Por Marshall Shepherd*

Sou Cientista Atmosférico com três graduações em meteorologia. Assim, minha “casa” na Universidade da Georgia é o Departamento de Geografia.

Como muitos dos que podem estar lendo agora mesmo, eu também tinha um conhecimento estreito da Geografia quando saí da NASA para unir-me à Faculdade da Universidade.

Através dos anos, seguramente tenho escutado as pessoas descrevendo a geografia como um conjunto de mapas, capitais, rios e coisas assim. E o certo é que estas “coisas” definitivamente são parte da disciplina, mas existe muito mais complexidade e rigor que a simples memorização de feitos ou as memórias dos concursos de geografia básica.

A Geografia é única para unir as ciências sociais e as ciências naturais. Existem dois ramos principais da geografia: Humana e Física.

A Geografia Humana se interessa pelos aspectos espaciais da existência humana. Os geógrafos físicos estudam os padrões dos climas, os acidentes geográficos, a vegetação, os solos e a água. 

Os geógrafos utilizam muitas ferramentas e técnicas em seu trabalho, e as tecnologias geográficas são cada vez mais importantes para entender nosso complexo mundo. Entre estas, incluímos os Sistemas de Informação Geográfica (GIS), Sensores Remotos, Sistemas de Posicionamento Global (GPS) e o mapeamento online como o Google Earth.

Tenho notado que a disciplina de geografia está desempenhando papéis muito importantes na luta contra o vírus SARS-CoV-2, o qual causa a enfermidade COVID-19. Aqui estão alguns deles.

Rastreio do Coronavírus. Um exemplo da universidade Johns Hopkins:

Os Sistemas de Informação Geográfica (GIS) são a maneira de organizar os dados geográficos e espaciais. Você provavelmente não note, mas o Waze ou Google Maps estão dentro do “reino” da Ciência GIS.

É provável que você se beneficie diariamente de ambas aplicações. A universidad de Johns Hopkins está dando suporte permanente a um excelente site de rastreio do Coronavirus, o qual reúne a informação de múltiplas fontes de dados.

“A universidad Johns Hopkins inclui isenções de responsabilidade nas notas do site sobre todas as representações e garantias com respeito ao mesmo, incluindo exatidão e aptidão para seu uso e comerciabilidade”

Eles estão sendo cautelosos para que o site não se converta ou seja utilizado como um “guia médico”. Os pesquisadores e outras instituições, incluindo a Universidade de Washington e a Universidade da Georgia, também têm desenvolvido ferramentas de rastreio disponíveis publicamente.

A ESRI é uma das organizações líderes dentro do âmbito geográfico e um provedor de recursos GIS. Encontrei um tutorial de Coronavírus convincente elaborado por ‘Bytheway’ no site da ESRI, com lições e atividades instrutivas. Kenneth Field também oferece um excelente blog post no site da ESRI sobre a responsabilidade de mapear o coronavírus. Minha amiga e colega, a  Dra. Dawn Wright, é Cientista Chefe na ESRI. Recentemente enviou um tweet com um fantástico site com abundância de informação geográfica sobre o surto de coronavírus em Singapura.

Coronaviruses 101 World Health Organization (WHO) vis Esri Website

Muitos estudantes Secundários, incluindo minha filha no ano anterior, tiveram a matéria de Geografia Humana Avançada. Isso me encanta, porque isto significa expor os estudantes a aspectos da disciplina que pulverizam as percepções errôneas sobre “mapas e capitais”.

O site da Mesa Diretiva de Colleges Avançados estabelece este conceito nos estudantes de geografia humana: “Explorar como os humanos têm entendido, utilizado e mudado a superfície da Terra”. Os tópicos devem incluir os padrões de migração, população, ecologia política, justiça ambiental, urbanização e mais.

O site da Royal Geographic Society me direcionou a uma interessante pesquisa que compreende aspectos da disciplina de geografia humana e o Coronavírus. Um estudo de 2011 intitulado “As políticas a escala, do manejo de enfermidades infecciosas em uma era de viagens aéreas com liberdade” foi publicado em Transações do Instituto de geógrafos Britânicos (Transactions of the Institute of British Geographers). Ainda que esse estudo seja mais focado no Ebola, tem conexões no tempo com o problema do coronavírus.

Steve Hinchliffe é Professor de Geografia Humana na Universidade de Exeter e um expert em biosegurança, risco alimentar, relações humano-não humano e conservação da natureza. Ele e seus colegas publicaram um livro intitulado Vidas Patológicas: Enfermidade, Espaço e Biopolíticas (Pathological Lives: Disease, Space, and Biopolitics). Ele escreveu em um blog post de 2016, “Eu chamo um nó de micróbios, anfitriões, ambientes e economias de ‘vidas patológicas’”

“O termo (Vidas patológicas) nos permite investigar como estas vidas se tornaram perigosas até para elas mesmas em um mundo de rendimento acelerado e intensidade biológica”

Steve Hinchliffe, Professor de Geografia Humana na universidad de Exeter

Também existe um corpo significativo de disciplinas sobre pesquisa escolar na interseção das enfermidades geográficas e infecciosas. Por exemplo,  um estudo de 2019 no diário Infecções, Genética e Evolução examinou a estrutura geográfica do coronavírus relacionados com a SARS de morcegos.

Uma conclusão resultou que a SARSr-CoVs tem uma estrutura geográfica diferente em termos de evolução e transmissão.

É claro que a geografia física também desempenha um papel no Coronavírus. Em um artigo anterior da Forbes, discuti sobre o potencial das implicações climatológicas da enfermidade e se a transição da estação quente no Hemisfério Norte poderia deter o contágio do coronavírus.

A breve resposta dos Centros para a Prevenção e Controle de Enfermidades (CDC) foi “não sabemos,” especialmente desde que a enfermidade tem prosperado em lugares quentes e úmidos até o momento. A resposta mais longa foi uma discussão sobre a nascente literatura sugerindo que a influenza, coronavírus e outras enfermidades relacionadas poderiam prosperar em lugares novos e por períodos de tempo mais longos à medida em que o clima continua esquentando.

Existem numerosos exemplos que lhes poderia ter dado; mas minha meta principal foi utilizar o coronavírus como um motivo para ensinar-lhes sobre geografia. Agora, vão lavar as mãos intensamente com sabão e sejam cuidadosos lá fora.

*Dr. J. Marshall Shepherd, líder internacional expert em clima, foi Presidente da Sociedade Meteorológica Americana(AMS) em 2013, e é o Diretor do Programa de Ciências Atmosféricas da Universidade da Georgia (UGA). O Dr. Shepherd é Professor Distinto da Associação Atlética da Georgia e é o anfitrião do Podcast sobre os apaixonados do Clima no Weather Channel, que pode ser encontrado em qualquer distribuidor de Podcast. Antes da UGA, o Dr. Shepherd passou 12 anos como meteorólogo pesquisador no Centro NASA-Goddard Space Flight Center e foi Cientista Adjunto para a Missão de Medida da Precipitação Global (GPM). Em 2004, foi honrado com o prestigioso prêmio PECASE na Casa Branca. Também tem recebido grandes honras da Sociedade Meteorológica Americana, Associação Americana de Geógrafos e da Fundação Captain Planet. Shepherd é visto frequentemente como um expert em clima para a maioria da mídia, a Casa Branca e no Congreso americano. Tem mais de 80 publicações de nível expert na Academia e numerosas editorias. O Dr. Shepherd recebeu seu B.S., M.S. e PhD em Meteorologia Física pela Florida State University.