Brasil está na liderança para desenvolver os acordos e mecanismos de ciência, tecnologia e inovação para cooperação multilateral sobre o tema

Estabelecer os subgrupos temáticos para organizar as colaborações científicas e econômicas, além de ações integradas entre os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é a próxima etapa dos trabalhos para 2018 na área de Ciência, Tecnologia e Inovação.

O Plano de Trabalho de 2015 a 2020, reformulado e aprovado pelos ministros de C&T e Inovação do bloco- na última reunião realizada na China, em julho de 2017 – prevê a realização de 17 eventos neste ano, sendo que três dessas reuniões estão previstas para ocorrerem em cidades brasileiras.

No tema de “Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais” – uma das cinco áreas prioritárias do acordo de cooperação entre os países do Brics – tem o Brasil na liderança para desenvolver os acordos e mecanismos de ciência, tecnologia e inovação para cooperação multilateral no tema, por meio do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, responsável em conduzir as discussões entre os países do bloco.

O Cemaden irá organizar o 3º Encontro do GT do Brics no tema “ Prevenção de Riscos e Mitigação de Desastres Naturais”, a ser realizado na África do Sul, neste ano, em maio, na Cidade do Cabo.

O diretor do Cemaden, Osvaldo Moraes, explica que estão sendo discutidas a gestão de recursos hídricos e de riscos naturais e tecnológicos nas áreas costeiras dos países, além da redução desses riscos, melhorando a qualidade de vida e condições ambientais nas grandes cidades dos países do Brics. A ideia é desenvolver sistemas integrados, combinando previsão hidrometeorológica e observação de satélites para prever e medir a dinâmica das inundações, mapeando os impactos dos desastres.

“Como resultado desta cooperação, espera-se o desenvolvimento, em conjunto, de produtos de visualização que combinem dados de previsão e observação para uso operacional.”, afirma o diretor do Cemaden.

As próximas reuniões dos países do Brics – envolvendo outros temas prioritários – estão previstas para o mês de março, em Campinas (SP), quando ocorrerá o 2º Encontro do GT em Infraestruturas de Pesquisa e Projetos de Megaciência. Em abril, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) realiza, em Brasília (DF), o 4º Encontro do Programa-Quadro dos Brics em Ciência, Tecnologia e Inovação, ocasião na qual podem ser selecionados os projetos a serem financiados pela segunda chamada pública coordenada para apoiar pesquisas conjuntas.

Reuniões e acordos dos países do Brics em C&T e Inovação

prevencao a desastres naturais 300x199 BRICS reúnem se na África do Sul para debater a prevenção de desastresDesde o 1º Encontro de Ministros, na Cidade do Cabo, na África do Sul, em fevereiro de 2014, cada país do Brics lidera uma área temática: prevenção e mitigação de desastres naturais, sob responsabilidade brasileira; recursos hídricos e tratamento da poluição, por conta da Rússia; tecnologia geoespacial e suas aplicações para o desenvolvimento, pela Índia; fontes renováveis de energia e seu uso eficiente, pela China; e astronomia, com liderança sul-africana.

No acordo de cooperação entre os países do Brics, firmado em Brasília, no mês de março de 2015, os termos aprovados estão inclusos em dois documentos: a Declaração de Brasília e o Memorando de entendimento sobre a Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação. Os países decidiram nomear instituições para colaboração dentro da Plataforma de Rede de Pesquisa e Inovação Brics, desenvolvendo um canal de comunicação direta entre as partes interessadas. Na área de Prevenção e Mitigação de Recursos Naturais Desastres (monitoramento e alerta), temática liderada pelo Brasil, ficou definido a condução do tema pelo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

Ainda em 2015, a 1ª Reunião do GT ocorreu em paralelo com a “Conferência sobre Gestão de Desastres Naturais” em Nova Delhi, na Índia, de 28 a 30 de março. Nessa reunião, os representantes dos países identificaram que havia necessidade de formulação dos desafios científicos, tecnológicos e de inovação para definir as prioridades e orientações direcionadas a todos os países do Brics, no tema “Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais”.

Na Rússia, em 2016, na cidade de St. Petersburg, foram firmados acordos de intercâmbios científicos e tecnológicos entre os países do Brics – inclusive a realização de uma Sessão Especial coordenada pelo Cemaden – para tratar sobre “Prevenção e Mitigação de Desastres Naturais em Regiões Costeiras”. As reuniões ocorreram durante a XXVI Conferência Conjunta de Regiões Costeiras de 2016, realizado no período de 22 a 27 de agosto.

Na 2ª Reunião do GT, também realizada em 2016, foram definidas as metas de cooperação entre os países do Brics, compartilhando experiências e conhecimentos para melhorar o sistema de alerta e a comunicação de riscos de desastres. Discutiu-se sobre o desenvolvimento de ferramentas para suporte nos sistema de alerta e de modelos climáticos, hidrológicos e geomorfológicos.

Em julho 2017, durante o 5º Encontro Ministerial de Ciência, Tecnologia e Inovação do Fórum de Diálogo dos Brics, realizado na China, os cinco ministérios revisaram e atualizaram o Plano de Trabalho de 2015 estendendo até 2020, com base no acordo firmado, anteriormente, em Moscou, na Rússia, em outubro de 2015.

Na cidade chinesa Hangzhou, no ano passado, os ministros definiram seis áreas temáticas para a chamada pública: prevenção e monitoramento de desastres naturais; recursos hídricos e tratamento da poluição; energias novas e renováveis e eficiência energética; biotecnologia e biomedicina, incluindo saúde humana e neurociências; ciência de materiais, com nanotecnologia; e TICs e computação de alto desempenho.

Com infromações da Ascom Cemaden e Ascom-MCTIC

Geoinformação & Disrupção: Criando Novos Mercados

Como a cadeia produtiva da Geoinformação pode se adaptar às rápidas e constantes mudanças que estão ocorrendo e também buscar novos mercados?

Toda esta evolução digital está baseada em tecnologia móvel, a combinação de inteligência artificial e a observação da Terra, serviços automatizados de localização, big data e análises geográficas em tempo real.

No seminário Geoinformação & Disrupção, que vai acontecer no dia 15 de maio na abertura do MundoGEO#Connect 2018, especialistas estarão reunidos para debater estas tendências e desvendar os melhores caminhos para as empresas do setor continuarem a prover soluções para uma cadeia consumidora corporativa da análise geográfica cada vez mais ampla e exigente.

Veja a programação completa e confira como foi a última edição, que contou com mais de 3 mil participantes: