intervalo de estacas.

GPS para Práticos em Paranaguá
A Sight GPS desenvolveu e vendeu um sistema GPS para um grupo de práticos no porto de Paranaguá (PR). Encarregados de levar o navio da entrada do canal até o ancoradouro, os práticos muitas vezes têm que realizar seu trabalho em condições de visibilidade próxima de zero. "Como o canal é muito longo, mais de 20 km, pode acontecer de uma tempestade cair depois da entrada da embarcação no local. Nessa situação não é possível voltar atrás nem esperar pelo bom tempo. É preciso ir em frente e ancorar o navio de qualquer maneira", diz Jáder Leite, diretor da Sight. Para poder usar a base de correção já existente no porto foi instalada uma repetidora Pacific Crest. Cada um dos 13 práticos interessados comprou ainda um receptor Garmin Gps II Plus, com link de rádio Pacific Crest. Assim, a precisão obtida passa a ser de 1 a 5 m, ao invés da precisão de 100 m conseguida pelo GPS instalado em barcos convencionais.

Nordeste Ganha Estações da RBMC
O Departamento de Geociências do IBGE anunciou este mês 3 novas estações da Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo, que implanta desde 1996. Crato, Recife e Salvador foram as cidades escolhidas para receber os aparelhos 4000 SSI, da Trimble. A implantação das estações está prevista para este ano. Em Recife e Crato os recursos são do IBGE, que conta com apoio das universidades locais. Já em Salvador, a CONDER financia o projeto e o IBGE entra apenas com apoio técnico. De acordo com Kátia Duarte Pereira, do Departamento de Geodésia do instituto no Rio de Janeiro, com estas 3 estações, todo o Nordeste estará recoberto pela RBMC – haverá um ponto da rede de referência na região a cada 1.000 km. Até o fim do ano o IBGE pretende ainda implantar a 13ª estação da rede em Porto Alegre, onde já conta com apoio da UFRGS.

Imagem e Erdas
A Imagem distribui desde agosto no Brasil o Erdas Imagine, software norte-americano de processamento de imagens líder no mercado mundial. O Erdas Imagine é usado para imagens de satélites de sensores ativos e pas-sivos e imagens aerofotogra-métricas. O software tem distri-buição, treinamento e suporte fornecidos pela Imagem.

Imagens de Satélite contra a Desertificação

pag16c Navegando

Área de desertificação entre Pernambuco e Bahia

Na Agenda 21 – conjunto de medidas adotado pelas Nações Unidas durante a Eco-92, no Rio de Janeiro – ficou decidido que projetos contra a desertificação do planeta teriam parte de seus custos financiados pela ONU. Para organizações que tenham programas deste gênero, a Senagro está vendendo imagens de regiões brasileiras em processo de desertificação feitas pelos satélites Landsat e Spot.
No Brasil existem áreas nesta situação na Paraíba e no Rio Grande do Sul, por exemplo. E o problema tende a se agravar rapidamente. "Com o uso de terras na região Nordeste para cultivos impróprios, como a soja, é provável que em alguns anos as áreas desertificadas sejam muito maiores do que hoje", afirma Irineu Motter, diretor da Senagro. As imagens fornecem dados sobre umidade, vegetação e hidrologia, entre outros, que ajudam a achar uma forma de tornar os solos viáveis de novo.

GPS no Programa Antártico Brasileiro
O físico Marcomede Antônio Rangel pode voltar a integrar o Programa Antártico Brasileiro para localizar, com um GPS, o ponto em que brasileiros estiveram lá pela primeira vez, em 1882. Rangel já esteve na região subantártica de Punta Arenas, no Estreito de Maga-lhães (sul da América do Sul), mas não conseguiu rastrear o local do desembarque da missão brasileira que pretendia instalar um observatório. Em Punta Arenas, o físico começou a deter-minar pontos com o GPS, per-correndo vários locais, tentando achar as coordenadas geográ-ficas, mas foi um trabalho difícil, porque a cidade na época tinha 6.000 habitantes e hoje tem 120.000.
Da primeira vez ele usou o receptor de mão Ensign, da Trimble, cedido pela Tecnew (RJ) e agora pretende usar o GPSIII, da Garmin, cedido pela Trimbase.

pag16b Navegando

O físico e seu helicóptero, na Antártida

GENTE
Em janeiro, o especialista em integração CAD/GIS, Reinaldo Chohfi Escada, abriu em São Paulo a GeoDesign. A empresa é a mais nova distribuidora brasileira de dados do satélite Earthwatch. Presta consultoria e serviços nas áreas de processamento de dados georreferenciados, criação e gerenciamento de banco de dados GIS, processamento de dados de sensoriamento remoto, modelagem e integração de sistemas GIS.

Notícias sobre empresas ou produtos podem ser enviadas para:
Revista infoGEO
R. Desembargador Hugo Simas, 1231 – Escritório 03
Bom Retiro – Curitiba – PR
80.520-250.
Telefax: (041) 338-7789
email: infogeo@espacogeo.com.br.