Um Evento para conhecer casos de sucesso e as novas tendências da tecnologia, ter boas idéias e fazer grandes negócios
Por Sandra Solda

Capital das Feiras e Congressos da América Latina, dona de uma diversidade étnica, cultural e tecnológica comparada às grandes metrópoles do mundo como Nova Iorque ou Paris, São Paulo vai sediar de 19 a 22 de junho mais uma edição do GEOBRASIL 2001. Um estudo encomendado pelos principais fabricantes globais de itens para tecnologia da informação, publicado na revista especializada internacional, "Wired", apontou a região entre Campinas e São Paulo como uma das 11 regiões do mundo com infra-estrutura mais adequada para investimentos em tecnologia. É nesse clima de ebulição tecnológica, equilíbrio econômico e grandes expectativas comerciais que acontecerá o GEOBRASIL 2001, evento promovido pela Alcantara Machado. Maior promotora de Feiras de Negócios do país.

A primeira edição do GEOBRASIL – Congresso e Feira Internacionais de Geoinformação, reuniu em São Paulo no ano passado cerca de 3800 profissionais, entre eles visitantes e congressistas, com um detalhe diferencial para feiras e congressos do setor: além da presença maciça de especialistas da área, 36% dos visitantes eram profissionais com cargos de direção ou gerência em suas empresas, ou seja, pessoas com poder para tomada de decisões. Espera-se que este ano o número aumente, principalmente pela divulgação diferenciada e pelo conteúdo das palestras e debates previstos no congresso, que apresenta a geoinformação como instrumento fundamental para ser usado nos sistemas de informações para gestão empresarial.

De acordo com o diretor do evento, José Danghesi, " O GEOBRASIL 2001 contará com público qualificado, tanto na feira como no congresso, com potencial de compra e formador de opinião. Para isso estamos divulgando o evento em várias mídias técnicas, além de termos fechado apoios importantes com instituições fortes que estão divulgando para seus associados as vantagens do uso da geoinformação para melhor administrar seus projetos. Desta forma temos a garantia de atrair não só o público que tradicionalmente freqüenta eventos do setor , mas também público novo".

É neste contexto que o congresso este ano apresenta muitas novidades em suas palestras, debates, fóruns de usuários e cursos. O consultor técnico que coordena o Congresso, Emerson Zanon Granemann convocou com ajuda da comissão técnica os melhores especialistas do Brasil, além de usuários para contarem seus casos de sucesso. São mais de 100 palestras, que terão técnicos, diretores, secretários de Estado, prefeitos relatando suas experiências e fornecendo suas opiniões para quem está começando agora. "Toda a programação do Congresso está em perfeita sintonia com o atual estágio do mercado de geoinformação, mas os destaques serão sem dúvida as novidades e experiências nas áreas de administração municipal, energia, telecomunicações, saneamento e meio ambiente. Quem se inscrever no congresso poderá conhecer sob o ponto de vista gerencial como as geotecnologias estão melhorando o dia-a-dia das instituições, tornando-as mais produtivas e eficientes" completa Emerson.

pag28 GEOBRASIL 2001 em SP

GEOBRASIL 2000 – Palestra do Ministro Raul Jungmann

Descubra como a Geoinformação é usada pela Petrobras

São 17 Fóruns de Usuários, onde se poderá saber como a Petrobras usa as geotecnologias para tentar evitar desastres ecológicos, e quando eles acontecem, como usá-las para diminuir os prejuízos ao meio ambiente. O INCRA apresentará como está o processo de integração de sua Rede de Monitoramento Contínuo de Sinais de correção diferencial do GPS, que facilitam e barateiam muito os levantamentos topográficos. Outros destaques são a área de segurança, saúde e transportes, além de relatos de usuários nas áreas de agricultura de precisão e geomarketing.

