Levantamento Topográfico na Mineração, Requisitos Necessário e os Riscos Associados à Atividade do Engenheiro Agrimensor

Trabalho de conclusão de curso à Faculdade de Engenharia de Minas Gerais – FEAMIG, realizado pelos alunos Cláudia Andrade, Evandro Paulino Gomes e Luíz Cláudio de Miranda. Orientador: Antônio Alves de Araú
jo.

Introdução

O desenvolvimento tecnológico é o resultado de uma gama de atividades que associadas nos permitem viver com melhor qualidade de vida em sociedade. Viver isolado no contexto global de hoje é praticamente impossível. Em qualquer lugar que o ser humano esteja haverá algo que passou por transformação para uso ou consumo que foi feito por outra pessoa. No ambiente profissional também é assim, não há como planejar uma atividade de maneira isolada. O sucesso de qualquer trabalho depende da interação com as demais atividades que estarão relacionadas diretamente ou não e que ocorrem no mesmo ambiente de trabalho, mesmo que isso pela prática diária do ofício seja feito de maneira intuitiva, sem ser percebido. Assim é a Engenharia de Agrimensura, para a execução de um levantamento em qualquer área há de se considerar as outras atividades que ocorrem no mesmo meio. O levantamento topográfico objeto de estudo foi desenvolvido na unidade da Holcim, localizada na cidade de Pedro Leopoldo. Como Engenharia de Agrimensura não é atividade fim da empresa, as atividades executadas foram realizadas por uma empresa terceirizada especializada. A empresa Azimute Topografia e Agrimensura foi a vencedora do processo de licitação através do qual foram definidos os preceitos mínimos a serem apresentados pelas empresas concorrentes, alem do valor monetário.

A execução do levantamento topográfico foi realizada concomitantemente com as demais atividades desenvolvidas na área de mineração, estando a equipe técnica exposta não só aos riscos oriundos da própria atividade como também aos riscos existentes do processo de extração mineral. Este Trabalho de Conclusão de Curso visou demonstrar as características do levantamento topográfico na aérea de mineração da empresa em questão, os requisitos básicos para adentrar a unidade, bem como os procedimentos de segurança do trabalho necessários para que, assim como qualquer outra atividade, os trabalhos ocorressem de modo seguro, mesmo que estas ações sejam feitas naturalmente, sem a percepção de quem as executa.

Objetivos

Verificar as exigências da contratante, acompanhar as etapas do levantamento topográfico realizado e associar os principais riscos existentes a atividade desenvolvida pelo Engenheiro Agrimensor.

Conhecer as técnicas de topografia utilizadas;
Associar os riscos ambientais com as etapas do levantamento topográfico;
Identificar as medidas de controle cabíveis de acordo com os riscos levantados;

Problema de Pesquisa

Como foi realizado o levantamento topográfico, quais os requisitos necessários para realização da atividade, quais os são riscos ambientais mais comuns nesta atividade do Engenheiro Agrimensor?

Pressuposto de Solução

Com o aumento da oferta de trabalho, as empresas vêm conseguindo com maior facilidade negociar preços com fornecedores ou prestadores de serviços. Num mercado onde nem sempre esta competição é leal, é importantíssimo que as empresas sejam capazes de definir o linear de um serviço com margem de lucro, ou que gerará prejuízo. Muitas empresas e profissionais ocupam-se em apresentar o valor de suas propostas, sem mesmo conhecer o local e os procedimentos a que estará sujeito para realizar suas atividades. Esta falta de conhecimento pode fazer com que uma proposta maravilhosa se transforme em um trabalho gerador de prejuízo. Neste mesmo seguimento de avaliação observou-se que os profissionais chegam para exercer suas atividades, com conhecimento técnico e capacitação necessária a execução de suas atividades fim, porem ocorre que por muitas vezes estes profissionais sequer conhecem os riscos existentes na sua atividade e no seu ambiente de trabalho. O conhecimento das técnicas de topografia por si só, não é garantia de um trabalho bem realizado. As empresas vêm a cada dia mais, introduzindo políticas prevencionistas para que toda e qualquer atividade que se desenvolva dentro de seus limites territoriais ou ao seu serviço sejam feitas de forma segura. Entre o início de um trabalho e a entrega do mesmo, existe uma infinidade de riscos associados que não podem ser deixados de lado ou menosprezados, pois estão intimamente ligados ao acontecimento de acidentes, ao comprometimento da saúde e segurança de qualquer trabalhador. Políticas de saúde e segurança mal definidas podem ocasionar atraso na entrega dos trabalhos, lesões, adoecimento e até mesmo a morte de um trabalhador. É importantíssimo cumprir e fazer cumprir as diretrizes básicas através das quais os profissionais possam conhecer os riscos existentes no ambiente de trabalho e as medidas de controle existentes para minimizar a exposição ou neutralizar a sua ação, desta forma permitindo que as empresas sobrevivam no mercado de trabalho através de atividades que gerem lucro.

Justificativa

A Importância do papel do Engenheiro Agrimensor neste processo da atividade mineraria e indiscutível. A atividade mineraria realizada com sucesso é o resultado de um trabalho conjunto entre diversos profissionais. Técnicas bem desenvolvidas, profissionais experientes são primordiais para qualquer trabalho. Por isto é necessário justamente associar o bom profissional às outras áreas do processo. Para a sobrevivência no mercado é fundamental que todas aprimorem suas técnicas de trabalho, reduzam custos, busquem novas tecnologias e invistam em ações que reflitam em qualidade de vida, e não se pode falar qualidade de vida, sem se falar em trabalho seguro. O reconhecimento dos riscos existentes no ambiente de trabalho, a sua classificação ou quantificação são fatores fundamentais para elaboração de medidas de controle na busca de um ambiente mais salubre e sem acidentes. Não basta levantar, quantificar e classificar os riscos, é fundamental que empregadores e empregados estejam engajados em buscar soluções e principalmente colocá-las em prática, como ações contínuas, visando o não acontecimento de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais.

Referencia Teórico

A Empresa Holcim S/A

A Holcim Brasil S/A, grupo de origem suíça, líder mundial em cimento, concreto e agregados está presente atualmente em mais de setenta países. No Brasil a empresa concentra sua atuação na região sudeste, com atuação há mais de cinqüenta anos. Existem no país três plantas de cimento, duas moagens, vinte e nove centrais de concreto, três unidades produtoras de brita, sendo considerada a quarta maior fabricante de cimento. No município de Pedro Leopoldo (MG) está localizada área industrial da Holcim e nesta unidade a empresa possui mil e oitocentos trabalhadores entre empregados diretos e terceiros. A área objeto de estudo não faz parte direta da área industrial, trata-se do complexo minerário que se localiza na zona rural do município, na Fazenda Campinho, onde dos mil e oitocentos trabalhadores, estão lotados cerca de vinte e quatro empregados diretos e vinte e seis terceiros.

Artigo Online InfoGNSS 33 2 Figura 01 Levantamento Topográfico na Mineração

Mina de Calcário da Fazenda Campinho

Fluxo do Processo na Mina

A rocha calcária, utilizada no processo de fabricação do cimento é extraída através do processo de detonação, utilizando-se explosivos para o desmonte das rochas. Após o desmonte o material é carregado com utilização de máquinas (carregadeiras marca Caterpillar e marca Volvo), sendo colocadas em caminhões denominados fora de estrada (Terex 32) com capacidade de trinta e cinco toneladas, os quais conduzem o material da área de lavra até o britador. Na britagem o material passa por moinhos de bolas onde o material é reduzido a granulometria especificada. Neste local é realizado também o processo de separação do rejeito e classificação conforme os padrões de produção. O processo na mineração se encerra com o material sendo conduzido à área industrial através de correias transportadoras, onde ocorrerá o processo de fabricação do cimento.

Artigo Online InfoGNSS 33 2 Figura 02 Levantamento Topográfico na Mineração

Caminhão Fora de Estrada em posição de carregamento

Artigo Online InfoGNSS 33 2 Figura 05 Levantamento Topográfico na Mineração

Caminhão Fora de Estrada Basculando Material

Artigo Online InfoGNSS 33 2 Figura 06 Levantamento Topográfico na Mineração

Correrias transportadoras

Procedimentos Básicos para Contratação de Terceiros (Subcontratação)

Para as atividades que a Holcim não conta com mão de obra direta de seu quadro efetivo, a empresa busca no mercado parceiros para prestação de serviços dos mais variados gêneros. Estes trabalhos são realizados através abertura de concorrência, onde os registros anteriores de prestação de serviços bem executados são levados em consideração. Outro fator determinante é está ligado a questão financeira que junto com a capacitação técnica da empresa, são os fatores decisivos para fechamento de contrato.

Na parte de documentação é procedimento da Holcim, a exigência dos programas de saúde e segurança como o PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional e PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos, conforme atividade a ser executada e respeitando-se a exigência legal, Portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho, NR’s Normas Regulamentadoras.

