Opinião sobre a criação de uma nova Agência para regular, organizar e fomentar a atividade geoespacial no Brasil

Gostaria de compartilhar com vocês algumas opiniões sobre este importante momento de repensar a organização da cartografia no Brasil.

Ser contra ou a favor? Esta é a pergunta que mais estou recebendo nos últimos dias. No recente webinar que realizamos em parceria com o Instituto GeoDireito, sobre a proposta de criação da Agência Nacional de Cartografia (Ancar), 80% dos 750 participantes apontaram não estarem satisfeitos com o quadro atual em que se encontra a cartografia no Brasil. Eu estou 100% convencido que precisamos fazer algo neste setor. Penso que a iniciativa do Deputado Arnaldo Jardim, de propor debater o assunto no Congresso Nacional sob a forma de um Projeto de Lei (PL), veio em boa hora e pode ser o provocador de um debate na comunidade para impulsionar esta necessária mudança. Afirmo isso pois existe um tempo interessante antes que a PL seja levada para a votação e depois possa receber contribuições de forma a atender sua função de reorganizar e promover o desenvolvimento do setor, para atender os usuários públicos e privados, empresas, universidades e profissionais do setor. Ajustes estes que devem contemplar uma plena integração do novo modelo, quando aprovado, com a Comissão Nacional de Cartografia (Concar), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Diretoria do Serviço Geográfico do Exército (DSG). Além de prever a criação de uma estrutura eficiente e eficaz para atender as atribuições por ela propostas.

Mudar o nome da agência, de Ancar para Agência Nacional de Informações Geoespaciais (Angeo ou outra combinação de letras): Mais do que mudar a sigla, penso que seria muito estratégico reavaliar alguns conceitos, contextualizando a discussão às atuais demandas da sociedade no século 21.

Algumas justificativas para rever o nome e o conceito da Agência:

Cartografia- Informações Geoespaciais (informação associada a uma posição): os mapas evoluíram do papel para o meio digital e, com a popularização do GIS e do GPS (mobilidade), ganharam outra dimensão de uso. A quantidade de usuários é imensa e o seu perfil é diverso devido à evolução da tecnologia. Hoje já se discute, por exemplo, como o mapeamento colaborativo pode ser integrado às bases oficiais. A grande maioria das empresas do setor, incluindo as de mapeamento mais tradicionais, já não se apresenta como empresa de mapeamento, mas enfatizam que seu negócio é gerar informações. Empresas, como Vale, Petrobras, Governos e Prefeituras, não buscam mais somente bases cartográficas mas sim informações geoespaciais para tomar suas decisões. Evidente que toda a informação geoespacial tem que ter uma boa cartografia como base, mas a proposta da Agência, a meu ver, para conseguir apoio amplo da sociedade e atingir seus objetivos tem que absorver não só no seu nome, mas na sua essência, esta nova demanda. Não se trata de modismo, mas de uma nova forma de coletar, modelar, processar, analisar e compartilhar os dados com seus inúmeros atributos para a tomada de decisões.

GGIM – ONU: Vemos que na ONU, como bem comentou o Instituto GeoDireito, já recomenda-se que os países se regulem e modernizem os processos de geração e disponibilização de informações geoespaciais. Esta será uma decisão vital e estratégica nos próximos 10 anos para o planeta, junto com temas como sustentabilidade, meio ambiente, utilities e educação. Observem que no site da Global Geospatial Information Management (GGIM) existem várias iniciativas mundiais dos Estados Membros que seguem esta tendência de discutir, prover e legislar, não em cima da cartografia, mas de um conceito mais amplo de informações geoespaciais.

Com certeza será vitorioso um movimento, via Agência ou não, que possa disseminar para a sociedade os conceitos da informação geoespacial e suas inúmeras aplicações. Além disso, que facilite a plena integração destas informações, sua ampla disponibilidade e sua reutilização para diferentes fins. Será o fim dos vazios de informações geoespacias e de áreas mapeadas várias vezes.

A sociedade não quer mais só mapas, mas sim informação. Temo que manter o termo e foco só na cartografia vai acabar despertando tão somente interesse de nichos de empresas, usuários, instituições e profissionais especificamente do setor. Mas se o movimento for mais amplo, terá um apoio e impacto maior, e mais chances de realmente despertar a atenção de governantes e políticos.


Emerson Ancar ou Angeo?Emerson Zanon Granemann

Engenheiro cartógrafo, diretor e publisher do MundoGEO

emerson@mundogeo.com