A Geoinformação e o Futuro da Amazônia
Nos 8 debates programados serão abordados vários temas polêmicos e atuais, como o impacto que a execução do Plano Avança Brasil terá na Amazônia, cujo tema provocou uma grande repercussão na mídia quando a revista "Science" publicou um artigo "The Future of the Brazilian Amazon", prevendo que 42% da Floresta Amazônica poderá desaparecer até o ano 2020. O artigo foi contestado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sardenberg, que o chamou de "futurologia ecológica". A principal ferramenta de simulação da pesquisa foi baseada em zonas de expansão (buffers) em torno das estradas e demais projetos de infra-estrutura previstos no programa. O debate pretende reunir ecologistas, técnicos do ministério do meio ambiente e das ONGs para discutir como e quando o zoneamento econômico e ecológico deverá ser executado visando proporcionar um melhor ordenamento territorial da Amazônia.

"Soluções para uma base georreferenciada única para a grande São Paulo" é outro assunto que tem gerado muitas especulações, e que terá um debate específico no GEOBRASIL principalmente com a entrada das empresas multinacionais do setor de "Utilities". A maioria das empresas públicas e privadas tem interesse nestas bases cartográficas, não só da superfície mas principalmente do subsolo. Algumas empresas como a EMPLASA (Empresa de Planejamento de São Paulo), concessionárias de energia elétrica, telecomunicações, saneamento e distribuição de águas já começaram a se mobilizar para fazer parcerias visando produzir uma base única que possa ser usada por todos. O problema é como a base será atualizada e compartilhada e quais serão as alternativas jurídicas e administrativas para a sua execução sob a forma de um condomínio de empresas.

GIS com sucesso
A utilização do GIS para a gestão, seja empresarial, municipal, estadual ou nacional está se tornando cada vez mais necessária. Possuir um GIS é o sonho de 9 em cada 10 administradores uma vez que a informação com agilidade e precisão é fundamental para a tomada de decisões. Entretanto existem ainda muitas barreiras tecnológicas e principalmente culturais que vêm impedindo a plena implantação do conceito de geoinformação nos sistemas de informações corporativos. Haverá um debate com usuários e desenvolvedores de grandes sistemas para discutir as causas destas dificuldades.

Outro tema que merece destaque é a mudança de Referencial Geodésico no Brasil, uma transição para um novo sistema de coordenadas geográficas que deve ser muito bem avaliada, pois não podem ser levados em conta apenas aspectos técnicos, mas também as necessidades dos usuários e o impacto de natureza econômica que isto provocará no país. Apesar deste assunto ter sido bastante discutido ano passado, ainda ficaram muitas dúvidas de como esta mudança será feita. O Referencial Geodésico será debatida no GEOBRASIL 2001 com a presença do IBGE, empresas privadas, universidades e grandes usuários de cartografia do país.

Procura-se um profissional de Geoinformação
Recentemente temos observado na grande mídia um problema que está afetando também o mercado de Geotecnologias: a falta de profissionais qualificados para algumas atividades. Por outro lado, isto gera um grande contraste com a dificuldade que os profissionais têm depois de formados para serem contratados, comprovando a distorção que se tem entre a universidade e o mercado de trabalho.

"As universidades agora estão acordando para o fato do mercado procurar profissionais específicos; eles precisam de treinamento quando saem da universidade para poder entrar na área", explica Cristiane Moreno de Oliveira, gerente de marketing da empresa Imagem de São José dos Campos, que está tendo dificuldades na contratação de profissionais para esta área. Para esta questão, teremos o seminário " Qual o profissional de Geotecnologias que o mercado necessita?" – no qual estarão presentes escolas públicas e privadas, escolas técnicas, empresários e entidades públicas e de classe para discutir as causas desta escassez de profissionais especializados e tentar encontrar possíveis soluções para o problema.

Será discutido também no Congresso, com a presença do IBGE e DSG "Soluções para o Mapeamento Nacional". Atualmente o Brasil só tem 1% do seu território mapeado numa escala compatível para serem planejadas ações de desenvolvimento, segundo a SBC (Sociedade Brasileira de Cartografia). A CONCAR (Comissão Nacional de Cartografia) já está estruturando um plano de investimentos para início imediato ainda este ano, logo que os recursos sejam liberados pelo governo. A sociedade entretanto, hávida por estes mapas deseja saber quais as áreas prioritárias, como serão estes mapas, quando afinal serão executados e como será o processo de contratação e fiscalização destes serviços.

