Quer dizer que agora o Japão terá um GPS só pra ele?!? Leia e entenda que não é bem assim…

Causou espanto a superficialidade como a Rede Globo de Televisão tratou a Geodésia na última quarta-feira, 21 de junho, quando veiculou uma matéria sobre o “GPS Japonês”.

Assista aqui na íntegra a matéria Japão cria GPS que tem previsão de centímetros

Foi interessante ver a Geodésia em destaque no JN, mas esta matéria tem vários equívocos, como comentei na live do último domingo (25/6):

O erro principal foi falar que o GPS só funciona porque os satélites ficam fixos sobre um ponto na Terra. Na verdade, eles se confundiram com satélites Geoestacionários.

Mas olha só a agilidade da internet. Apenas 20 minutos depois de eu postar no Facebook uma crítica sobre este assunto – que recebeu vários comentários e colaborações -, uma pessoa da Globo entrou em contato e pediu para enviarmos por email uma sugestão de errata, a qual reproduzo a seguir:

“Primeiro, agradeço por abrir este canal de comunicação. Seguem a seguir meus comentários:

Antes de mais nada, é importante deixar claros alguns conceitos. Hoje, existe o sistema norte-americano GPS e seus similares: o russo Glonass, o europeu Galileo e o chinês Beidou.

Outros sistemas que melhoram a qualidade do posicionamento – usando os sinais do GPS – são chamados SBAS (Satellite Based Augmentation Systems), ou sistemas de ‘aumentação’, como o WAAS na América do Norte, o Egnos na Europa, o QZSS no Japão, o Gagan na Índia.

Na matéria tem algumas confusões de conceitos, mas entendo que é pra deixar o conteúdo ‘entendível’ pelo público leigo.

Porém tem um erro bem grave no trecho a partir de 1min15s: ‘O GPS hoje é possível com informações enviadas por satélites Geoestacionários, que ficam parados orbitando sobre pontos fixos na Terra’.

Na verdade, houve uma confusão com os satélites dos sistemas de ‘aumentação’, que geram sinais para melhorar o posicionamento, em conjunto com o sistema GPS
.
Sugestão de errata: ‘Diferentemente do que foi informado, o funcionamento do sistema GPS é possível com informações de dezenas de satélites que estão em movimento ao redor da Terra, que têm seus sinais melhorados através de satélites fixos sobre um ponto da Terra, estes sim Geoestacionários’.

Tem também um erro em 1min47s, quando se fala em ‘margem de erro praticamente zerada’, pois para aplicações de engenharia, 10 centímetros é um erro imenso (por exemplo, no encaixe de uma máquina em uma estrutura).

Também, falar que em 2018 o japonês terá ‘um GPS para chamar de seu’ é um erro, pois eles já têm acesso aos sinais do GPS norte-americano, e o novo sistema QZSS vai melhorar a precisão mas não os tornará independentes do GPS. Porém, acho desnecessário erratas nestes caso, pois não é erro de informação, mas de julgamento.

Enfim, espero ter ajudado”.

Que confusão, não é mesmo? Mas é bom saber que a errata já chegou aos editores e estamos aguardando a resposta da Globo.

Por dentro do QZSS e dos Sistemas de Aumentação do GPS

Indo um pouco além, é importante entender um pouco melhor como funciona o tal “GPS Japonês”.

No último dia 31 de maio um foguete H-IIA colocou em órbita o segundo satélite do sistema japonês QZSS (sigla em inglês para Quasi-Zenith Satellite System):

Chamado de Michibiki-2, o veículo fará parte de uma constelação de quatro satélites , sendo um geoestacionário e três com órbita geosíncrona inclinada.

Os satélite serão operados pela empresa privada Quasi-Zenith Satellite System Services Incorporated, em parceria com a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial JAXA (sigla em inglês para Japan Aerospace Exploration Agency).

O objetivo do QZSS é fornecer sinais adicionais de navegação, compatíveis com o sistema GPS.

main qimg 4107ce8bffb45cce0a3bf10cde7baa29 c 179x300 Japoneses agora terão um GPS para chamar de seu #sqnTrês dos satélites do sistema vão operar em órbita inclinada 44 graus em relação ao Equador, o que gera uma órbita em forma do número 8 com centro em um ponto no Equador, na longitude de 135 graus Leste.

Com estes três satélites igualmente espaçados na órbita, pelo menos um veículo sempre estará dentro de um intervalo de no máximo 30 graus sobre um usuário (daí vem o nome “Quase Zenital” do sistema).

Enquanto isso, um quarto satélite ficará em uma órbita geoestacionária. Ou seja, este sim ficará estacionado sobre o Japão.

Cânions Urbanos

Um receptor de sinais de um sistema de navegação – como o seu smartphone, por exemplo – recebe sinais de múltiplos satélites, de diferentes sistemas, para triangular sua localização. Em cidades, existem os “cânions urbanos”, que não permitem a propagação dos sinais de forma correta, resultando em um efeito indesejado chamado de “multicaminhamento”. Ou seja, o receptor acaba identificando um mesmo sinal duas ou mais vezes, devido à reflexão destes sinais em edificações, por exemplo, gerando menor precisão.

Através de um sistema como o QZSS, sinais adicionais de navegação geram melhor posicionamento – ou maior acurácia, se preferir. Tendo sempre um satélite próximo ao zênite, pode-se garantir que os sinais não serão bloqueados ou refletidos – ou, pelo menos, minimizar estes efeitos.

O QZSS transmitirá sinais de navegação L1C/A, L1C, L2C e L5, compatíveis com o sistema GPS. A previsão é que o sistema esteja totalmente operacional já em 2018, e para 2024 os japoneses já anunciaram que vão aumentar o número de satélites para sete.

Na imagem a seguir você pode ver todos os sistemas de “aumentação”, alguns operacionais e outros em desenvolvimento:

SBAS 1024x528 Japoneses agora terão um GPS para chamar de seu #sqn

Com informações da JAXA, AFP, Globo, ESA, GSA

share save 171 16 Japoneses agora terão um GPS para chamar de seu #sqn