Como tem sido estudado pelos gestores municipais, as projeções de evolução do COVID-19 baseadas nas experiências internacionais, indicam uma taxa de mortalidade em cerca de 1%. O desafio da pandemia aos gestores municipais, é que 80% dos infectados são assintomáticos, e continuam transmitindo o vírus sem nenhum sintoma.

Atualmente com a escassez de testes, as autoridades sanitárias estão testando apenas os casos sintomáticos que chegam aos hospitais, e mesmo assim com bastante atraso. Em razão desta situação, a única alternativa eficaz é o isolamento horizontal, para reduzir a transmissão e não saturar o sistema de saúde.

Caso a disseminação fosse desenfreada, chegaríamos a uma situação caótica em poucas semanas, como tem acontecido em outros países.
Com o isolamento, é esperado que o crescimento do número de infectados seja espaçado o tempo, com posterior redução dos casos. Obtido o controle da disseminação acelerada, entraremos em um outro ciclo.

Este novo ciclo, segundo os especialistas, se estenderá por vários meses, até que tenhamos uma vacina que permita a imunização em massa, que nas hipóteses mais otimistas pode levar mais de um ano para ser desenvolvida e testada.

Nesta fase, para que se possa adotar medidas de isolamento não horizontais, será necessário o estrito controle dos novos casos e o acompanhamento preciso dos mesmos.

Mas como então os gestores municipais podem gerir os dados de contaminação, suspeitos e controlar o crescimento de novos casos?

O uso de tecnologia é a opção que tem sido mais adotada, seja para o monitoramento populacional ou identificação de suspeitos. Dada a característica de transmissão pela proximidade entre os munícipes, faz-se necessário neste momento uma forma de acompanhar espacialmente cada munícipe para criação dos mecanismos de proteção e blindagem necessários.

Aplicação de Geointeligência disponível e já em uso por municípios no Brasil, permite que por meio de um link, disponibilizado pela prefeitura (via site ou QR CODE), o munícipe contribua com a gestão sanitária por meio de preenchimento voluntário de formulário simplificado.

Em menos de 3 minutos, sem sair de sua residência, o munícipe informa a sua idade, se possui doenças preexistentes, quais sintomas está sentindo, se viajou nos últimos 14 dias, se está com dificuldade de ter acesso a produtos de limpeza e higiene pessoal, dentre outras perguntas que permitirão as autoridades identificar o grau de gravidade e risco de contaminação de cada cidadão.

Através do sinal do GPS do celular do munícipe, os formulários preenchidos estarão geolocalizados, ou seja, terão sua localização identificadas automaticamente no mapa do município, permitindo assim validar com os dados de endereço preenchidos pelo munícipe.

A partir dos dados preenchidos pelo munícipe, é gerada uma rica base de dados, permitindo que a aplicação de geointeligência torne-se uma ferramenta aos gestores públicos municipais para definição e orientações de políticas públicas emergenciais. Podemos citar algumas das informações que poderão ser obtidas a partir do mapeamento:

  • Onde estão localizados os casos confirmados?
  • Onde estão localizadas as pessoas do grupo de risco?
  • Onde estão localizadas as pessoas que apresentam os sintomas da COVID-19?
  • Onde estão localizadas as pessoas com dificuldade de acesso a álcool em gel, sabonete e mascaras?
  • Dentre outras

Perguntas como essas podem ser respondidas de forma rápida, assertiva e localizada! Com base nesse banco de dados atualizado, oriundo do mapeamento voluntário, é possível gerar gráficos, estatísticas e cenários de inteligência geográfica, auxiliando a prefeitura na definição do direcionamento dos recursos para a população mais carente, definindo quais ruas e bairros serão priorizadas na desinfecção ou até mesmo realizar o atendimento médico na residência dos casos de suspeita da COVID-19.

Esta ferramenta, tem sido também utilizada como forma de engajamento, ao utiliza-las durante entrevistas ou pronunciamos, bem como exposição no próprio site da prefeitura.

Para a continuidade e complemento das coletas de dados, está ainda disponível na aplicação, uma interface para uso no momento do acolhimento, nas UPA, UBS, Hospitais ou semelhantes. Também neste momento, a aplicação permite aos usuários confirmarem seu endereço via interface de mapa, mantendo assim uma base centralizada, geoespacial e possível de integração aos demais dados da Prefeitura, provindos de outros sistemas.

Ferramentas de Inteligência geográfica e BI (Bussiness Inteligence) permitem a tomada de decisão rápida pelas autoridades, mas para isso é fundamental a estruturação de dados confiáveis e integrados.
Vale lembrar que este tipo de tecnologia permite manter controle de outras patologias que competem pelo sistema de saúde, como Chikungunya, Zika, Dengue e H1N1. Incluindo ainda ao processo de coleta e gestão de dados, os servidores públicos que atuam no campo, por meio de coleta de dados via dispositivo móvel integrado a aplicação.
Será mais bem-sucedida a Administração Municipal que dispuser de dados confiáveis e atualizados, para que a tomada de decisão e estabelecimento de ações se deem em tempo hábil.

Artigo por *Fernando Leonardi (CEO-Geopixel) e **Ubirajara Moura de Freitas (Diretor de Tecnologia – Geopixel)

Soluções Inovadoras para Mercados Verticais

Agende sua participação nos eventos DroneShow e MundoGEO Connect 2020, que acontecem de 1 a 3 de Setembro no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo (SP). Inscreva-se nos cursos, seminários e fóruns com antecedência e garanta preços especiais (vagas limitadas). O registro também está aberto para visitar a feira onde mais de 50 empresas vão demonstrar os lançamentos e novidades do setor. Veja como foi o evento de 2019:

Imagem de capa: Pixabay