October | 2010 | Energia

Energia

Entrevistas Energia

Por Marcos Cavalcanti | 15h54, 29 de Outubro de 2010

Vou começar uma série de entrevistas com profissionais do Setor de Energia, as perguntas são as mesmas para todos e acredito que deixam o entrevistado aberto a emitir e escrever o que desejar sobre a influência do geoprocessamento no seu trabalho e no seu dia-a-dia.
Se desejarem podem deixar comentários sobre a entrevista…

Nome: Vinicius Ferreira Vianna

Formação: Geólogo
Empresa que atua: Furnas
Anos de experiência profissional: 2 anos

Quantos Anos trabalha com geoprocessamento agregado a sua área de atuação e qual foi o primeiro contato com essa ferramenta?

3 anos

Que mudanças tem ocorrido na sua área profissional que o geoprocessamento poderia contribuir?

O geoprocessamento, como ciência e ferramenta, tem uma importância fundamental no ramo das geociências. Enquanto há tempos atrás a dificuldade era obter a informação, atualmente a informação existe aos montes e a dificuldade é administrar tamanha quantidade de dados. Assim o geoprocessamento vem contribuindo, tornando dados de diferentes fontes fáceis de serem distribuídos (internet), utilizados e integrados de diferentes maneiras, de forma a maximizar a eficiência do uso da informação

Como você vê os estudos ambientais e sua relação com o Geoprocessamento no setor de energia?

No setor energético, ambiental e em outros, a atual política de administração preza pela disseminação da informação, como forma de conservação do patrimônio intelectual. Dessa forma, se observa cada vez mais órgãos estaduais e municipais tornando acessíveis seus bancos de dados de informação geográfica para uso público. No setor privado, a aquisição de informações geográficas se dá de forma cada vez mais ágil, com o avanço das tecnologias de GPS, sensoriamento remoto, monitoramento aéreo, etc. Assim, estamos observando um grande avanço no desenvolvimento de projetos, onde se minimiza o desperdício de tempo na busca de dados já disponíveis (e consequentemente valorização dos trabalhos já feitos) e maximiza o tempo gasto na avaliação e processamento de dados multifontes, o que vem trazendo consideráveis ganhos na qualidade e confiabilidade do produto final.

share save 171 16 Entrevistas Energia

Welcome to RIO

Por Marcos Cavalcanti | 21h56, 21 de Outubro de 2010

O Rio de Janeiro nas décadas de 90 e 00 vivenciou a saída de várias empresas que foram indo em direção de outras capitais para se estabelecerem suas matrizes. No campo da infra-estrutura várias companhias de aviação deixaram de sair do Rio de janeiro passando a ser apenas escala.

Com os eventos de Copa do Mundo e Olimpíadas o Rio de Janeiro tem a sua chance de ouro para se estruturar como uma das grandes cidades do mundo, algumas empresas como a Santiago e Cintra que considero uma das melhores representantes de gps e estações totais do Brasil, acabaram de abrir um escritório no Rio de Janeiro na busca desse novo cenário.

A segurança é outro aspecto que vem possibilitando esse retorno, espero que mais empresas da área resolvam voltar e preencher alguns campos que podem ser melhores aproveitados como o próprio Geoturismo e o Geomarketing. Welcome to Rio.

VOO FULL HD RIO

Para saber+:
Santiago & Cintra
http://www.santiagoecintra.com.br

share save 171 16 Welcome to RIO

GIS SAÚDE E ENDEMIAS

Por Marcos Cavalcanti | 16h39, 10 de Outubro de 2010

Quando começei a trabalhar com Meio Ambiente, o programa de saúde se baseava em campanhas e palestras de divulgação de prevenção a doenças sexualmente trasmissíveis (DST) e orientação sexual. Conheci uma pessoa fabulosa que trabalhava nesta área chamada Zuleide.

Zuleide realizou e implantou vários outros programas na área de Saúde como o da UHE Serra da Mesa em Goías, relacionado a raiva humana.

Em Manso no programa de saúde e endemias conheci o Sr. Antony da Fundação Oswaldo Cruz e passamos a alimentar o SIG de Manso com infomações levantadas junto a população reacentada em 2000.

O ultimo trabalho que realizei  nesta área foi no rio Madeira e as principais questões eram a Malária e hepatite, o principal realizado foi identificar as casas dos riberinhos e análises desta população, antes da implantação do empreedimento em 2005.

Hoje a Fundação Oswaldo Cruz tem um núcleo de Geoprocessamento e realiza estudos e cursos na área de saúde a distância.

Se tem alguma experiência nesta área e quer aborda-la, deixe seu comentário…

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ – FIO CRUZ

http://www.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTemplate=template%5Ffiocruz&tpl=home

http://www.ead.fiocruz.br/home/

share save 171 16 GIS SAÚDE E ENDEMIAS
  • Marcos Cavalcanti
    @marcanti
    Marcos José é Arquiteto com Pós-Graduação em Análise e Avaliação Ambiental pela PUC-RIO e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural pela UFPE/UNESCO e Extenção em Geoprocessamento na PUC-MINAS VIRTUAL.Atualmente faz Pós-Graduação em Fotografia e Imagem pela UCAM / IUPERJ;

    Marcos José é Arquiteto com Pós-Graduação em Análise e Avaliação Ambiental pela PUC-RIO e Gestão Integrada do Patrimônio Cultural pela UFPE/UNESCO e Extenção em Geoprocessamento na PUC-MINAS VIRTUAL.Atualmente faz Pós-Graduação em Fotografia e Imagem pela UCAM / IUPERJ;

  •