Os drones ganharam muita visibilidade nos últimos anos, e então passaram a ser objeto de desejo de algumas pessoas. Entretanto, ainda que parecessem somente brincadeira em certos momentos, o mercado enxergou nos gadgets um mundo inteiro de descobertas para novas funções, desde a entrega de comida até as filmagens jornalísticas, por exemplo. Estas últimas, inclusive, são muito utilizadas por diversas emissoras, hoje, pois além de entregar uma imagem com mais qualidade, geram menos custos do que os helicópteros

Regulamentados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), os drones, apesar de oferecerem uma enorme gama de possibilidades para diversos mercados, ainda têm problemas legislativos para serem utilizados no país, principalmente por suas interferências de maneira geral no espaço aéreo.

Porém, para que possam ter seu potencial aproveitado, os drones são permitidos, desde que obedeçam algumas regras:

• Aeronaves não tripuladas cujo peso ultrapasse 250g devem ser registradas no site da Anac, e precisam ter o número de identificação marcado em sua estrutura, de alguma maneira legível, em local de fácil acesso.

• Para as aeronaves que excedam o limite de 250g, também é necessário fazer um seguro com cobertura de danos a terceiros.

• Caso o drone tenha mais de 25kg ou vá subir a altitudes maiores de 120m, é necessário que o operador tenha habilitação (deve passar por uma capacitação) e seja maior de 18 anos.

• Drones com mais de 250g devem respeitar uma distância horizontal mínima de 30m de terceiros, sob responsabilidade do operador. Caso a aeronave tenha mais peso do que o apontado e as pessoas estiverem de acordo com o ato de que ele sobrevoe o espaço próximo a elas, não há problemas perante a lei.

Diante da regularização e do apontamento de tais regras, os veículos passaram a ter muito mais assertividade e menos riscos em sua operação, o que fez com que eles ganhassem espaço em muitas funções no mercado. No Brasil, principalmente na Agricultura, onde estão operando 40% das aeronaves do país. A vez agora, no entanto, é a de usar drones para aumentar as vendas no mercado imobiliário.

Drones na construção civil

O uso de drones na construcao civil 400x295 Por dentro do uso de drones na construção civilAntes de entender como as pequenas aeronaves podem impactar diretamente o mercado imobiliário, deve-se ter em mente que tudo começa no momento da obra. Os drones são muito utilizados pela construção civil em diversos momentos, mas o destaque fica por conta das fotografias da obra durante sua realização.

Uma das principais razões pelas quais os veículos são empregados é sua possibilidade de acessar locais difíceis, praticamente impossíveis para humanos ou outras máquinas. Eles podem, então, fotografar de locais altos sem a necessidade de enormes aeronaves ou equipamentos mais caros, além de fazer o monitoramento e segurança de canteiros de obras, o que ajuda a evitar furtos e roubos.

As fotos tiradas no momento da construção são de grande serventia para o marketing, pois podem ajudar, por exemplo, fazer uma maquete com mais facilidade ou apresentar uma apartamento na planta como os que fazem parte do agenteimovel.com.br. Veja algumas das utilizações mais comuns dos drones:

1 – Mapeamento

Mapeamentos aéreos são uma parte importante do processo de divulgação de um apartamento. Por meio deles é possível não somente calcular área útil, mas também mostrar as particularidades de certos espaços ao possível comprador do imóvel.

Para isso, normalmente são utilizadas medidas estimadas ou aquelas conseguidas por quarteirões. Entretanto, agora é possível lançar mão dos drones para isso e conseguir todos os dados de maneira mais precisa e assertiva.

2 – Acompanhamento do trabalho dos operários

Assim como fora do horário de trabalho, os drones podem ser de grande serventia para garantir a segurança dos operários durante o processo de construção. Com câmeras, é possível monitorar remotamente a execução das funções e verificar se tudo está sendo realizado da maneira mais segura possível.

Além disso, ao verificar um acidente pela câmera, o inspetor da obra poderá rapidamente acionar unidades competentes para verificação.

3 – Observar o desenvolvimento da obra

Com imagens periódicas de diversos ângulos, os drones permitem aos engenheiros e arquitetos responsáveis pela obra a verificação da evolução do trabalho. Inclusive, pelo fator da conexão remota, é possível ter as imagens em tempo real em um celular ou tablet, para que já sejam discutidos os novos rumos do projeto e possíveis consertos no ato da visualização.

4 – Inspeção completa da obra

Uma obra precisa, acima de tudo, atender a rígidos padrões de segurança e estrutura. Certificar-se disso de tempos em tempos é essencial para que não ocorram problemas posteriores. A melhor maneira de ter essa garantia de maneira eficaz é utilizando um drone.

O veículo pode, por meio de sistemas instalados em dispositivos conectados a ele, apontar possíveis problemas e, principalmente, entrar em locais impossíveis para os trabalhadores, como espaços reduzidos entre vigas ou alguns pequenos buracos, por exemplo, e certificar seu operador de que tudo corre como o previsto.

5 – Publicidade

As imagens são alguns dos maiores atributos de um imóvel em construção. Sendo assim, tê-las à disposição na melhor qualidade é um diferencial na hora de vender. Não só isso, é possível transmiti-las para artistas desenharem as áreas comuns com muito mais precisão, o que evita surpresas desagradáveis no futuro.

Elas também podem ser utilizadas para estruturar as medidas das maquetas, bem como seu formato e suas formas mais expressivas. Não há como ter uma ideia mais precisa de uma construção do que realizar os processos artísticos por cima de fotos aéreas.