O Fórum de Debates é um espaço aberto às discussões do mercado GEO. A partir de agora esta seção funcionará também como um link, interagindo diretamente com o Fórum online, no Portal MundoGEO.

Impactos para o usuário da Mudança do Referencial Geodésico no Brasil

Um assunto de extrema importância para a comunidade Geo, a mudança de referencial geodésico no Brasil é uma questão que implica em inúmeros fatores e merece ser amplamente discutida. Para proporcionar esta discussão o Fórum de Debates publica abaixo o que vem sendo debatido sobre o assunto. Esta discussão teve início com o Debate realizado durante o GeoBrasil 2001 e continua acontecendo no Portal MundoGEO.

De hostilio@sf.com.br 6/26/2001 11:01:17 AM
Segundo o debate, realizado no Geobrasil, alguns pontos foram colocados em questão:
- qual o custo desta mudança;
- como e quando será esta transição;
- para os usuários qual o seu impacto;
dessa forma, nós do IGC, estamos muito preocupados, pois como trabalhamos com a cartografia de base (1:10.000) do estado de São Paulo, estamos trabalhando com o datun SAD69, e fazendo o mapeamentos das áreas existentes do estado, inclusive as áreas existentes no datun Córrego Alegre.
Ficamos apreensivos de como esta mudança afetará todo esse trabalho, e qual será este custo no final desse processo.

De marjorie@infogeo.com.br 7/3/2001 9:28:26 AM
Está começando a transição para um novo sistema de coordenadas geográficas no Brasil. Sabe-se que esta mudança não pode ser tomada somente levando-se em conta os aspectos técnicos. Devem ser considerados as necessidades dos usuários e o impacto de natureza econômica que esta mudança de referencial acarretará. Apesar de terem ocorrido algumas reuniões para discutir este tema no ano passado, existem ainda muitas dúvidas e preocupações de como esta mudança será feita. Existem muitas perguntas ainda sem resposta: Como será o suporte e atendimento aos usuários que desejarem saber os detalhes técnicos desta mudança? Qual será o novo sistema adotado? Todos os usuários serão obrigados a mudar seus dados? Como os grandes usuários farão estas mudanças em seus mapas com um mínimo de investimento? Estas e muitas outras questões devem ser discutidas entre universidades, IBGE, empresas privadas e grandes usuários de cartografia do Brasil.

De humberto@dge1.on.br 7/10/2001 3:55:51 PM
Acho que vale a pena esclarecer os seguintes aspectos do Projeto de Transição do Referencial no Brasil:
1) o IBGE convidou via variados médios, instituições oficiais, universidades e empresas privadas para o 1o. Seminário, feito em outubro do ano passado no RJ.
2) no próprio seminário ficou evidente a necessidade da mudança de referencial, entre outros motivos porque os referenciais antigos, de caráter topocêntrico, não suportam mais a precisão fornecida pelos modernos sistemas de posicionamento. Além disso, a unificação da diversidade de sistemas em uso (Córrego e SAD69), é um passo inevitável para uma gestão moderna e intercâmbio de dados eficiente entre diferentes usuários e instituições
3)Na portal doIBGE(http://www1.ibge.gov.br/ibge/geografia/
geodesico/), pode-se achar informação detalhada do projeto, das recomendações feitas no Seminário mencionado e da integração dos grupos de trabalho, do qual são parte importante universidades e instituições oficiais.
4) No cabe dúvida de que a transição terá um custo para todos, e é de difícil avaliação já que cada empresa e instituição vivem realidades diferentes. Isto não pode ser motivo para o adiamento da adoção de um novo referencial, porque quanto mais tarde seja adotado o custo será maior.
5) Uma das tarefas de importância fundamental neste processo é a passagem da informação analógica para digital. O custo em termos econômicos e de tempo para quem tenha sua informação em médio digital será sensivelmente inferior.
Espero ter esclarecido alguns aspectos e motivado a discussão em outros.

De nrxn@cefetgo.br 8/8/2001 2:55:15 PM
Considerando que ainda hoje existem profissionais que desconhecem a existência dos diferentes sistemas de referência geodésicos do Brasil (Córrego Alegre/SAD 69) e as implicações na adoção de um ou de outro, a mudança para um novo referencial escolhido por critérios técnicos só beneficiará a comunidade cartográfica. As constantes mudanças de sistemas quando se trabalha com documentos cartográficos de épocas diferentes deixarão de existir. Some-se a isto as facilidades que a cartografia digital proporciona aos usuários. Deve-se tomar apenas o cuidado de se proceder de forma responsável ao adotar o novo referencial para que daqui a alguns anos não estejamos novamente discutindo esse assunto.

Para participar desta e de outras discussões, ou sugerir novos temas, entre na seção "Fórum" do Portal MundoGEO (www.mundogeo.com.br)