Quanto ao pessoal que executará as atividades, as empresas estão obrigadas a comprovar vínculo empregatício, quando regime de trabalho definido pela CLT- Consolidação das Leis Trabalhistas, ou apresentação de contrato social quando serviço executado por pessoas jurídicas. Apresentação do Atestado de Saúde ocupacional (ASO), com os respectivos exames complementares necessários a execução das atividades, atestando aptidão para execução dos serviços propostos, a identificação individual de cada trabalhador através de crachá constando nome, função, matrícula e nome da empresa. Para o acesso às áreas operacionais é obrigatório o fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPI) específicos aos riscos associados às atividades que serão executadas. Treinamento introdutório de quatro horas obrigatório para qualquer colaborador direto da contratante ou de terceirizados. Ainda de acordo com as características peculiares de cada atividade e de cada área de trabalho é exigido treinamento de capacitação específicos em todos os procedimentos da Holcim, através dos quais será comprovado e autorizado a execução de cada atividade, utilizando-se de ferramentas da Holcim como Permissão de Treinamento (PT), Análise Segura da Tarefa (AST), solicitante de bloqueio, percepção de perigos, espaço confinado. Com estes treinamentos a empresa visa oferecer maior segurança para todos os contratados, evitando danos e acidentes.

Em relação ao processo de subcontratação é pertinente colocar, que boa parte das empresas desconhecem ou não cumprem as exigências mínimas estabelecidas pela legislação brasileira. Todos os procedimentos acima citados são em atendimento a legislação em vigor no país, e devido à co-responsabilidade que assume a empresa Holcim, quanto às atividades executadas em seu estabelecimento ou a seu serviço, na execução por terceiros, a empresa não abre mão do cumprimento do estabelecido, sendo o descumprimento de qualquer item do mesmo, motivo para paralisação da atividade, rescisão de contrato ou aplicação de multas estabelecidas no mesmo, sem ônus para a Holcim. A ausência ou falta de alguma informação, resulta em retardo do início da atividade ou mesmo a paralisação temporária até a devida adequação. Em qualquer das situações apresentadas, cabe lembrar que as obrigações trabalhistas não são interrompidas, a não ser com o encerramento do contrato de trabalho, e ainda que os prazos pré-definidos contratualmente podem não ser revistos, sendo estas clausuras já pré-estabelecidas em edital licitatório e contrato de prestação de serviços.

Legislação trabalhista

De acordo com a legislação trabalhista brasileira, através dos artigos da CLT – Consolidação das Leis de Trabalho são estabelecidos os direitos dos profissionais admitidos como empregados, situação existente na empresa Azimute Topografia. A seguir alguns dos direitos dos empregados:

Carteira assinada: a Carteira de Trabalho e Previdência Social com valor do salário definido na contratação.
Vale Transporte: é concedido ao trabalhador, com desconto de até 6% do salário bruto (lei nº 7418, de 16/12/1985 e decreto nº 95.247, de 17/11/1987).

Férias: todo trabalhador tem direito a 30 dias corridos de férias após 12 meses de trabalho, desde que não tenha mais do que cinco faltas não justificadas (artigo 130).

13º salário: pagamento do 13º salário com base na remuneração mensal.
FGTS: o empregador deve recolher 8% do salário bruto do funcionário para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). O Fundo é depositado em contas vinculadas na Caixa Econômica Federal. Em caso de demissão ou de aposentadoria, o trabalhador pode sacar o valor depositado.

E ainda existem outros benefícios, como alimentação, assistência médica e odontológica que variam de acordo com o que foi definido na contratação ou conforme acordo coletivo da categoria, por isto é muito importante prever o tempo que será gasto não só para a execução do trabalho em si, mas também os processos que são necessários para execução do mesmo. No caso estudado foi possível perceber que o tempo gasto com a execução do trabalho topográfico em si (trabalho de campo e em escritório) demandou da empresa quatro dias. Da mesma forma, a Azimute Topografia atendendo aos requisitos da Holcim, teve que se submeter a vinte e quatro horas para o treinamento de integração obrigatório segundo NR 22, mais quatro horas referentes ao treinamento específico da área da mineradora, totalizando só nesta etapa quatro dias, sem contar a mobilização do setor administrativo da empresa para apresentação da documentação.

O treinamento introdutório geral deve ter duração mínima de oito horas diárias, durante três dias, durante o horário de trabalho onde será abordado no mínimo:

Ciclo de operação da mina
Principais equipamentos e suas funções
Transporte da mina
Regras de circulação de equipamentos e pessoas;
Procedimentos de emergência;
Reconhecimento do ambiente de trabalho
Locais de risco.

Outros treinamentos poderão ser cobrados dos trabalhadores de acordo com as características da atividade desenvolvida ou do local de trabalho.

As prestadoras de serviço dentro da Holcim devem obrigatoriamente apresentar a documentação mínima:
Objeto Social: conforme artigo 997, II, do Código Civil de 2002, através do qual a empresa declara de forma precisa e detalhada as atividades a serem desenvolvidas, mencionando gênero e espécie. (art. 56, ll, da Lei nº 8.884, de 11.7.94). Através desde documento é possível averiguar pelo registro da empresa se a atividade a ser executada é compatível com a atividade descrita em seu registro.

Registro e endereço: estar legalmente registrada na junta comercial estadual, ou respectivo órgão de registro da empresa. Possuir nome empresarial, endereço completo da sede, e o nº do CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas. Através deste registro é possível levantar se trata de uma empresa de idoneidade com endereço fixo.

Capital social: conforme artigo 997, III e IV do Código Civil de 2002 deve existir: a indicação numérica e por extenso do total do capital social; mencionar o valor nominal de cada quota, que pode ter valor desigual; mencionar o total de quota(s) de cada sócio. Estes dados são solicitados para verificar quem são os responsáveis por parte da empresa, em caso de acionamento judicial e os valores monetários que garantem a execução das atividades.

Qualificação e registro profissional: a filiação ao sindicato patronal correspondente deve ser assegurada para que se comprove a habilitação legal do profissional. A ART – Anotação de Responsabilidade Técnica deve ser emitida por profissional do quadro da própria empresa de modo a garantir que exista alguém com conhecimentos técnicos e que esteja vinculado a um conselho de classe respondendo assim pelos serviços executados.

Programa de segurança: Apresentação do Programa de Gerenciamento de Riscos – PGR, legalmente instituído através da Portaria 3214/ de 08 de junho de 1978 do Ministério do Trabalho, e suas modificações, que aprovou as normas regulamentadoras – NR „s do Capitulo V, titulo II da CLT, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. A Portaria do Ministério do Trabalho nº 2037 de 15/12/1999, alterou a NR 22, trabalhos subterrâneos e revogou alguns itens da NR 21, trabalhos a Céu aberto, passando a nova NR 22 Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração a vigorar a partir de 17/04/2000, programa que deverá apresentar os riscos referentes ao local e as atividades executadas, elaborado por profissional qualificado.

Programas de saúde: Apresentação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO que estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores. O PCMSO é o programa que estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem observados bem como define os exames necessários para definir a aptidão ou não a uma determinada atividade.

ASO – Atestado de Saúde Ocupacional: Para admissão de qualquer trabalhador, a empresa deve encaminhar o candidato a vaga a uma clínica para que o mesmo se submeta a exames médicos, de acordo com os riscos existentes nas atividades a que se propõe, e a avaliação clínica realizada por um Médico do Trabalho. O intuito destes exames e destas avaliações é garantir que o trabalhador dispõe de condições de saúde adequadas à sua atividade, e que servirá como parâmetro e monitoramento nos exames periódicos e demissional. O custo referente ao processo de admissão estando o colaborador apto ou não é única e exclusivamente da empresa, sem qualquer ônus para o trabalhador.

Apresentada a relação de documentos a Holcim submete-o a análise para verificar se as informações solicitadas estão completas e são coerentes com a realidade da sua área de atuação. Recebendo o aval de liberação o trâmite agora passa pelo seu departamento comercial e jurídico que elaborarão o contrato de prestação de serviços, onde são definidos: objeto de contrato com respectivo prazo de execução das atividades, exigência de equipe mínima a ser mobilizada pela contratada, treinamentos obrigatórios, alem de outras clausuras gerais.

Empresa Azimute Topografia e Agrimensura

O levantamento topográfico objeto de estudo foi desenvolvido na unidade da Holcim, localizada na cidade de Pedro Leopoldo. Como Engenharia de Agrimensura não é atividade fim da empresa, as atividades executadas foram realizadas por uma empresa terceirizada especializada. A empresa Azimute Topografia e Agrimensura foi a vencedora do processo de licitação. Trata-se de uma empresa mineira da cidade de Pedro Leopoldo, localizada a Rua Timbiras nº22, Bairro São José. A Azimute como empresa legalmente habilitada na Receita Federal, existe a quatro anos, mas seu diretor e alguns profissionais já atuam na área de agrimensura a mais de vinte anos. Seus principais trabalhos estão ligados a serviços de Topografia em geral, atuação em mineração, estradas, propriedade rural e cadastro urbano.

A execução do levantamento topográfico foi realizada concomitantemente com as demais atividades desenvolvidas na aérea de mineração, estando a equipe técnica exposta não só aos riscos oriundos da própria atividade como também aos riscos existentes do processo de extração mineral. Nesta atividade, a empresa Azimute Topografia e Agrimensura contou com a seguinte equipe: um Engenheiro Agrimensor, um Topógrafo e dois Auxiliares de Topografia. Neste levantamento foram utilizadas duas estações totais marca TOPCON modelos GTS 236W e GTS 3107W, o trabalho foi realizado durante quatro dias, sendo três dias em campo e um em escritório, não estando incluso o período referente ao mobilização de equipe que de vinte e quatro horas, mais quatro horas de treinamento específico referente ao setor da mina onde as atividades foram realizadas.

Equipamentos topográficos

Pode-se classificar os atuais equipamentos topográficos como modernos. Os equipamentos de topografia mais utilizados atualmente tem sofrido constante evolução, podemos destacar o apogeu alcançado na década de 60 quando os equipamentos medidores eletrônicos de distância começaram a ser comumente usados. Certamente eram os melhores equipamentos disponíveis para a época. (Mccormarc, 2007).

Após o apogeu de 1960 os equipamentos de medição de ângulos foram integrados com instrumentos de medição eletrônica de distância conhecidos atualmente como estações totais. As estações totais passaram a contar com coletoras de dados, podendo ser utilizados para armazenar medições, efetuar cálculos e transferir ou descarregar valores medidos para computadores. (Mccormarc, 2007).

Grande salto ocorreu com o desenvolvimento do sistema GPS (Global Positioning System), que permitiu o posicionamento vertical e horizontal sobre a superfície da terra por sinais emitidos por satélites. Nova evolução ocorreu com a introdução das estações totais robotizadas, que fazem a leitura de miras com código de Barras. (Mccormarc, 2007).

Equipamentos auxiliares da Topografia

Segundo Borges (2004, p.7) entre os equipamentos auxiliares para se efetuar os levantamentos topográficos podemos citar as balizas e trenas, equipamentos mais comuns entre outros equipamentos utilizados.

As balizas são peças de madeira ou de ferro geralmente com 2m de altura, pintadas, a cada 50 cm, em duas cores contratantes (vermelho e branco), tendo na extremidade inferior um ponteiro de ferro, para facilitar sua fixação no terreno. A Baliza é um auxiliar indispensável para quaisquer trabalhos topográficos, possibilitando a medida de distancias, os alinhamentos de pontos e serve ainda para destacar um ponto sobre o terreno, tornando-o visível de locais muito afastados.

Outro tipo de equipamento auxiliar são as trenas que podem ser divididas entre trenas de lona, pano ou de aço. Sendo constituída por uma fita de lona ou aço, graduada em centímetros enrolada no interior de uma caixa circular através de uma manivela, tendo vários modelos e comprimentos.

Na classe de equipamentos auxiliares podemos destacar o uso de equipamentos eletrônicos que utilizam a aplicação de raios infravermelhos ou de laser permitindo o cálculo de varias distâncias.

Equipamentos topográficos robotizados

Com a topografia robotizada, o instrumento é instalado sobre um ponto de controle e deixado lá enquanto o topógrafo leva o prisma para os vários pontos a serem locados. O instrumento rastreará o prisma e, quando o Topógrafo pressiona um botão da posição onde está, o instrumento rapidamente e com exatidão registrará a leitura necessária. Os trabalhos realizados com estações totais robotizadas podem melhorar significativamente sua produtividade e eficiência, sendo possível a realização dos trabalhos, em alguns casos, feito por uma única pessoa. Além da quantidade de profissionais reduzida a produtividade/dia comparada ao método tradicional é bastante maior levando a realização de trabalho em um único dia o que seria gasto três a quatro dias. Os equipamentos utilizados nos levantamentos robotizados incluem o instrumento, um bastão com nível, um prisma refletor, equipamento de telemetria para a comunicação com o robô e o teclado. O instrumento é instalado sobre uma estação de controle e orientado da maneira usual. Para fazer isso, é necessário introduzir as coordenadas da estação de controle onde o instrumento está localizado e realizar uma visada de ré ao longo de uma linha de azimute conhecido. Após esta instalação estar completa, o Topógrafo leva o prisma para os pontos dos quais deseja os dados. Se o instrumento é usado como robô, o operador executa todas as medições enquanto se posiciona nos vários pontos utilizando o prisma. Quanto o comando de utilização na forma automática é acionado, o instrumento torna-se um robô, permitindo a uma pessoa operar e com o registro e armazenagem de dados sendo realizados no instrumento. O operador leva o prisma para o ponto a ser visado e, então, pressiona o botão de procura. O robô procura e localiza o prisma. Além do mais, o robô segue o prisma quando ele se move de um ponto para outro. Caso o rastreio seja perdido, o Topógrafo pressiona o botão de procura novamente para renovar a pesquisa e o instrumento paralisará quando encontrar o prisma. O tempo máximo requerido é usualmente somente de poucos segundos. O fato dos instrumentos robotizados poderem ficar sozinhos e novamente continuarem a rastrear o refletor reduz muito o tempo requerido do levantamento normal para as visada, focagens e leituras. Para coletar os dados, o único tempo requerido para cada ponto é aquele necessário para o operador andar para o ponto e aprumar a mira. O Robô fará o registro da medição desejada em dois ou três segundos. Os equipamentos robotizados, em sua maioria, utilizam o infravermelho como sua portadora, podendo ser utilizado durante o período noturno. Com isso levantamentos onde o trabalho não possa ser realizado no período diurno, devido as características de cada local, podem ser realizados no período noturno. (McCormar,2009, pag. 166/167).

O Trabalho da empresa Azimute Topografia e Agrimensura

O objetivo do trabalho da Azimute Topografia e Agrimensura era o de fazer a atualização do levantamento topográfico, planialtimétrico bem como cálculos de volume dos depósitos. A Holcim possui dentro de seu complexo minerário 18 depósitos de materiais conforme planta em anexo (Anexo I) . Nestes depósitos está parte da matéria prima utilizada no processo de fabricação do cimento, como o depósito da rocha calcaria, o depósito de argila, depósitos de terra bem como depósitos de rejeitos do processo extrativo entre outros.

Durante os três dias de levantamento, os profissionais da empresa Azimute Topografia e Agrimensura percorreram todo o complexo com a finalidade de gerar as plantas topografias e planialtimétricas de cada um dos depósitos existentes e também gerar uma planta geral do complexo, incluindo vias, limites da propriedade e mata.

Neste procedimento os profissionais se deslocavam para os prontos de apoio carregando prismas. Ao receber a indicação do Engenheiro Agrimensor que os pontos estavam corretos, os Auxiliares acionavam um botão no prisma, como a estação utilizada era a robótica, a mesma se tratava de identificar os pontos quanto deste acionamento. Com o equipamento instalado o procedimento foi rápido pois dois auxiliares se deslocavam até os pontos estratégicos com o prisma.

Este serviço realizado pela empresa Azimute Topografia e Agrimensura permite a Holcim estimar seus estoques e saber quais materiais precisam ser lavrados com prioridade para que nenhum dos componentes utilizados no processo faltem na linha de produção. Outro fator importante é o levantamento topográfico feito na área de lavra. Com o levantamento topográfico da jazida, associado aos trabalhos de sondagem que verificam qual profundidade está o mineral de interesse, a Holcim consegue estimar, seu consumo médio entre os períodos do levantamento conforme a demanda do mercado bem como saber o valor de suas reservas prevendo desta maneira o tempo de vida útil da lavra.

Paralelamente ao levantamento topográfico foi realizado o levantamento planialtimétrico, que com a definição de cotas de pontos pré-estabelecidos facilita os cálculos dos volumes minerais. Vale salientar que esta definição das cotas em toda área de lavra é de fundamental importância para Holcim, pois é através deste levantamento que a empresa monitora a questão de estabilidades de maciços, alturas de taludes, manutenção e ampliação das vias de circulação.

Este controle de cotas é necessário para que a extração de minério nas jazidas seja feita de forma homogênea, sem a criação de bancadas com alterações significativas de inclinação. Permite a Holcim a fazer as alterações de vias de circulação que não fixas, pois se desenvolvem de acordo com o sentido de lavra do minério. A vias vão sendo renovadas a medida que vai se aprofundando, ou alargando a área de lavra.

As inclinações das vias devem ser mantidas de tal forma que os caminhões e máquinas fora de estrada possam carregar sua capacidade de peso máximo sem comprometer o conjunto mecânico, pela necessidade de exigência de maior força do conjunto em terrenos muito inclinados.

Com o controle de cotas e do estudo geológico do solo é possível também garantir a segurança na área de lavra, evitando-se que haja a queda dos taludes ou comprometimento da estabilidade dos maciços. Na parte de engenharia são feitos os cálculos da largura mínima das vias, definição da altura máxima dos taludes bem como sua inclinação, o que sendo respeitado garantem esta segurança.

Ao final do levantamento de todos os pontos de apoio em campo, os dados foram encaminhados ao escritório da empresa Azimute Topografia e Agrimensura para fossem gerados os relatórios e as plantas, objeto de contrato entre as empresas.

Procedimentos de segurança na mineração

Plano de Tráfego de Mina

Objetivo: Procedimento através do qual são orientados e qualificados condutores de veículos leves, operadores de máquinas e caminhões sobre os riscos e regras de trânsito nas dependências da mineração. Em atendimento a legislação, em especial a Norma Regulamentadora 22, NR 22 – Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração, Portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho, toda mina deve possuir plano de trânsito estabelecendo regras de preferência de movimentação e distâncias mínimas entre máquinas, equipamentos e veículos compatíveis com a segurança, e velocidades permitidas, de acordo com as condições das pistas de rolamento. (NR22).

Na área de mina a velocidade máxima Permitida é de 40km/h. A distância mínima entre veículo sem movimento é de 30 metros, preferência de movimentação é sempre dos veículos pesados. O vigilante da portaria da mineração tem como responsabilidade orientar os condutores, verificar a autorização de entrada dos mesmos na área da mineração, vistoriar veículos verificando componentes de segurança (setas, faróis, lanterna, luz e alarme de ré) e estado de conservação.
A largura mínima das vias de trânsito deve ser duas vezes maior que a largura do maior veículo utilizado, no caso de pista simples, e três vezes, para pistas duplas, quando não for possível essa largura, deve haver sinalização adequada. Nas laterais das bancadas ou estradas onde houver riscos de quedas de veículos devem ser construídas leiras com altura mínima correspondente à metade do diâmetro do maior pneu do veículo que por ela trafegue. (NR22)
É expressamente proibido parar atrás do caminhão pipa para limpeza do veículo nas dependências da mineração
As vias de acesso na área da mina possuem sentido invertido de tráfego (Mão Inglesa). É expressamente proibido andar a pé na área da mineração.

O Gerente de Área e os técnicos de Segurança do Trabalho são responsáveis pela realização do treinamento dos vigilantes e dos funcionários e parceiros que estão autorizados a acessar a área de mina.

Todo veículo para acessar área de mina deve ser equipado obrigatoriamente com bandeirola, giroflex e sinal sonoro de engate a marcha ré.
Enquanto permanecer dentro da área de mineração independente de se tratar de dia ou noite os faróis dos veículos devem permanecer ligados, o uso de cinto de segurança é obrigatório para o motorista ou operador do veículo/equipamento bem como para todos os demais transportados. Ao deixar a área de mina os condutores deverão obrigatoriamente recolher e devolver a portaria o giroflex, bem como retirar a bandeirola do veículo.

Em caso de nevoeiro ou condição de baixa visibilidade os caminhões e máquinas fora de estrada devem manter faróis aceso em luz baixa.

Na ocorrência de quebra de veículos fora de estrada, o operador deverá providenciar a sinalização do mesmo e o setor de manutenção deve ser acionado para realizar o socorro/ manutenção.

Caso veículos leves, ou de médio porte apresentem algum tipo de pane ou dano mecânico nas dependências da mineração a portaria deve ser acionada, para que esta entre em contato com o responsável pelo veículo de guincho. O veículo será conduzido para fora da área de mineração para ser realizado a manutenção ou o reparo. É expressamente proibido realizar qualquer tipo de manutenção dentro das dependências da mineração, por empresa não autorizada.

Em caso de colisão dentro da propriedade da Holcim envolvendo veículos de qualquer porte, o Coordenador de Área bem como o Setor de segurança do Trabalho deve ser informado para ser tomada as devidas providências e realizada a análise de acidente.

O transporte de pessoas em conjunto com materiais, ferramentas, insumos matérias primas somente poderá ser realizado em quantidades compatíveis com a segurança e estarem acondicionados de maneira segura local fechado e fixado de forma a não causar lesões aos trabalhadores. (NR22)

Estacionamento

Estacionar sempre de ré nos locais indicados. Calçar os veículos leves, fora de estrada e pás carregadeiras devem manter a lamina no chão ao estacionar. Os veículos de funcionários devem ser estacionados no estacionamento próximo a portaria da mineração, não sendo permitida sua circulação na mina.

É expressamente proibido parar na praça de alimentação do britador de calcário.

Procedimento de segurança na carga e descarga de materiais

O condutor deve estacionar a trinta metros dos equipamentos de mina, ligar o pisca alerta, calçar o veículo. Não parar em rampa, não estacionar na crista ou na base de talude. Não parar veículos em paralelo nas vias de tráfego da mina. Avisar o operador do equipamento pelo rádio para poder aproximar-se com o veículo.

Procedimentos de segurança em áreas de detonação

Após o período de detonações, nenhuma área estará liberada até que seja feita uma inspeção pela equipe responsável pelo fogo (procedimento de detonação), para verificação de que todos os explosivos realmente foram detonados ou não.

A área sendo liberada pela equipe de detonação é feita então uma segunda vistoria por outra equipe responsável por verificar a existência de chocos (pedras soltas nos taludes). Nenhum empregado deve ultrapassar o cerco de detonação sem autorização prévia do responsável. Todos devem ser orientados quantos aos avisos e a sirene de detonação, evacuando a área para os locais seguros. Entende-se por local seguro aquele que resguarda distância mínima de segurança, bem como protegido por lajes ou estruturas metálicas resistentes. É Recomendável não ficar próximo a janelas e portas.

Riscos ambientais existentes nas atividades do Engenheiro Agrimensor

Para fins legais são considerados riscos ambientais os agentes físicos, químicos, biológicos, ergonômicos, de acidente/mecânico, existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador.
Riscos físicos: são as diversas formas de energias a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, bem como o infra-som e o ultra-som.

Riscos químicos: são os agentes químicos as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.
Riscos biológicos: são agentes biológicos as bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus. Esses agentes são visíveis apenas ao microscópio e são capazes de produzir diversas doenças.

Riscos ergonômicos: A Organização Internacional do Trabalho define ergonomia como a “aplicação das ciências biológicas humanas em conjunto com os recursos e técnicas da engenharia para alcançar o ajustamento mútuo, ideal entre o homem e seu trabalho e cujos resultados se medem em termos de eficiência humana e bem-estar no trabalho.” São exemplos de agentes ergonômicos: sono, fadiga, posição do corpo na execução das tarefas, monotonia, ritmo e jornada de trabalho, tarefas repetitivas, móveis e ferramentas inadequados, entre outros.

Riscos de Acidentes: São ferramentas, máquinas, equipamentos e instalações defeituosas, capazes de causar lesões nos trabalhadores, como cortes, fraturas escoriações, queimaduras, entre outras. Vale salientar e destacar que nem todos os produtos ou agentes comentados e presentes no ambiente de trabalho irão causar, obrigatória e imediatamente prejuízos à saúde. Para que haja danos à saúde é necessário que se tenha a combinação de fatores como: tempo de exposição; predisposição individual e concentração do agente de risco.

Risco químico

Poeira mineral: Um dos riscos mais comuns existentes na atividade de mineração é a questão da exposição à poeira resultante das atividades do processo de extração mineral. Para a equipe de agrimensura o risco só passa a existir a partir da estrada de acesso a mina, onde não há pavimentação (estrada de terra) e dentro da aérea de lavra. Esta situação ocorre durante o processo de instalação dos equipamentos (estações totais), bem como no deslocamento para definição dos pontos a serem levantados. O risco será mais ou menos freqüente de acordo com a movimentação de veículos e equipamentos, levando-se em consideração a locação dos pontos, e ainda também à questão dos ventos, conforme época do ano, que acabam por deixar em suspensão as partículas de poeira das pilhas, montes, taludes e estradas e o processo de extração da rocha calcária (detonação e carregamento). As conseqüências mais comuns a exposição à poeira sem proteção adequada deixa o trabalhador susceptível a doenças respiratórias (gripes e resfriados), alem de irritações na garganta. A exposição continuada sem proteção pode gerar pneumoconioses, que é uma doença pulmonar restritiva causada pela exposição à poeira.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações (vias urbanas e mina) são: umidificação das vias que é realizada através do uso de caminhões pipa, que passam regularmente, responsabilidade da Holcim. Apesar do uso dos caminhões pipas ainda sim pode haver a geração de poeiras em suspensão. Para estes casos os profissionais devem fazer uso de respiradores faciais modelo PFF-01 que tem fator de atenuação de até dez vezes o limite de tolerância. A indicação do nível de particulado nas minas deve ser feita através de amostragem, avaliações ambientais, com uso de bombas gravimétricas que simulam o organismo humano para absorção de poeiras respiráveis, partículas menores que 5 mícrons, a avaliação ambiental para determinação da concentração é um importante mecanismo de medida de controle.

Risco físico

Ruído Ocupacional: O ruído é um dos “contaminantes” mais comuns, encontrado facilmente em nosso dia a dia em grande parte dos processos industriais. A exposição ao ruído para a equipe de agrimensura ocorrerá na área de mina onde é realizado o levantamento topográfico. Esta exposição pode ocorrer desde a instalação dos equipamentos, até o levantamento dos pontos. As fontes geradoras de ruído na mina são basicamente a movimentação de veículos e equipamentos, ruído gerado pelos motores das correias transportadoras. O gráfico da exposição ao ruído será variável uma vez que os trabalhos são realizados em diferentes pontos. Em algumas situações a exposição de limitará ao ruído de fundo, que não causa danos a saúde. As conseqüências mais comuns à exposição ao ruído se relacionam diretamente ao tempo de exposição, podendo ser de ordem auditiva, uma alteração passageira na audição ou grave perda auditiva irreversível, como também de ordem extra-auditivas, como stress, hipertensão arterial, alterações cardiovasculares, irritabilidade, fadiga entre outros.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: Na medida do possível manter-se afastado dos locais de operação de máquinas e equipamentos, e sendo imprescindível permanecer próximo a estas aéreas apenas o tempo necessário para execução da atividade. A de se lembrar que as atividades do processo de extração, não param durante o levantamento topográfico. No caso de exposição a níveis elevados de pressão sonora, os trabalhadores devem fazer uso de protetores auriculares, com atenuação superior aos valores em decibéis que ultrapassam a tabela de limites de tolerância estabelecida pela legislação brasileira. Esta avaliação para definição dos níveis de pressão sonora é realizada através de dosimentros de ruído, que medem a intensidade do ruído durante a jornada.

