A primeira Sala de Observação do projeto de monitoramento conduzido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em parceria com a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) foi inaugurada na sexta-feira (18/5) em Cochabamba, na Bolívia.

“Estamos transferindo tecnologia e conhecimento às equipes de monitoramento de outros países com floresta tropical”, diz Alessandra Gomes, pesquisadora do Centro Regional da Amazônia (CRA) do Inpe, situado em Belém (PA), onde técnicos estrangeiros estão vindo aprender a utilizar o TerraAmazon, o sistema desenvolvido pelo instituto para seus programas de monitoramento, como Prodes e Deter.

O TerraAmazon é oferecido sem custo a qualquer país interessado em monitorar suas próprias florestas. O projeto com a OTCA, que prevê a instalação de salas como a inaugurada em Cochabamba, é voltado à capacitação dos países da América do Sul por onde se estende a floresta e permitirá que toda a região possa ser totalmente monitorada, a exemplo do trabalho feito pelo Inpe na Amazônia Legal Brasileira há mais de 20 anos.

Monitoramento do INPE na Bol%C3%ADvia Bolívia adota tecnologia de monitoramento do Inpe

Fachada da Sala de Observação na Bolívia. Fonte: INPE

Através do Inpe, o Brasil monitora por satélite 4 milhões de Km² de florestas na Amazônia todos os anos. O maior programa de acompanhamento de florestas do mundo permite ao país medir o desmatamento e divulgar com transparência todas as informações obtidas a partir dos satélites.

Toda essa experiência está resultando na transferência de conhecimento e tecnologia para outros países desenvolverem sistemas próprios de controle sobre o desmatamento. A ajuda oferecida aos interessados em avançar na vigilância de suas próprias florestas faz do Brasil um líder de iniciativas internacionais para o controle do desmatamento e da degradação florestal em todo o mundo.

Fonte: Inpe