Geoinformação a serviço dos Prefeitos e dos cidadãos
Durante 2 dias serão apresentados vários casos de sucesso do uso do GIS nas prefeituras, elevando a discussão e o interesse das prefeituras em aplicar esta nova tecnologia, principalmente agora no início das gestões e em plena pressão da lei de responsabilidade fiscal, que obriga os prefeitos a administrarem melhor seus mandatos. Nada melhor que um moderno e eficiente sistema de informações municipais. Serão discutidos como as prefeituras podem reavaliar seus projetos ou iniciar investimentos na área de gestão municipal, agregando aos seus sistemas de informações municipais as geotecnologias, como o cadastro e os Sistemas GIS. Como isso poderá beneficiar a população, quais as possibilidades de financiamentos para investir nestes projetos e como será avaliado o retorno deste investimento no dia-a-dia interno das prefeituras.

pag29 GEOBRASIL 2001 em SP

GEOBRASIL 2000 – Feira

Concurso de Teses e Dissertações
O GEOBRASIL 2001 quer este ano reconhecer e premiar trabalhos e pesquisas acadêmicas que apresentem soluções inteligentes, inovadoras, criativas e que possam auxiliar o desenvolvimento das tecnologias. Estes trabalhos, depois de selecionados, serão apresentados oralmente durante o evento no Painel Acadêmico e receberão da Alcantara Machado Feiras de Negócios um certificado especial de premiação. Gilberto Câmara, pesquisador do INPE e um dos integrantes da Comissão Técnica do congresso e da Comissão Julgadora do Concurso, além de idealizador da idéia afirma que "este concurso é um forma de dar maior visibilidade ao trabalho do pesquisador e proporcionar um significativo incentivo ao avanço do Geoprocessamento no país ".
O Concurso será composto de trabalhos concluídos em 1999 e 2000 e dividido em três categorias: teses de doutorado, dissertações de mestrado e trabalhos finais de cursos de especialização. Para concorrer, o autor deverá disponibilizar na internet sua pesquisa para a comissão julgadora até dia 30 de março pelo email info@geobr.com.br

Feira de Negócios
Há uma grande expectativa para a Feira de Negócios do GEOBRASIL DE 2001, principalmente por ela estar sediada em São Paulo, a terceira maior cidade do mundo e o maior centro de compras da América Latina. Vários expositores já confirmaram presença no evento e a expectativa é que vários novos produtos sejam lançados e existam várias promoções para quem somente for visitar a feira, que funcionará entre os dias 19 e 22 de junho, sempre das 14 às 21 horas.

As principais empresas brasileiras e algumas internacionais do setor já estão com a participação confirmada, o que estimula a competitividade do setor das geotecnologias com a diversificação da oferta de produtos e serviços no mercado. Espera-se que este ano a Feira reúna mais de 100 marcas brasileiras e internacionais e mais de 4.000 profissionais, entre congressistas e visitantes, compradores em potencial, vindos do Brasil e também dos países do Mercosul.

A feira tem entrada franca, bastando para isso fazer um pré-cadastramento no site do evento ou por telefone. 

APOIO OFICIAL
ABCE – Associação Brasileira de Concessionárias de Energia Elétrica
ABDIB – Associação Brasileira de Infra-estrutura e Indústrias de Base
ABIMAQ – Associação Brasileira de Indústria de Máquinas e Equipamentos
ABRATT – Associação Brasileira de Tecnologia não Destrutiva
ABITOPO – Associação Brasileira de Importadores e Equipamentos de Topografia e Geodésia
AEASP – Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado de São Paulo
AGTEC – Associação Brasileira de Empresas de Tecnologias
ANEA – Associação Nacional de Empresas de Aerolevantamentos
APEAESP – Associação Profissional dos Engenheiros do Estado de São Paulo
SINAENCO – Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva
SOBRATEMA – Sociedade Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção

APOIO INTERNACIONAL
GITA – Geospatial Information & Technology Association

GEOBRASIL 2001

Congresso e Feiras Internacionais de Geoinformação

19 a 22 de junho de 2001

Centro de Convenções Imigrantes
São Paulo – SP
 Para maiores informações sobre o GEOBRASIL 2001, acesse o site www.geobr.com.br, e-mail: info@geobr.com.br ou ainda no tel/fax (11) 6096-5311