O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publica hoje (29/11) estudo inédito sobre deslizamentos no país.

O mapa Suscetibilidade a Deslizamentos do Brasil: Primeira Aproximação, realizado sobre grade estatística composta por recortes de um quilômetro quadrado, mostra que 5,7% do território nacional tem suscetibilidade muito alta a deslizamentos e 10,4% alta suscetibilidade, e as regiões Sul e Sudeste concentram a maior parte dessas áreas.

No Sudeste, 23,2% de sua área tem suscetibilidade muito alta a deslizamento e 24,6% alta suscetibilidade. No Sul, 15,6% do território tem suscetibilidade muito alta e 24,5% alta suscetibilidade a deslizamento. Já o Norte e o Centro-Oeste concentram os trechos de menor suscetibilidade a deslizamentos: Norte com 1,6% de muito alta e 6% alta e Centro-Oeste com 3,6% e 8,2%. O Nordeste aparece com 3,8% e 10,1%.

Rio de Janeiro, Espírito Santo e Santa Catarina são as unidades da federação mais suscetíveis a deslizamento: mais da metade (53,9%) do território do Rio de Janeiro tem suscetibilidade classificada como muito alta, seguido por Espírito Santo (44,9%) e Santa Catarina (33,7%).

O mapa e a publicação com os resultados do estudo podem ser acessados nesta página.

Mapa de Suscetibilidade a Deslizamentos do Brasil

Critérios para suscetibilidade a deslizamentos

O estudo leva em consideração seis aspectos: Geologia, Geomorfologia, Pedologia, Cobertura e uso da terra e Vegetação, Declividade e Pluviosidade.

Após analisar os mapas de cada um deles e determinar critérios de importância, chegou-se a um mapa final que demonstra a suscetibilidade de deslizamentos de todo o país, a partir de cinco intervalos de classificação: muito baixa, baixa, média, alta e muito alta suscetibilidade.

A declividade da área teve o maior peso no cálculo, ou seja, é o critério que mais contribuiu para a suscetibilidade a deslizamentos.

Nesse sentido, Sul e Sudeste concentram as maiores áreas de suscetibilidade alta ou muito alta a deslizamento, por serem regiões serranas ou planálticas edificadas em terrenos geológicos de grande mobilidade e fragilidade crustal.

Episódios recentes ocorridos nos estados de Santa Catarina, em 2008, e no Rio de Janeiro (Ilha Grande/Angra dos Reis em 2009, Niterói em 2010 e Região Serrana em 2011) ilustram os danos gerados por deslizamentos no país. Ambas unidades da federação estão entre as que apresentam os números mais elevados.

Devido às características do meio físico, clima tropical e à alta pluviosidade, o Brasil apresenta um conjunto de fatores que favorece, em algumas regiões, o desencadeamento de fenômenos de deslizamentos.

Soma-se ainda a esse cenário uma dinâmica de uso e ocupação da terra muitas vezes desordenada, o que potencializa a incidência de deslizamentos e agrava seus impactos.

O mapa Suscetibilidade a deslizamentos do Brasil: primeira aproximação faz parte do 2º volume da coleção “Macrocaracterização dos Recursos Naturais do Brasil”.

A publicação tem por objetivo contribuir para o fomento de outras pesquisas para diminuição do impacto dos deslizamentos para populações mais sensíveis.

Soluções Inovadoras para Mercados Verticais

Estão abertas as inscrições no DroneShow MundoGEO Connect 2020, que acontece de 19 a 21 de maio no Centro de Convenções Freia Caneca, em São Paulo (SP) com o tema Soluções Inovadoras para Mercados Verticais.

droneshow e mundogeo connect 2020 solucoes inovadoras para mercados verticais

Será um verdadeiro festival de atrações: várias arenas com apresentações inovadoras, uma grade com cursos básicos e avançados, seminários e fóruns temáticos, espaço para experimentação de tecnologias 3D, premiação dos melhores projetos, lugar para encontros agendados para geração de negócios e troca de experiências, além da maior feira do setor nas Américas em número de visitantes.

Confira um resumo de como foi a última edição do DroneShow e MundoGEO Connect:

Imagem: Wikimedia – Roosewelt Pinheiro/ABr