Riscos biológicos

Não foram identificadas situações de trabalho que expusessem a equipe de agrimensura a este risco.

Riscos de acidente

Colisão, capotamento e abalroamento: Ao deslocar para mina ou escritório em veículos, os profissionais estão sujeitos a estes riscos. Na atividade de agrimensura este risco vai ocorrer em boa parte da execução dos serviços, seja até a chegada ao local de trabalho, ou durante os períodos de deslocamento até os pontos de levantamento topográfico. As conseqüências mais comuns deste risco vão desde o não acontecimento de nenhum dano físico ao trabalhador, apenas material, lesões superficiais e lesões graves ou até mesmo morte.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações (vias urbanas e mina) são: uso de veículos em boas condições, manutenção adequada, respeito aos limites de velocidade e demais regras de circulação, bem como punição aos condutores infratores. Nas vias urbanas (vias municipais, rodovias estaduais e federais) os condutores de veículos devem atender as determinações do Código Nacional de Trânsito. A condução de veículos em hipótese nenhuma será realizada por pessoa que não possua a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) válida de acordo com a categoria do veículo conduzido. Na área de mineração alem da exigência da CNH, o condutor de veículo é obrigado a passar por um treinamento específico para condução na mina. Como as regras de circulação envolvem equipamentos que não circulam em vias públicas, são definidas regras específicas de circulação onde são fixados regras de preferência, limites de velocidade, compatíveis com os equipamentos utilizados entre outras. Outro fator importante é a determinação de situações em que não é permitida a circulação como, por exemplo, nos momentos de detonação de rochas. Nestas situações há de se salientar que placas de sinalização específicas também são utilizadas. Lembrando que como não são mecânicos, os profissionais que fazem o levantamento topográfico não são autorizados a efetuar nenhum tipo de intervenção mecânica, em caso de algum defeito ou pane dos veículos.

Atropelamento: Durante o deslocamento na área de mina bem como nas vias urbanas a equipe de agrimensura estará sujeita ao risco de atropelamento. Tanto nas vias urbanas como nas vias da mina os trabalhadores devem ficar atentos as regras de circulação para condição de pedestres e transeuntes. Ao se deslocar na mina, a de se redobrar a atenção de acordo com os locais onde os trabalhos estão sendo executados. As conseqüências mais comuns deste risco vão desde a simples queda sem nenhum dano físico ao trabalhador, danos psicológicos, danos materiais, lesões superficiais, lesões graves ou até mesmo morte.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações (vias urbanas e mina) são: atenção as regras de circulação, que são determinadas através de treinamento específico do manual de tráfego de mina. Nas vias de circulação é importante salientar que de acordo com o manual de tráfego de mina, os pedestres tem preferência em qualquer local onde sua circulação é permitida, devendo os veículos parar até que estes tem atravessado por completo as vias. É importante colocar que nas áreas de circulação de equipamentos fora de estrada é terminante proibido o acesso a pé. Nestas áreas os trabalhadores quando se deslocarem para execução de uma determinada atividade devem comunicar a gerência de área, e esta fará a programação de forma que no momento do levantamento não haja nenhuma atividade com equipamentos num perímetro mínimo que garanta a segurança de quem estiver no local. Nas vias da mina é proibido o deslocamento a pé pelos locais onde não haja faixas de circulação.

Queda de mesmo nível e com diferença de nível: Este risco estará associado principalmente à condição do piso por onde a equipe de agrimensura se desloca nos diferentes pontos da mina. Nas áreas de taludes alem do piso irregular devem-se observar as diferenças de nível entre as bancadas. O trabalhador que movimentará o prisma deverá manter-se em distância segura em relação às extremidades dos taludes. Já para operação da estação total é necessário a definição de pontos de apoio básico que permitam a movimentação do operador de forma a direcionar a todos os pontos que compõem o levantamento, sem o risco de escorregamento. As conseqüências mais comuns deste risco vão desde a simples queda sem nenhum dano físico ao trabalhador, danos psicológicos, danos materiais, lesões superficiais, lesões graves ou até mesmo morte.
As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: conhecimento dos pontos onde é permitida a circulação com segurança. Determinação de pontos de apoio básico em locais que respeitem o limite de segurança, para condição de pedestre imposto pela contratante. É terminantemente proibido correr na área de mina. Mesmo nas situações de emergência que por ventura ocorrem deve-se obedecer aos procedimentos para evacuação de área. Não realizar atividades em taludes onde haja movimentação de equipamentos. Como medida de proteção individual os trabalhadores devem fazer uso de botinas de segurança com solados antiderrapantes.

Animais peçonhentos: Ao deslocarem-se pelas áreas de mina os trabalhadores estão sujeitos ao ataque de animais peçonhentos como, cobras, aranhas, lagartas e ainda abelhas, marimbondos entre outros. Como a equipe de agrimensura se desloca em áreas abertas e também em locais com mata durante o levantamento dos pontos, é importante ter atenção e verificar os trechos antes de adentrar aos mesmos. Ao identificar qualquer uma destas situações de perigo, os trabalhadores devem paralisar suas atividades e comunicar ao setor de meio ambiente, para que o mesmo faça a captura destes animais e a soltura em locais adequados. Somente quando a exposição do trabalhador incorrer em risco à vida que será permitido o sacrifício destes animais, por isto ao menor sinal de perigo o trabalhador deve se afastar do local. Os trabalhadores que realizarem abertura de picadas devem ter atenção redobrada. As conseqüências mais comuns são coceiras, alergias, lesões na pele, necrose, amputação de membros, morte.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: análise visual dos locais onde serão executadas as atividades, conhecimento prévio das áreas de riscos determinadas pela empresa contratante, determinação de novas áreas de risco. Identificação médica dos trabalhadores com alergias a picadas de animais peçonhentos, que havendo o risco não devem ser relacionados para p trabalho.

Abandono do local de trabalho quando identificado o risco. Como medida de proteção individual é obrigatório o uso de botinas de segurança com cano médio e fechadas e uso de perneiras em couro.

Projeção de partículas: A projeção de partículas está ligada as seguintes situações: abertura de picadas com ferramentas manuais, atividades de detonação de rochas. Para a equipe de agrimensura o maior risco está ligado à questão da abertura de picadas, uma vez que quando ocorrem detonações, as demais atividades na área de risco obrigatoriamente são paralisadas. Na abertura de picadas deve-se atentar ao sentido de projeção do facão para o corte de ramos e galhos. As conseqüências mais comuns são ferimentos leves ou graves nos membros inferiores (perna e pé), amputação. Em relação a face lesões leves como arranhões, mais graves como cortes ou ainda perfuração do globo ocular.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: aplicação de golpes com facão obedecendo ao melhor sentido de entrada do mesmo. Manter uma distância de segurança em relação aos demais profissionais. Em hipótese alguma adentrar área de risco em períodos de detonação. Como medida de proteção individual deve ser utilizado óculos de segurança, ou protetores em acrílico.

Exposição a intempéries: A exposição a intempéries ocorrerá nas áreas de mina durante o processo de levantamento dos pontos. A intempérie mais comum é a exposição à radiação solar. Como as atividades são realizadas a céu aberto este tipo de exposição ocorre com mais freqüência. Outra intempérie são os ventos que dependendo da época do ano podem carregar uma maior concentração de particulados. No caso de ocorrência de chuvas, outra intempérie, os trabalhos podem ser paralisados, devido a maior possibilidade de adoecimento e de danos aos equipamentos. As conseqüências mais comuns à exposição ao sol são insolação lesões na pele com exposição continua (câncer), envelhecimento precoce, cansaço físico, desidratação. Em relação aos ventos tem o risco de lesões nos olhos causadas por particulados. Em relação à chuva gripes e resfriados.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: para exposição à radiação solar os trabalhadores podem fazer uso de creme de proteção com filtro solar, reposição eletrolítica, e na operação das estações fazer o uso de sombrinhas. Nas situações que ocorrem trabalhos com chuviscos os trabalhadores devem fazer uso de capas de chuvas, bem como calçados com solados impermeáveis. Em caso de ocorrência de ventanias recomenda-se a utilização de óculos de segurança.

Queda de materiais: A equipe de agrimensura ficará exposta a estas situações se transitar em locais onde haja transporte de materiais em elevação, ou ainda no carregamento dos próprios equipamentos necessários a realização do levantamento topográfico. As conseqüências mais comuns deste risco vão do simples impacto ao capacete ou botina sem nenhum dano ao trabalhador, lesões leves ou graves, e dependendo do material transportado por elevação morte.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: conhecimento prévio das áreas onde serão levantados os pontos, e verificação da classificação do risco. Proibição de transitar sob cargas suspensas. Ao realizar o transporte manual dos equipamentos dividir entre a equipe para que não haja sobrecarga em apenas um colaborador. E em relação à proteção individual fazer o uso de capacetes e botinas de segurança com biqueira.

Riscos ergonômicos

Sono e fadiga: Para a realização de qualquer atividade, principalmente aquelas onde é exigido alto nível de concentração é fundamental que o trabalhador durma um período adequado para recompor suas energias. Como os trabalhos topográficos devem possuir precisão não é recomendável que pessoas com sono ou fadigadas executem atividades. Estes fatores diminuem a capacidade de concentração e podem gerar erros nas medidas de campo. As conseqüências mais comuns são a perda de tempo com o retrabalho, e em relação ao trabalhador a possibilidade de se acidentar no ambiente de trabalho.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: evitar horas extras excessivas, mesmo que em atividades no escritório. Utilização de efetivo adequado para evitar a sobrecarga de atividades. Em relação ao trabalhador dormir um tempo mínimo que seja adequado para reposição de suas energias.

Monotonia e repetitividade: o trabalho de levantamento topográfico de campo acaba por se tornar monótono e repetitivo uma vez que um trabalhador ficará em uma estação total realizando as leituras enquanto outro se movimentará com o prisma e ficará parado durante os períodos de leitura. Esta situação pode levar a erros gerados pelo automatismo ou concentração baixa. As conseqüências mais comuns são a perda de tempo com o retrabalho, em relação ao trabalhador se tem a questão da diminuição da concentração, esta atividade especifica geralmente não causa danos por movimentos repetitivos.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: evitar horas extras excessivas. Revezamento de atividade, quando possível, entre os trabalhadores. Em relação ao trabalhador recomendam-se exercícios de alongamento durante a atividade.

Posição do corpo na execução das tarefas: Um dos principais desconfortos a que a equipe de agrimensura está sujeita é o trabalho na posição de pé durante longos períodos, seja para operação da estação, seja para deslocamento com o prisma.

Devido às características da atividade esta é uma situação cotidiana, sem solução fácil. As conseqüências mais comuns são aparecimento de dores nos membros inferiores (pernas e pés), dores na coluna, e dependendo do porte físico do trabalhador desenvolvimento de fadiga nos joelhos (problemas em tendões e ligamentos).

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: alternância da posição de pé e sentado, para evitar dores na região da coluna e membros inferiores. Na operação da estação, verificar a possibilidade de levar um banco que permita a realização das leituras na posição sentada. Já levantamento de pontos com o prisma recomenda-se a utilização do uso de um tripé para apoio da vara do prisma, evitando desta forma a posição continua na posição de pé sem se mexer.

Jornada de trabalho: Uma das principais ocorrências que acabam comprometendo a execução de qualquer tarefa é a questão da jornada excessiva de trabalho. Alem da questão ligada ao pagamento de horas extras, a jornada excessiva acaba por não permitir que o trabalhador tenha um período adequando de descanso entre uma jornada e outra. Esta situação ocorrendo com freqüência acaba por deixar o trabalhador mais propenso a errar e se acidentar. É conveniente que seja feito um estudo prévio do serviço para que se possa planejar administrativamente o que é feito em campo, como por exemplo a montagem de uma equipe com número adequado de componentes. As conseqüências mais comuns erros no trabalho, cansaço físico, maior probabilidade de acidentes.

As medidas de segurança aplicáveis a estas situações são: Composição de equipe para evitar horas extras excessivas, mesmo que em atividades no escritório. Em caso de necessidade de horas extras, trabalhar com revezamento de equipe.

Outros Riscos

Roubo e furto: Apesar de não se enquadrar na questão legal de riscos ambientais conforme, Normas Regulamentadoras da Portaria 3214/78 do Ministério do Trabalho e Emprego, é importante ressaltar esta questão. Antigamente os equipamentos utilizados para o levantamento topográfico não eram tão conhecidos quanto hoje. Com o crescimento das atividades do setor e o conhecimento da profissão do Engenheiro Agrimensor, novas tecnologias e equipamentos vieram para facilitar a execução dos trabalhos. Como os equipamentos utilizados nas atividades de campo estão cada vez mais modernos e conseqüentemente mais caros, todo profissional deve ficar atendo ao risco de ser furtado ou roubado. Nas vias urbanas a responsabilidade total e integral é da empresa dona dos mesmos, sugere-se que tais equipamentos possuam seguros e sejam transportados com devida descrição, sem ficar expostos dentro dos veículos. Já dentro da área de mineração existe a questão de co-responsabilidade da dona do estabelecimento. Os equipamentos para adentrarem a área só são liberados através de formulários de registro de entrada, fornecido pela portaria da mina, onde também são vistoriados para certificar a referência citada e o equipamento que está sendo liberado. Em alguns casos é solicitada também a cópia da nota fiscal para comprovação de origem e propriedade.

Acidente do Trabalho e Doença Profissional

Acidente do Trabalho: O conceito definido pela lei 8.213, de 24 de julho de 1991, da Previdência Social, em seu Capítulo II, seção I, artigo 19, diz que: “Acidente de trabalho é o que ocorre no exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do artigo 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou ainda a redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho”. Inclui-se nesses casos, também, a chamada doença profissional, que, conforme explicita o inciso I do artigo 20, da mencionada Lei, é “a produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade e constante da respectiva relação elaborada pelo MTE e INSS”. O inciso II desse mesmo artigo define doença do trabalho como sendo aquela “adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente, constante da relação mencionada no inciso I”. Existem, ainda, diversas situações definidas em lei que se equiparam ao acidente do trabalho, dentre as quais destaca-se o caso de ato de agressão e sabotagem; acidente sofrido pelo trabalhador, ainda que fora do local e horário de trabalho, como em locomoção ou viagem a serviço da empresa, independentemente do meio de locomoção, seja para estudos financiados, trânsito da residência para o local de trabalho ou deste para aquela, nos períodos destinados a refeição ou descanso ou por ocasião da satisfação de outras necessidades fisiológicas, entre outros motivos.

Acidentes de Trabalho na Empresa Holcim

Acidente: Será todo acontecimento imprevisto e indesejável que provocar lesão corporal e/ou perturbação funcional que causar morte, ou perda, ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Neste caso o acidente subdividirá em Impessoal e Pessoal.

Acidente Impessoal: Será aquele acontecimento que causará somente danos materiais.

Acidente Pessoal: Será aquele que causar danos ao colaborador. Esta modalidade, também, será subdividida em Acidente Pessoal Com Perda de Tempo (CPT) e Acidente Pessoal Sem Perda de Tempo (SPT).

Acidente Pessoal Com Perda de Tempo: Será aquele acontecimento onde a lesão causada ao colaborador o impossibilitará de retornar ao trabalho no dia imediato ao do acidente. Será considerado como tal, também, o acidente que resultar em vítima fatal.

Acidente Pessoal Sem Perda de Tempo: Será aquele acontecimento onde a lesão causada ao colaborador permite seu retorno no dia imediato ao do acidente, não o tornando incapacitado para o trabalho. Será considerado como tal, também, se a lesão causada ao colaborador permita o seu remanejamento para outro setor e em outra atividade.

Incidente ou Quase Acidente: Será todo acontecimento não desejado que por questão de espaço e tempo não resultou em lesão ou danos materiais.
Acidentado: Colaborador (Vítima) que sofre a lesão provocada no acidente.
Acidente Fatal: Será todo acontecimento que ocasionar na morte da vítima (acidentado).
Acidente de Trajeto: Será todo acontecimento, sofrido pelo colaborador, durante o percurso de sua residência para o local de trabalho ou deste para aquela, qualquer que seja o meio de locomoção.
Fatores causadores: Serão os fatores que contribuírem para o acontecimento sejam eles isolados ou em conjunto.
CAT: A Comunicação de Acidente do Trabalho (formulário próprio da Previdência Social) deverá ser preenchida e protocolada juntamente a Previdência Social sempre na ocorrência de um acidente (CPT ou SPT) ou Incidente (Quase Acidente).

Equipamentos de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual – EPI, segundo a Norma Regulamentadora n° 6, Portaria 3214 de 1978 do MTE. EPI é todo dispositivo ou produto de uso individual utilizado pelo trabalhador destinado à proteção de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde no trabalho sendo a empresa obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, o EPI adequado ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circunstâncias:
a) Sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;
b) Enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas;
c) Para atender a situações de emergência.

Para as atividades relacionadas na área de mina são obrigatórios os seguintes equipamentos de proteção individual de acordo com aas atividades a serem executadas:

Botina de segurança com biqueira: utilizada para acesso a qualquer área da mina. Uso obrigatório. Entre as suas características destaca-se o solado antiderrapante e a palmilha de aço.

Óculos de segurança: Utilizado nos locais onde existe o risco de projeção de partículas.

Protetor auditivo: o protetor auditivo pode ser do Tipo plug descartável com formato normal com cordão, ou do tipo concha, composto de haste plástica/fixada no capacete, em material plástico revestimento interno de espuma, com ou sem tira de sustentação. É utilizado durante as atividades em que os funcionários estiverem expostos a índice de ruído acima de 80 dB.

Luva de vaqueta: Luva de segurança, cinco dedos, com a palma confeccionada em couro vacum, tipo vaqueta, dorso confeccionado em raspa de couro vacum. A indicação de uso é para as frentes de trabalho onde for necessário a abertura de picadas.

Respirador para poeira: Tipo concha, com válvula de exalação com tira elástica na classe PFF1 ou PFF2. Envolve a região nasal, fixado na nuca através de elástico. Proteção respiratória contra partículas cujo diâmetro é maior ou igual a um mícron e que não apresentam características tóxicas, as quais podem causar danos á saúde do trabalhador.

