março | 2012 | Geodireito

Geodireito

Sipam adquire novas antenas para ampliar a proteção da Amazônia via satélite

Por Luiz Antonio Ugeda Sanches | 14h56, 15 de Março de 2012

IGD mundoGEO21 150x150 Sipam adquire novas antenas para ampliar a proteção da Amazônia via satéliteO monitoramento ambiental da região amazônica passa a contar com novas antenas para recepção de imagens de satélites internacionais. O Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) investiu R$ 8,2 milhões na aquisição dos equipamentos que permitirão ampliar as informações meteorológicas e ambientais da Amazônia Legal. As antenas possibilitarão o recebimento diário de imagens dos satélites NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration 15, 16, 17,18 e 19), Metop 2, Terra, Acqua, NPP e o NPOESS.

“Com essa resolução temporal (frequência de imagens) podemos, por exemplo, identificar uma indicação de desmatamento, repassando essa informação ao órgão parceiro”, explica a coordenadora operacional, Jaci Saraiva, do Centro Regional de Belém. Cada centro regional do órgão (localizados em Manaus, Porto Velho e Belém) recebeu uma antena com 2,4 metros de circunferência, coberta por uma esfera (radome) de proteção de mais de quatro metros, e demais equipamentos aptos a rastrear e suportar os dados dos satélites.

As antenas ampliarão, por exemplo, dados sobre a pressão e a umidade do ar, determinação dos tipos, temperaturas e tamanhos de nuvens. “As informações serão utilizadas para a previsão do tempo e estudos climáticos”, ressalta o diretor Técnico do Sipam, Cristiano Cunha. Segundo ele, informações sobre as características físicas da terra e oceanos, dados de calor na superfície terrena, medição dos níveis de ozônio e concentração de clorofila são outros exemplos de dados captados pelas antenas que permitirão o controle de queimadas e poluição dos oceanos e do ar. Já as informações sobre a cobertura vegetal da terra auxiliarão no combate ao desmatamento.

Os dados serão “traduzidos” por um sistema denominado Terascan, que possibilita a recepção automática, processamento e visualização dos dados satelitais para posterior elaboração de produtos. Além disso, as informações serão disponibilizadas às instituições parceiras que utilizam o sensoriamento remoto nas áreas ambientais, oceanográficas e meteorológicas. Segundo a coordenadora de operações do Centro Regional de Porto Velho, Ana Cristina Strava, o processamento independente das imagens permitirá o aprofundamento e o ganho de qualidade em trabalhos já realizados pelo Sipam. “O monitoramento de queimadas e a avaliação do desmatamento em áreas especiais são alguns exemplos”, afirma Ana, assim como o repasse de informações sobre o clima e o tempo para as defesas civis da Amazônia.

Em Manaus, mais dados meteorológicos

No Centro Regional de Manaus e no Centro de Coordenação Geral em Brasília foram instaladas mais duas antenas exclusivas para recepcionar dados dos satélites GOES (11, 12, 13 e 14) e compatível com upgrade para GOES-R que, devido às suas características geoestacionárias, requerem um receptor fixo (diferente dos demais, que acompanham a passagem dos satélites). Cada antena tem 3,7 metros de circunferência, o investimento foi de R$ 1,4 milhão.

De acordo com o meteorologista Renato Senna, do CR de Manaus, o equipamento possibilita o acesso imediato (em tempo real) das imagens de satélite da série GOES sobre a América do Sul em alta resolução, ainda o software adquirido (LEADS) proporciona uma série de recursos que possibilitarão uma melhor interpretação dos sistemas meteorológicos atuantes na região.  “Isso facilita o nosso trabalho e possibilita uma maior acuracidade de nossas previsões de curtíssimo prazo trazendo como consequência uma maior segurança às populações da região”, ressalta Senna.

Segundo Senna, com a instalação dos equipamentos foram implementadas novas rotinas operacionais que permitem a animação de sequências de imagens de satélite e colocação de “alvos” em pontos específicos, que facilitam o monitoramento contínuo dos sistemas meteorológicos atendendo interesses específicos de parceiros do Sipam.

Com informações do Sipam

Participe do Instituto Geodireito – IGD no Twitter e no Facebook.

share save 171 16 Sipam adquire novas antenas para ampliar a proteção da Amazônia via satélite

Embrapa mapeará toda a agricultura brasileira por imagens de satélite

Por Luiz Antonio Ugeda Sanches | 14h50, 15 de Março de 2012

IGD mundoGEO2 150x150 Embrapa mapeará toda a agricultura brasileira por imagens de satéliteA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vai realizar o mapeamento de toda a agricultura brasileira por imagens de satélite. Em 2012, os investimentos em geotecnologias aplicadas ao monitoramento da agricultura e em inovações em agroenergia são as prioridades.

O presidente da Embrapa, Pedro Arraes, afirmou que o mapeamento permitirá, por exemplo, avaliar o impacto das mudanças no novo Código Florestal, daqui 5 anos. Segundo ele, orçamento da Embrapa neste ano é de R$ 2 bilhões, com algum contingenciamento. “Mas existe esperança de que 100% seja disponibilizado”, disse.

Ao explicar a importância da geotecnologias, Arraes afirmou que as informações serão importantes para desenvolver tecnologias que tornem o Brasil de fato a “âncora verde da agricultura no mundo”.

Ele comentou, ainda, que a Embrapa dará grande contribuição no planejamento das políticas regionais para a agricultura. Mendes Ribeiro deve se deslocar agora para o Palácio do Planalto, onde participará da posse do novo ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas.

O presidente da Embrapa afirmou que a empresa fez recentemente “contração expressiva” de pesquisadores que irão atuar no programa de cana-de-açúcar, que reúne várias iniciativas da empresa na área. “A Embrapa está sendo chamada para entrar na área energética”, diz ele, ao lembrar que no ano passado foi inaugurada a Embrapa Agroenergia, que está trabalhando na área de processos e de micro-organismos para produção de etanol de segunda geração.

O Programa Agropensa é outra iniciativa que deve ser colocada em prática pela Embrapa este ano. A proposta é constituir um núcleo de inteligência estratégica da agricultura brasileira, coordenado pela Embrapa Estudos e Capacitação, para produzir e difundir conhecimentos e estratégias para a agricultura do futuro.

A Secretaria de Negócios da Embrapa é outra ação prevista para 2012, com objetivo aumentar a capacidade da empresa em negócios públicos e privados de interesse do governo brasileiro. Arraes prevê que este ano também será criada a Embrapa Internacional, que tornará mais flexíveis os mecanismos disponíveis para fortalecer as parcerias de pesquisa com outros países.

Com informações de O Estado de S.Paulo.

Participe do Instituto Geodireito – IGD no Twitter e no Facebook.

share save 171 16 Embrapa mapeará toda a agricultura brasileira por imagens de satélite
  • Luiz Antonio Ugeda Sanches
    @luizsanches
    Advogado e geógrafo. Presidente do Instituto Geodireito (IGD). Sócio do Demarest e Almeida Advogados. Doutorando em Geografia pela UnB. Mestre em Direito e em Geografia, ambos pela PUC/SP.

    Advogado e geógrafo. Presidente do Instituto Geodireito (IGD). Sócio do Demarest e Almeida Advogados. Doutorando em Geografia pela UnB. Mestre em Direito e em Geografia, ambos pela PUC/SP.

  •