Capacete de segurança: Classe B com jugular elástica, material polietileno, suspensão ajustável com catraca, cinta, absorvedor de suor, revestimento de espuma, tipo aba frontal. Por determinação da Holcim é obrigatório a utilização em qualquer parte da área operacional.

Colete reflexivo: colete de sinalização tipo X confeccionado em PVC forrado com aplicação de faixa refletiva, com ajuste lateral através de velcro. Utilizado para proteção ao usuário em serviços próximos as vias de circulação como forma de destacar o trabalhador.

Procedimentos de emergência e em caso de acidentes

PAE – Plano de Ação Emergencial: Trata-se de um plano elaborado pela Holcim, que tem por objetivo dinamizar o atendimento em caso de acidentes e situações de emergências ambientais, direcionando os recursos necessários, tanto humanos como equipamentos e racionalizando as ações de acordo com a gravidade da situação, de forma que seja acarretado o mínimo de risco e máxima segurança. Trata-se do descrever das orientações e procedimentos a serem seguidos pelos trabalhadores diretos e indiretos bem como visitantes da Holcim, quando da ocorrência de qualquer situação de emergência. O intuito do PAE é que todas as responsáveis pela tomada de ações em caso de emergência, bem como conhecer os procedimentos de evacuação, caso seja necessário. O PAE garante ainda aos trabalhadores que em toda situação que ofereça grave e eminente risco de acidente, os mesmo estão autorizados à imediata interrupção e interdição das atividades.Todo trabalhador ou visitante que venha a acessar a área de operação da Holcim é obrigado a participar do treinamento do PAE, que ocorre no período de integração (treinamento de vinte e quatro horas). No PAE é detalhada cada situação de risco possível dentro das atividades da empresa. Alem do treinamento de ambientação os trabalhadores devem passar pelos treinamentos específicos aos riscos existentes em suas áreas de serviço, como riscos com eletricidade, risco no manuseio e detonação de explosivos.

No PAE também são indicados os procedimentos em caso de acidente, sejam com vítima ou apenas com danos materiais. Importante ressaltar que todo acidente independente de sua gravidade, deve ser comunicado a gerência de área que repassará ao departamento de segurança do trabalho que junto às demais áreas correlatas da empresa, farão a análise de todas as ocorrências buscando ações que visem o bloqueio das mesmas. A não comunicação dos acidentes, mesmo que sem vítimas ou danos é passível de punições, inclusive a demissão por justa causa. Em relação aos procedimentos de primeiros socorros somente os trabalhadores que foram designados e treinados tem autorização para adoção dos mesmos em caso de acidentes. Aos demais trabalhadores cabe o acionamento do setor de emergência e guardar o local com as características básicas da ocorrência.

Metodologia

Quanto aos fins

A pesquisa em questão foi de caráter exploratório, devido aos poucos registros existentes do assunto quando se associa levantamento topográfico com levantamento de riscos ambientais. Conforme reportagem da Revista Proteção, de 2009 artigo de Daniel Carvalho Granemamm “Por sua própria natureza, um levantamento topográfico está em movimento e deslocamento, o que, por sua vez acarretam situações de riscos aos profissionais envolvidos, que por falta de sinalização adequada no local de trabalho, ausência ou descumprimento de procedimentos, imperícia na operação dos equipamentos topográficos ou mesmo por falta de proteção coletiva ou individual”. Na reportagem o autor sugere a elaboração de um PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos, específico a atividade, devido às suas características.

Considerando este fato que os trabalhos são realizados em curtos períodos de tempo de um local para o outro, são poucos os registros encontrados, e como cada setor de trabalho tem suas características próprias, a pesquisa não deve ser aplicada diretamente a outras empresas mineradoras que façam extração de outro tipo de mineral, pois os procedimentos estabelecidos pela Holcim são voltados às características do seu ambiente de trabalho, extração da rocha calcária.

Quanto aos meios

A pesquisa em questão seguiu dois passos distintos, a pesquisa de campo e a análise documental ou bibliográfica. De campo devido à coleta de dados realizada com a empresa prestadora de serviço, especificamente o levantamento topográfico da mina e também a Holcim, que informou os dados referentes a sua área de atuação. Bibliográfica porque se embasada em metodologia descritiva, expondo os procedimentos e técnicas utilizados pela empresa durante o levantamento.

Na parte de campo o trabalho acompanhou o desenvolvimento das atividades da empresa de Azimute Topografia e Agrimensura, dentro das limitações impostas pela Holcim para visitantes. Os principais dados coletados estão ligados as informações sobre as planilhas de campo, que ao final deram origem as plantas produzidas para a Holcim, referentes aos seus depósitos minerais e depósitos de rejeitos. Na parte de segurança foram checadas as documentações conforme documentos de subcontratação. O interessante de se ressaltar desta coleta de campo, é que a ausência de qualquer informação solicitada do inicio do contrato é capaz de interromper ou mesmo paralisar qualquer atividade. Foram checadas as documentações referentes aos empregados e da empresa. Nos pontos de apoio da área de mina foi possível ter contato com as orientações expedidas pela Holcim, através dos quadros de aviso, cartazes, sinalizações de segurança e emails impressos.

Na para bibliográfica foram consultadas as literaturas disponíveis sobre o tipo de levantamento realizado, em especial a questão do uso de estação robotizadas, para conhecimento da técnica utilizada. Na parte de segurança foram consultados os manuais de segurança da empresa Holcim, como o PAE – Plano de Ação Emergencial, o Manual de Tráfego de Mina, os documentos de saúde e segurança da empresa Azimute Topografia e Agrimensura, de modo que fosse possível conhecer os procedimentos técnicos envolvidos no processo.

Universo da pesquisa

Ao se falar em pesquisa de opinião o primeiro aspecto a se verificar é universo a pesquisado, feito isto se define o tipo de pesquisa a ser utilizado. Quanto ao universo trata-se da população que se quer atingir, é o publico objeto de estudo, Laville (1999).

O universo da pesquisa de campo se limitou nas atividades e profissionais ligados especificamente a atividade de Engenharia de Agrimensura, na mineração da Fazenda Campinho pertencente a Holcim, executados pelos profissionais da empresa Azimute Topografia e Agrimensura. Na pesquisa de campo foram realizadas entrevistas com os profissionais que desenvolvem as atividades de topografia. Foram avaliadas “in locco” as técnicas utilizadas, bem como os equipamentos. Paralelamente foi feito um levantamento dos riscos que estão associados a cada etapa do levantamento topográfico. Foram também observados os procedimentos e requisitos mínimos de segurança a serem observados pelos prestadores de serviço da Holcim, como empresa e também incluindo os profissionais que acessaram as áreas operacionais. Os sujeitos da pesquisa foram os Engenheiro Agrimensores, os Topógrafos e Auxiliares, pertencentes a prestadora de serviços.

Coleta de dados

A coleta de dados desta pesquisa foi feita através de bibliografias em livros e internet. Ressalva-se a importância desta como uma fonte precisa para o pesquisador, uma vez que não existem muitos dados sobre o assunto relacionado a Engenharia de Agrimensura na atividade minerária.

Para a análise documental foram consultados os arquivos existentes na empresa, referentes ao levantamento topográfico da área de mina, especificamente na área de lavra e adjacências. Este procedimento permitiu comparar as técnicas utilizadas no levantamento com outras existentes no mercado, avaliando as vantagens de desvantagens de cada uma delas.

Na parte de segurança, os dados quantitativos dos riscos existentes no ambiente de trabalho são de extrema importância para comparação com os valores estabelecidos pela legislação brasileira, e verificação da eficácia das medidas de controle existentes na empresa.

No campo foram observados os aspectos técnicos (passo a passo) do levantamento topográfico e concomitantemente os procedimentos de segurança existentes tanto no que se refere a proteção do coletivo, quanto na proteção individual do trabalhador.

O objetivo final é apresentação detalhada dos requisitos mínimos para enquadramento como prestador de serviços para empresa Holcim, detalhamento de cada etapa do levantamento topográfico associados aos riscos existentes, as principais probabilidades de acidentes e doenças ocupacionais, bem como as medidas de controle apontadas nas situações preventivas e preditivas. Importante salientar que para isto, antes de cada visita de campo ser iniciada, foi explicado a equipe o objetivo do serviço e a relevância da pesquisa, a importância de sua colaboração e dos demais trabalhadores. Ao final buscou-se apresentar um projeto de pesquisa que mesclasse os dados obtidos na pesquisa de campo com os dados de literatura existente que foram pesquisados.

Cabe salientar que esta atividade executada não ocorre de forma contínua, os levantamentos topográficos são feitos de acordo com a solicitação da Holcim, que especifica em seus contratos o que deverá ser apresentado.

Análise dos dados

A análise e interpretação dos dados são trabalhadas simultaneamente na pesquisa. Em síntese pode-se dizer que a análise refere-se a um esforço de resumir dados, para que possibilitem o fornecimento de respostas aos problemas indagados, e por outro que a interpretação se refere a tentativa de obter um significado mais adequado, por intermédio da ligação entre estes e o conhecimento existente. Em conformidade com os objetivos estabelecidos para este estudo, foram apontadas as situações que comumente as empresas deixam passar despercebidas, seja por conhecimento próprio de causa, ou ainda por desconhecimento dos requisitos e que acabam por refletir no desenvolvimento do trabalho. A de se considerar a influência da cultura gerada pelas empresas e profissionais autônomos acostumados a não existência de nenhum tipo de burocracia (exigências legais) para levantamentos em áreas particulares com propriedades rurais, serviços de condomínios entre outros.

É de extrema importância que qualquer profissional ou empresa na condição de prestadora de serviço conheça previamente as regras que deverá cumprir ao assinar um contrato de prestação de serviços, para que este tipo de desatenção não venha a custar a própria existência dos mesmos no mercado de trabalho.

Limitações do método

É sabido que todo método tem possibilidades e limitações. Antecipando esta questão é possível prever as criticas que o leitor poderá fazer ao trabalho, explicando tais limitações associadas ao método escolhido, mas que ainda assim justificam como o mais adequado.

O método utilizado para o desenvolvimento deste trabalho teve como base os dados coletados e organizados para a atividade desenvolvida pela Holcim. Como existe variáveis nas formações dos solos de acordo com o mineral explorado, esta pesquisa fica limitada às empresas que trabalham com a extração de calcário.

Além desta limitação é importante salientar que, a partir do atendimento da exigência mínima legal estabelecida pela legislação brasileira, cada empresa pode criar seus procedimentos próprios em relação ao seu ambiente de trabalho ou estabelecimento. Estas regras serão determinadas de acordo com as características da atividade de cada empresa, estudos já realizados anteriormente e que apontam a necessidade de ações em determinados seguimentos ou setores. Alem destas questões citadas é importante relembrar que se trata de uma atividade de ocorrência intermitente (que não é habitual), sendo executada apenas quando há necessidade de atualização topográfica da jazida, estimativa de volume para ser extraído.

Por estes motivos, os usuários destas informações devem se atentar as peculiaridades deste estudo para não aplicá-lo a atividades com características diferentes.

Considerações Finais

A evolução contínua dos equipamentos utilizados em levantamentos topográficos vem cada vez mais agilizando e facilitando a execução dos trabalhos de campo. Trabalhos que geralmente gastavam em média quatro dias e com uma equipe maior de profissionais, podem ser realizados hoje em até um dia de trabalho e com uma equipe mais reduzida. Com a redução do tempo gasto para o serviço aumenta-se consideravelmente a questão da produção diária. Com as ações tecnológicas voltadas a facilitar a vida do profissional da Engenharia de Agrimensura, resta-o agora buscar informações sobre os trabalhos a que se propõe, de modo que suas propostas de trabalho realmente tenham garantia de lucro. Como a mão de obra no mercado vem aumentando dia a dia, é importante a elaboração de boas propostas para que a empresa ou o profissional autônomo garanta sua existência de forma competitiva no mercado. O valor final é muito importante, por isto é necessário que os profissionais estejam realmente seguros dos trabalhos que vão desenvolver, bem como conhecer as minúcias de empresas com exigências mais complexas do que, por exemplo, um simples levantamento de área realizado para um fazendeiro, dono de uma propriedade rural qualquer. O profissional conhecendo os requisitos que são exigidos de seu contratante, somado a tecnologia e equipamentos modernos tem tudo para execução de um trabalho com sucesso.

Esta diminuição do tempo de trabalho acaba minimizando também a exposição dos trabalhadores aos riscos existentes no ambiente de trabalho. Como visto a ação de dos agentes de riscos está diretamente ligada entre outros fatores ao tempo de exposição e a concentração do agente no ambiente de trabalho. Trabalhos realizados em menor tempo, conseqüentemente diminuem a possibilidade de que estes riscos causem danos a saúde e também reduzem a probabilidade de risco de acidente. Alem disso, há ainda o fato de que todos os trabalhadores receberem treinamento e conscientização sobre os perigos da função e os associados ao local de trabalho.

Por outro lado é justamente o fato dos serviços serem executados em empresas diferentes em curtos períodos de tempo é que as empresas deste setor acabam por não ter dados precisos sobre os riscos existentes nos seus ambientes de trabalho o que de certa forma impede que ações que possam ser tomadas para controle de riscos ambientais sejam implementadas. De certa forma parte dos riscos existirão em quase todos os ambientes de trabalho que o Engenheiro Agrimensor for trabalhar, o que mudará são as características e forma de apresentação, como por exemplo a exposição a animais peçonhentos como cobras e aranhas, que em cada região do país terá diferentes espécies. No que tange quanto as regras de seus contratantes esta situação também será muito variável, desde locais onde não será exigido nada, quanto em locais que exigirão toda documentação legal exigida pela legislação em vigor.

Quanto aos métodos para levantamento topográfico sabemos que apesar de se tratar de um processo mais avançado, o que utiliza a estação robótica para levantamento de área, já existem outros métodos como o escaneamento a laser muito mais precisos, com execução ainda mais rápida e consequentemente com menor exposição de profissionais no campo de trabalho. Como não houve uma exigência especifica quanto aos equipamentos a serem utilizados a empresa Azimute Agrimensura optou por fazer o levantamento com estação total.

Há de salientar que Engenheiro Agrimensor não é uma das profissões mais conhecidas no mercado. Algumas técnicas que vem sendo desenvolvidas no mercado afastam ainda mais a equipe de agrimensura das áreas operacionais pois são levantamentos rápidos e que demandam poucas pessoas.

Todas essas associações de fatos demonstram que não se trata de uma atividade de simples acompanhamento, como as mudanças ocorrem em escala muito mais rápida do que em atividades com agendas habituais é necessário que os setores de segurança e elaboração de contrato, dêem uma atenção especial a elas.

O simples fato da atividade ser executada em curto período de tempo não será garantia execução sem acidentes, é quando as coisas parecem mais simples e não são tomados os devidos cuidados que acidentes acontecem. Dentro deste panorama e levando em consideração a análise de fatores nas frentes de serviço, a empresa Holcim reuniu informações que permitiram abordar conhecimentos sobre as atuais condições de segurança dos trabalhadores que atuam na área de mina. O intuito e trabalhar continuamente de forma que cada vez mais diminua a probabilidade de acidentes e adoecimento dentro de sua área de serviço, e se casos estes ocorrem a gravidade dos mesmos seja bem menor, devido aos procedimentos de segurança já estabelecidos.

Do outro lado é feita a análise sobre o prestador de serviço. É preciso acabar com estigma de que terceiros são sinônimos de acidentes, justamente por não conhecer ou não trabalhar de forma adequada as ferramentas de segurança de suas contratantes. Neste aspecto as empresas que conseguem executar suas atividades e manter o índice de acidente zerado ou próximo a zero com certeza se destacam.

No caso do trabalho desenvolvido pela Empresa Azimute Topografia e Agrimensura, o atendimento a todas estas situações trouxe consigo a satisfação do cliente final expressa em números. Os trabalhos foram executados em apenas quatro dias, incluindo a elaboração de relatório em escritório, enquanto se fosse usada uma estação total comum gastaria em entre dez e quinze dias conforme os registros de alguns anos atrás. A Holcim acaba se preocupando dias a menos com a questão de terceiros dentro de seu estabelecimento, isto também pode ser observado no gráfico que demonstra o índice de acidentes envolvendo trabalhadores diretos e indiretos que atuam na atividade da empresa.

Embora haja mudanças constantes no mundo, com a busca incessante de técnicas cada vez mais modernas para solução dos problemas mundiais é imprescindível pensar sempre na segurança de que executa os trabalhos. A empresa Azimute Topografia e Agrimensura, ainda que em trabalhos de execução consideravelmente rápidas como no caso da Holcim, quatro dias, vem mantendo em suas atividades a taxa de acidente zero. Os números apresentados no gráfico não estão ligados as suas atividades, são de outras empresas terceirizadas.

Este dado obtido não significa que todas as atividades sejam executadas da mesma maneira. O registro é muito importante, como importante também é salientar que não existem registros significativos que possam dar um parâmetro sobre a realidade dos Engenheiros Agrimensores nos dia de Hoje.

É preciso que empresas e profissionais autônomos mantenham-se informados quanto a suas obrigações legais, e principalmente a partir do conhecimento destas cumpram-na em sua íntegra, de modo que sejam criados subsídios que possam embasar um relato mais preciso da realidade da classe.

Referências Bibliográficas

BRASIL, Lei 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Manuais de legislação ATLAS. Segurança e Medicina do Trabalho, Normas Regulamentadoras – NR, Portaria 3.214 de 8 de junho de 1978. 60. edi. São Paulo. ATLAS S.A 2009.

AZEVEDO, Izabel Christina Duarte Azevedo; MARQUES, Eduardo Antônio Gomes, Introdução à Mecânica das Rochas, Viçosa (MG), UFV, 2002.

DALMOLIN, Quintino; SANTOS, Daniel Rodrigues dos, Sistema Laserscaner: Conceitos e Princípios Fundamentais, 3ª edição, Curitiba, UFPR, 2004.

HOLCIM S/A, PAE – Plano de Ação Emergencial – Revisão 19, 2009, São Paulo, Paginas 49 a 65.

HOLCIM S/A, Manual de tráfego em Mina, 2009, São Paulo, Pag. 01 a 15.

BORGES, Alberto de Campos, Topografia Aplicada a Engenharia Civil, 2ª edição, São Paulo, Ed. Rdgard Blucher Ltda., 2004. Pag. 08 a 12.

FRANÇA, Junia Lessa; VASCOLCELOS, Ana Cristina, Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas, 7ª edição, Belo Horizonte, UFMG, 2004.